Pesquisar
Pesquisar

Suspeito de sonegação, Sergio Moro acusa subprocurador de abuso de poder

Advogados de Moro atacaram Lucas Furtado, responsável por pedir a indisponibilidade dos bens do presidenciável
Plinio Teodoro
Revista Fórum
São Paulo (SP)

Tradução:

Suspeito de sonegação de impostos e alvo de uma representação do Ministério Público (MP) pedindo que o Tribunal de Contas da União (TCU) declare a indisponibilidade de seus bens, Sergio Moro (Podemos) usou uma antiga estratégica política: atacou o acusador, o subprocurador Lucas Rocha Furtado, autor da ação. 

Em contestação assinada pelos seus advogados – entre eles, Gustavo Guedes, ex-defensor de Michel Temer (MDB) – o ex-ministro de Jair Bolsonaro (PL) diz que “o último requerimento do subprocurador-geral Lucas Furtado, atuando à margem do próprio Ministério Público de Contas, dever ser integralmente indeferido”.

Assista na TV Diálogos do Sul

Moro já manifestou seu desejo de processar Furtado por meio de nota emitida na última sexta-feira (4).

“Fica evidenciado o abuso de poder perpetrado por este procurador do TCU. Pretendo representá-lo nos órgãos competentes, como já fez o senador da República, Alessandro Vieira (Cidadania-SE), e igualmente promover ação de indenização por danos morais”, disse Moro.

Advogados de Moro atacaram Lucas Furtado, responsável por pedir a indisponibilidade dos bens do presidenciável

Lula Marques/Agência PT / Flickr
Nos 12 meses em que atuou na consultoria estadunidense Alvarez & Marsal, moro recebeu o equivalente a R$ 3,537 milhões

Abuso de autoridade

Senadores do Podemos, partido de Moro, também protocolaram uma representação para apurar suposto cometimento de crime de abuso de autoridade por parte do subprocurador. 

O documento, apresentado à Procuradoria-Geral da República (PGR), é uma reação às investigações em curso sobre a atuação do ex-juiz da Lava Jato na consultoria americana Alvarez & Marsal.

Candidatura de Moro não vai longe porque vai expor que ele fez do Brasil colônia dos EU

Furtado pediu ao TCU que declare a indisponibilidade dos bens do ex-juiz em razão de suspeitas de sonegação fiscal do ex-magistrado diante do contrato milionário com a consultoria estadunidense Alvarez & Marsal.

Pressionado, Moro revelou na semana passada que recebeu um total de US$ 656 mil, o equivalente a R$ 3,537 milhões, nos 12 meses em que atuou na consultoria estadunidense.

Ao avaliar os documentos apresentados por Moro ao TCU, Furtado mudou sua posição diante da investigação e defendeu a continuidade do processo e reafirmou “a necessidade de apuração do caso pela Receita Federal”.

O procurador pediu a adoção de uma medida cautelar de indisponibilidade dos bens alegando que houve “inconsistência dos documentos comprobatórios” do investigado e “suposta utilização de pejotização pelo Sr. Sérgio Moro a fim de reduzir a tributação incidente sobre o trabalho assalariado“ 

Plinio Teodoro, Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humana.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Plinio Teodoro

LEIA tAMBÉM

Lula
Frei Betto | Para Lula, momento exige maior sintonia entre governo e movimentos sociais
Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
mães - palestina
Dia das Mães: algumas mães só querem a paz de presente, lembra ato pró-Palestina em Brasília
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização