Pesquisar
Pesquisar

SP e RJ terão atos para pedir que Israel liberte Ahed Tamimi e todas crianças palestinas presas

Revista Diálogos do Sul

Tradução:

Um abaixo-assinado internacional pedindo a libertação da adolescente já conta com mais de 1,2 milhão de assinaturas

Por Redação
A jovem Ahed Tamimi, de 16 anos, será julgada por um tribunal militar israelense na próxima quarta-feira (31). Como forma de pressionar o governo de Israel a libertá-la, atos estão sendo realizados em todo o mundo: dos Estados Unidos à Irlanda, passando pelo México.
Em São Paulo, a manifestação será realizada no dia 31 no Vão do MASP, na Avenida Paulista à partir das 18 horas.
No Rio de Janeiro, o ato ocorre na Cinlândia, à partir das 16 horas.
Ahed Tamimi pode ser condenada a até dez anos de prisão por ter reagido com uma agressão a um soldado que estava estacionado no quintal de sua casa. A ação foi uma resposta ao fato de, pouco antes, o primo de Ahed, Mohammed Tamimi, de 15 anos, ter recebido um tiro no rosto, o que o deixou por coma induzido por 72 horas.
O jovem participava de um protesto contra a decisão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que reconheceu, unilateralmente, Jerusalém como capital de Israel.
A mãe de Ahed também foi presa, acusada de divulgar o vídeo e supostamente incitar a violência.
De acordo com a organização Defense for Children International-Palestine, atualmente há aproximadamente 500 crianças palestinas detidas, aguardando meses até seus julgamentos por tribunais militares de Israel.
Veja a linha do tempo dos acontecimentos:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Revista Diálogos do Sul

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
12 mortes/hora: EUA usam crise de overdose no país para abalar progressismo de Obrador
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação