Pesquisar
Pesquisar

Solidariedade bolivariana: Venezuela continua a enviar oxigênio para o Brasil

O governo venezuelano entregou, na segunda-feira, mais dois caminhões-cisterna com oxigénio ao Brasil, para ajudar os estados do Amazonas e de Roraima
Redação AbrilAbril
AbrilAbril
Lisboa

Tradução:

“Desde a linha fronteiriça com o Brasil, o nosso governador [do estado de Bolívar] Justo Noguera entrega às autoridades brasileiras de mais dois caminhões-cisterna com oxigênio destinados a fazer frente à crise sanitária de Covid-19 nos estados de Roraima e do Amazonas”, escreveu o ministro venezuelano dos Negócios Estrangeiros, Jorge Arreaza, na sua conta de Twitter.

“Solidariedade bolivariana”, escreveu ainda o diplomata, reiterando o apoio ao país vizinho no atual contexto de emergência sanitária e de colapso no sistema de saúde gerados pelo grande número de contágios da doença provocada pelo vírus SARS-CoV-2.

No fim-de-semana passado, Arreaza também recorreu à sua conta de Twitter para saudar os trabalhadores da fábrica de oxigênio da Siderúrgica del Orinoco (Sidor) Alfredo Maneiro, localizada na Ciudad Guayana (estado de Bolívar), “pela sua dedicação e esforço”, que permitem garantir o abastecimento e responder à procura.

O governo venezuelano entregou, na segunda-feira, mais dois caminhões-cisterna com oxigénio ao Brasil, para ajudar os estados do Amazonas e de Roraima

Reprodução/Senador Telmário Mota
Segundo senador Telmário Mota, carregamento deve chegar em Manaus até a manhã desta terça-feira

Em janeiro Venezuela enviou 136 mil litros de oxigênio

Em meados de janeiro, a Venezuela enviou para o Brasil a primeira caravana com caminhões-cisterna, carregados com 136 mil litros de oxigênio. Embora, inicialmente, todos se destinassem aos hospitais na cidade de Manaus, que enfrentava uma situação de grande emergência, um deles, com cerca de 20 mil litros, ficou no estado de Roraima, a pedido das autoridades locais, segundo informou o portal Opera Mundi.

Erik Gana, o cônsul da Venezuela em Boa Vista, capital de Roraima, confirmou ao portal brasileiro que foi abordado pelas autoridades estaduais por forma a que Caracas garantisse o abastecimento de oxigênio ao estado.

Nicolás Maduro, afirmou que o seu país estava fazendo “acordos para fornecer oxigênio permanentemente a Manaus” e considerou que é “uma obrigação ajudar”

A 5 de fevereiro, o governo da Venezuela concretizou uma segunda entrega, de 56 mil litros de oxigênio, aos estados de Roraima e do Amazonas, para ajudar pacientes com Covid-19.

Poucos dias antes, em entrevista ao jornalista Breno Altman, da Opera Mundi, o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, afirmou que o seu país estava fazendo “acordos para fornecer oxigênio permanentemente a Manaus” e considerou que é “uma obrigação ajudar”.

Redação AbrilAbril


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação AbrilAbril

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei