Pesquisar
Pesquisar

Solidariedade: Tortura Nunca Mais-RJ

Revista Diálogos do Sul

Tradução:

CAMPANHA DE SOLIDARIEDADE
AOS AMIGOS E COMPANHEIROS DO GRUPO TORTURA NUNCA MAIS/RJ

Durante mais de 29 anos, o GTNM/RJ tem mantido o seu compromisso com a luta pelos direitos humanos, denunciando crimes que ocorreram durante a ditadura civil-militar, e que ocorrem até hoje, com a conivência de um Estado que se diz Democrático e de Direito.

O GTNM/RJ tem sido eticamente coerente com seus princípios: suprapartidário, não aceitando apoio financeiro do Estado, nem de qualquer partido político. Desde sua fundação, em 1985, sobrevive graças ao empenho de seus amigos, parceiros e militantes.

Cada vez mais atravessamos uma grave crise financeira. Os projetos de atendimento aos atingidos pela violência institucionalizada foram extintos. Continuamos reduzindo ao máximo as nossas despesas administrativas, a situação continua muito grave.

Mais uma vez estamos iniciando uma nova Campanha de Solidariedade com o objetivo de continuarmos com nossa luta. O apoio dos companheiros será determinado de acordo com as possibilidades de cada um.

Contamos com nossos companheiros, amigos e militantes para darmos continuidade à luta por memória, verdade e justiça!

Assim, informamos que gostaríamos de poder acompanhar os depósitos que estarão sendo feitos em nossa conta: Banco Itaú, agência 0389, Conta 77791-3, em nome de Tortura Nunca Mais/RJ, CNPJ 29.249.950/0001-36.

Solicitamos que esta campanha seja o mais amplamente divulgada.

Pelo Cumprimento da Sentença do Araguaia!

Pela Vida, Pela Paz
Tortura Nunca Mais


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Revista Diálogos do Sul

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei