Pesquisar
Pesquisar

Suspensão de diálogos entre ELN e Governo da Colômbia: entenda razões e possível retomada

No último dia 20, o Exército de Libertação Nacional (ELN) anunciou que retiraria sua delegação da mesa de negociações
Jorge Enrique Botero
La Jornada
Bogotá

Tradução:

Com o argumento de que o governo colombiano realiza negociações paralelas com suas estruturas no departamento de Nariño, o Exército de Libertação Nacional (ELN) na última terça (20) anunciou que retiraria sua delegação da mesa de diálogos e advertiu que as conversações entrarão em uma fase de congelamento.

Depois de 15 meses de diálogos com uma delegação nomeada pelo presidente Gustavo Petro, os insurgentes se queixaram de que “tendo pactuado um processo nacional de participação da sociedade, o governo monta um diálogo regional em Nariño alheio ao processo nacional e desconhecendo a delegação do ELN e a mesa onde participa a comunidade internacional como garantia, assim como a ONU e a Conferência Episcopal Colombiana”. 

Assista na TV Diálogos do Sul

Em um comunicado de cinco parágrafos firmado por seu Comando Central, a organização guerrilheira também acusou ao governo, ao comissionado de paz, ao ex-guerrilheiro do M-19 Otty Patiño, às forças armadas e à polícia de cometer “ações que violentam o pactuado na mesa de conversações com a delegação oficial do ELN”. 

Fontes próximas ao processo disseram ao La Jornada que o “ELN interpreta mal o fato de que o governo faça esforços para aclimatar acordos territoriais com o fim de diminuir os índices de violência e levar desenvolvimento às regiões mais afetadas pelo conflito armado”. 

Governo Petro dispensa política de guerra contra ELN e fortalece diálogo de paz

No entanto, o ELN assegurou que já havia advertido no recente ciclo de diálogos realizado em Havana sobre esta situação, e revelou ter dito à delegação do governo que “seguir esse caminho faria o processo entrar em crise ao violar os acordos pactuados”. Segundo o Comando Central dos rebeldes “era algo que se previa”.

Continua após a imagem

No último dia 20, o Exército de Libertação Nacional (ELN) anunciou que retiraria sua delegação da mesa de negociações

Foto: Delegación de Paz del Gobierno de Colombia
Os diálogos com o ELN fazem parte da estratégia governamental denominada Paz Total




Situação de congelamento

Em declarações ao La jornada, Danilo Rueda, que atuou como comissionado de paz até novembro de 2023, afirma que faltou transparência ao pronunciamento dos elenos (como se conhece popularmente esta guerrilha) e assegurou que “é possível reconduzir a situação de congelamento para fortalecer a mesa de diálogos”. 

Desde novembro de 2022, quando se iniciaram as conversações formais em Caracas, o governo e o ELN tiveram seis ciclos de trabalho, dois deles no México, dois em Havana e um na capital venezuelana, logrando avanços importantes como a participação de amplos setores sociais no processo e – sobretudo – um pacto de cessar-fogo que já completa quase sete meses. 

Colômbia: Petro indicado ao Nobel da Paz é reconhecimento aos esforços pela “paz total”

Não obstante, também houve momentos críticos, como o registrado após o sequestro, em setembro de 2023, de Manuel Diaz, pai do ídolo de futebol local Luis Diaz, que desatou um forte rechaço da sociedade colombiana e pôs sobre a mesa o espinhoso tema do uso dos sequestros como método para obter finanças. 

Os diálogos com o ELN fazem parte da estratégia governamental denominada Paz Total, que inclui a aproximação com a complexa amálgama de grupos armados irregulares que operam em campos e cidades da Colômbia.

Além da mesa com os elenos, há conversações formais com duas dissidências das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) que se negaram a se juntar aos acordos de paz de 2016: o denominado Estado Maior Central (EMC) e a Segunda Marquetália, liderada por Iván Márquez.  

Jose Enrique Botero | La Jornada, especial para Diálogos do Sul – Direitos reservados.
Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul



As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Jorge Enrique Botero Jornalista, escritor, documentarista e correspondente do La Jornada na Colômbia, trabalha há 40 anos em mídia escrita, rádio e televisão. Também foi repórter da Prensa Latina e fundador do Canal Telesur, em 2005. Publicou cinco livros: “Espérame en el cielo, capitán”, “Últimas Noticias de la Guerra”, “Hostage Nation”, “La vida no es fácil, papi” y “Simón Trinidad, el hombre de hierro”. Obteve, entre outros, os prêmios Rei da Espanha (1997); Nuevo Periodismo-Cemex (2003) e Melhor Livro Colombiano, concedido pela fundação Libros y Letras (2005).

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei