Pesquisar
Pesquisar

Suécia é o primeiro país da UE a reconhecer a Palestina como um estado independente

O governo sueco também aprovou o aumento da ajuda para a criação de um estado palestino para 161 milhões de euros nos próximos cinco anos
Redação Pressenza
Pressenza
Santiago

Tradução:

O governo da Suécia reconhece a Palestina como um Estado independente, medida que Estocolmo considera um ato de “responsabilidade” para promover o processo de paz no Oriente Médio. Israel como resposta, retirou seu embaixador indefinidamente.

A promessa foi feita na última quinta-feira (30) pelo primeiro-ministro sueco, o social-democrata Stefan Lofven durante sua posse, quando ele havia avançado sua intenção de reconhecer o Estado palestino.

Com esta decisão a Suécia torna-se o primeiro país membro da União Europeia a dar este passo, embora outros Estados o tenham feito antes de aderir à UE.

O governo sueco também aprovou o aumento da ajuda para a criação de um estado palestino para 161 milhões de euros nos próximos cinco anos

Mídia Ninja
O presidente palestino, Mahmoud Abbas, descreveu a decisão como “histórica”

Suécia aprovou também o aumento da ajuda à criação de um Estado palestino para SEK 1.500 milhões (161 milhões de euros) nos próximos cinco anos, 50% mais do que o orçamento inicial, excluindo a ajuda humanitária, RTVE revisão.

“O governo sueco decidiu hoje reconhecer a Palestina como Estado. A principal razão é que considera que os critérios do direito internacional para reconhecer estados são atendidos. Existe um território, uma população e um governo’’, disse a chanceler sueca, Margot Wallström, citada pela RTVE.

Em uma audiência após a reunião de gabinete em que a declaração foi aprovada, Wallstrom a rejeitou como uma decisão precipitada e aludiu à “estagnação” da situação.

‘’Não é cedo demais, o risco é que é tarde demais. Temos a responsabilidade de enviar um sinal de que ainda acreditamos em uma solução de dois estados e de que o mundo não os esqueceu. Queremos dar aos jovens a esperança de que um mundo pacífico seja possível “, disse ele.

“A Suécia precisa entender que as relações no Oriente Médio são mais complicadas do que montar um gabinete da IKEA em casa”, disse o ministro das Relações Exteriores de Israel, Avigdor Lieberman, citado pelo Haaretz.

O presidente palestino, Mahmoud Abbas, descreveu essa decisão como “histórica”.

A Autoridade Nacional Palestina saudou a decisão da Suécia e vários de seus líderes pediram à Espanha para ser o próximo país a reconhecer seu status.

A Assembléia Geral da ONU aprovou de fato o reconhecimento da Palestina como um estado em 2012, mas a UE e a maioria dos países membros ainda não deram reconhecimento oficial, embora o Parlamento Britânico recentemente tenha votado a favor.

Assista também

 Link para o arquivo original do nosso parceiro


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Redação Pressenza

LEIA tAMBÉM

emmanuel-macron
Enquanto fascismo avança, Macron equipara esquerda à extrema-direita e rejeita frente popular
zelensky-conferencia-paz-eua2
“Conferência de Paz” de Zelensky: plano da Otan é manter guerra “até o último ucraniano”
Congo-golpe-Christian-Malanga
Quem são e o queriam golpistas dos EUA mortos em ataque ao Congo em 19/5
Cuba-bloqueio
EUA mantêm Cuba como patrocinadora do terrorismo para afogar projeto cubano de soberania