Pesquisar
Pesquisar

Tanques e Generais: Brecht, Snowden, Assange e Manning

Revista Diálogos do Sul

Tradução:

Bertold Brecht foi um dos maiores dramaturgos do Século XX e sua obra ainda é referência para todos aqueles que acreditam que um mundo melhor é não apenas possível, mas necessário.

Anibal Montoya*

Os casos de Edward Snowden, ex-conselheiro da CIA que revelou a agência de espionagem maciça na internet, do soldado Manning Yankee, que vazou milhares de relatórios secretos do governo dos EUA, e de Julien Assange, fundador do Wikileaks, trazem à mente um poema de Bertolt Brecht.

 

O Vosso tanque General, é um carro forte

Derruba uma floresta esmaga cem homens,
Mas tem um defeito
– Precisa de um motorista

O vosso bombardeiro, general
É poderoso:
Voa mais depressa que a tempestade
E transporta mais carga que um elefante
Mas tem um defeito
– Precisa de um piloto.

O homem, meu general, é muito útil:
Sabe voar, e sabe matar
Mas tem um defeito
– Sabe pensar

Bertold Brecht

 

É incrível como, apesar de toda a máquina repressiva, do desenvolvimento tecnológico mais sofisticado nas mãos dos governos mais reacionários do planeta, de seus sistemas de segurança avançados, do seus poderosos aparatos estatais com isca de centenas de bilhões de dólares, de seus exércitos de agentes secretos, de policiais e de criminosos de todos os tipos aos seus serviços, basta a vontade de um único indivíduo de média e baixa fileiras, perdido e esquecido em um canto escuro de um escritório ou num quartel do exército, para revelar ao mundo todo o esgoto dos esgotos de poder que se esforça para se manter secreto, como um avarento ganancioso que guarda tesouros escondidos.

É preciso um grau de extraordinária coragem para fazer o que fizeram estes três indivíduos, e isso deve ser dito. Mas isso não pode explicar tudo. Para superar o medo das consequências de suas ações, também é preciso desenvolver um senso de profundo desprezo para o venenoso meio ao seu redor, e um enorme desejo de servir a humanidade para denunciar toda a imundícia do poder arbitrário de que foram testemunhas e participantes. A idéia dialética que das águas sujas pode fluir também água limpa, o velho do novo.

Eles são pessoas como todos nós e suas ações devem nos reconciliar com nossa humanidade e fortalecer nossa confiança na humanidade e seus mais altos padrões.

Se dezenas de milhões vão às ruas em todo o mundo, se o sentimento de revolta parece cada vez mais espalhado por todo o planeta em desafio aberto ao sistema existente, e se, até mesmo dentro da máquina de poder surgem aliados inesperados, quem pode duvidar que o medo começa a mudar de lado e que a vitória parece cada vez mais provável?

  • Anibal Montoya (Argentina) – Edição João Baptista Pimentel Neto

 

Saiba quem foi Eugen Berthold Friedrich Brecht

(Augsburg, 10 de fevereiro de 1898 — Berlim Leste, 14 de agosto de 1956)
Bertold BrechtDestacado dramaturgo, poeta e encenador alemão do século XX. Seus trabalhos artísticos e teóricos influenciaram profundamente o teatro contemporâneo, tornando-o mundialmente conhecido a partir das apresentações de sua companhia o Berliner Ensemble realizadas em Paris durante os anos 1954 e 1955.

Ao final dos anos 1920 Brecht torna-se marxista, vivendo o intenso período das mobilizações da República de Weimar, desenvolvendo o seu teatro épico. Sua práxis é uma síntese dos experimentos teatrais de Erwin Piscator e Vsevolod Emilevitch Meyerhold, do conceito de estranhamento do formalista russo Viktor Chklovski, do teatro chinês e do teatro experimental da Rússia soviética, entre os anos 1917-1926. Seu trabalho como artista concentrou-se na crítica artística ao desenvolvimento das relações humanas no sistema capitalista.

Recebeu o Prêmio Stalin da Paz em 1954.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Revista Diálogos do Sul

LEIA tAMBÉM

Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei
José Raúl Mulino
Eleição no Panamá simboliza crise sistêmica que atinge democracia "representativa"
Vox-Abascal-Milei
Xenofobia e delírios ultradireitistas: Vox reúne asseclas em Madri