Pesquisar
Pesquisar

Sementes de conflito germinam nos Bálcãs

Revista Diálogos do Sul

Tradução:

Vesna Peric Zimonjic*

Segundo especialistas da Faculdade de Agricultura da Universidade de Belgrado, as espécies autóctones de frutas e verduras dos Bálcãs perderam a batalha contra as grandes produtoras internacionais de sementes. Foto: Cortesia de Vesna Peric Zimonjic
Segundo especialistas da Faculdade de Agricultura da Universidade de Belgrado, as espécies autóctones de frutas e verduras dos Bálcãs perderam a batalha contra as grandes produtoras internacionais de sementes. Foto: Cortesia de Vesna Peric Zimonjic

Este ano o verão nos Bálcãs foi agradável, deixando abundância e alimentos suficientes nas mesas. Mas a população se queixa que os tomates “não têm o mesmo sabor de antes”, as melancias estão muito aguadas, as couves são difíceis de cortar e as cebolas já não fazem ninguém chorar. É um rumor indignado, que ressoa nos fóruns populares e nas redes sociais da internet na Sérvia. Os agricultores são acusados de se renderem às pressões dos importadores de sementes, deixando de lado as espécies autóctones que até agora davam bons resultados.

“Atualmente há poucas possibilidades de constatar se o que se compra é um tomate real, colhido localmente”, disse Jasmina Zdravkovic, do Instituto de Agricultura da cidade Sérvia de Smederevska Palanka, 63 quilômetros a sudeste de Belgrado. “O mais provável é acabar comprando um cujo centro seja branco e impossível de se comer. Isto se deve ao gene introduzido para manter o tomate firme”, explicou à IPS, acrescentando que esses tomates nunca estão maduros; ficam vermelhos apenas por fora.

Segundo Jasmina e especialistas da Faculdade de Agricultura da Universidade de Belgrado, as espécies originárias perderam a luta contra as grandes companhias internacionais produtoras de sementes. O cultivo de espécies nativas se reduziu a hortas particulares ou outras áreas pequenas. Desde 2000, quando foram levantadas as sanções internacionais impostas à Sérvia após a guerra de 1998-1999 em Kosovo, as sementes importadas irromperam sem nenhum controle nem oposição no mercado sérvio.

As híbridas, produzidas por gigantes biotecnológicos como Monsanto, DuPont ou Syngenta, assumiram as rédeas por completo. Segundo as últimas estatísticas da Câmara de Comércio, o país importou 230 toneladas de sementes e materiais de multiplicação por US$ 810 mil apenas nos três primeiros meses deste ano. “Assim, não há esperanças de que se produza comercialmente nenhuma espécie autóctone”, disse à IPS Djordje Glamoclija, da Faculdade de Agricultura.

Entretanto, o país vem realizando um esforço sustentado para preservar seu patrimônio fitogenético. Um programa nacional para a conservação e o uso sustentável desses recursos está em suas fases finais. E uma de suas principais propostas é consolidar um banco genético nacional. Os recursos fitogenéticos da Sérvia atualmente estão “dispersos pelo país, em institutos agrícolas e faculdades”, afirmou Milena Savic, futura diretora desse banco.

A coleção nacional tem cinco mil amostras de 273 espécies de plantas nativas da Sérvia. “Elas representarão a base para os recursos fitogenéticos, de acordo com a política nacional e mundial de preservar espécies originais”, ressaltou Milena. “Até agora, as amostras são guardadas para médio e longo prazos”, explicou à IPS, ou seja, de 20 a 50 anos. Os genes vegetais são mantidos em câmaras frias especiais, a temperaturas de 20 graus negativos, e as amostras de plantas são conservadas a quatro graus.

Trabalhando com estas espécies originárias, a Sérvia espera desenvolver variedades melhoradas de sementes, cruzando-as com tipos de plantas de alto rendimento. O país também é parte da iniciativa regional de recursos fitogenéticos chamada Rede de Desenvolvimento do Sudeste da Europa. A ocidente da Sérvia, os protestos na Croácia contra o domínio das sementes importadas atingiram seu clímax antes que esse país entrasse na União Europeia, no dia 1º de julho deste ano.

Isto aconteceu ao longo do verão: 18 organizações não governamentais pediram às autoridades que impedissem “a cobiça das multinacionais que ameaçam pôr em perigo os recursos que representam a base da indústria alimentar croata”. A Croácia já não tem nem uma fábrica produtora de sementes, e depende completamente das importadas. Essa nação gasta US$ 60 milhões anuais na importação de sementes e em materiais de multiplicação, segundo a Sociedade Croata de Agronomia.

Um motivo particular de preocupação foi a nova regulamentação da União Europeia sobre as duas coisas, que exigiu, em nome do consumidor e da segurança alimentar, o registro de todas as frutas, verduras e árvores que antes se podia reproduzir ou distribuir. Por fim, a regulação mudou em razão de pressões de organizações não governamentais europeias, incluídas as 18 da Croácia. Agora, é permitido que os donos de hortas domésticas guardem e troquem sementes não registradas, e que organizações pequenas, com menos de dez empregados, cultivem sementes que tampouco estejam registradas.

“As sementes representam a riqueza de hoje e de amanhã”, ressaltou Denis Romac, jornalista e ambientalista croata. “A produção própria de verduras saudáveis e cultivadas localmente significa a salvação para muitas pessoas em tempos de crise. Não surpreende que estejam recorrendo a terras nas cidades ou mesmo cultivando algo em suas sacadas e jardins, quando os têm”, acrescentou.

A crise econômica do ano passado prejudicou muito a região. O desemprego na Sérvia chegou a 27% de seus 7,22 milhões de habitantes, e na Croácia atingiu 18,5% de sua população de 4,26 milhões. Enquanto isso, agricultores e donos de hortas domésticas na Sérvia recorrem ao método mais antigo mas também o mais seguro: o de guardar sementes no final da temporada para plantá-las na seguinte.

“Fico com as sementes de um ano para outro e as uso no jardim”, disse Milentije Savovic à IPS. Ele tem vários hectares com hortas de diferentes verduras perto de Belgrado, e vende o que produz no popular mercado verde de Kalenic. Em sua banca encontra-se os populares tomates coração de boi, diferentes variedades de cebola, pequenos feijões pérola e melões “cerovaca” muito secos, que os mais velhos consumiam quando jovens. “Quanto às espécies autóctones, não há dúvidas de que são as melhor adaptadas ao nosso clima, solo e meios de proteção. Assim, por que mudá-las se são boas?”, opinou Savovic.

Entretanto, Glamoclija se mostrou precavido a respeito. “Não se deve confundir o cultivo de espécies tradicionais ou antigas com as modernas tendências de cultivo de alimentos saudáveis”, disse à IPS. “As espécies cultivadas localmente e que estão bem adaptadas necessitam bons cuidados e proteção adequada. As frutas não tratadas podem conter bactérias tóxicas em lugar de pesticidas. Por isso o chamado ‘regresso à natureza’ pode ser como andar de bicicleta no centro de uma cidade em meio aos gases emitidos por veículos pesados”, acrescentou.

*IPS de Belgrado, Sérvia, para Diálogos do Sul

 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Revista Diálogos do Sul

LEIA tAMBÉM

Gustavo Petro
Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU
Haiti
Haiti: há pelo menos 20 anos comunidade internacional insiste no caminho errado. Qual o papel do Brasil?
Betty Mutesi
“Mulheres foram protagonistas na reconstrução da paz em Ruanda”, afirma ativista Betty Mutesi
Colombia-paz
Possível retomada de sequestros pelo ELN arrisca diálogos de paz na Colômbia