Pesquisar
Pesquisar

Taxação do andar de cima: Enquanto Bolsonaro ataca os pobres, EUA aumentará impostos dos mais ricos

A taxação do "andar de cima", nos EUA, visa recompor o caixa depois dos cortes de impostos promovidos pelo ex-presidente republicano Donald Trump
Esmael Morais
Blog do Esmael
São Paulo (SP)

Tradução:

É covardia comparar, mas vamos lá.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, vai aumentar os impostos sobre as empresas e os ricos como antídoto necessário para a desigualdade econômica.

Não deixe de ler
Aumentar impostos sobre mais ricos? 83 milionários dizem que é “única escolha certa”

A taxação do andar de cima, nos EUA, visa recompor o caixa depois dos cortes de impostos promovidos pelo ex-presidente Donald Trump.

Há quase 80 anos a Receita americana não tem uma mexida tão significativa como programam os democratas.

A ideia do governo Biden consiste em desencorajar os americanos a acumular fortunas e, com isso, passem a investir na produção e na geração de empregos.

A taxação do "andar de cima", nos EUA, visa recompor o caixa depois dos cortes de impostos promovidos pelo ex-presidente republicano Donald Trump

Reprodução: Eric Haynes
O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden

A partir de 2017, Trump havia cortado impostos dos muitos ricos e das grandes empresas.

Joe Biden pretende modernizar a economia dos EUA, além da ajuda de R$ 1,9 trilhão, com programas que investem em infraestrutura, educação, redução de carbono e mães trabalhadoras. Esses projetos estão estimados em até US$ 4 trilhões.

Para cumprir suas promessas da campanha de 2020, Biden planeja financiar esses gastos, pelo menos em parte, com aumentos de impostos que podem levantar mais de US$ 2,5 trilhões em receita.

Tristeza no Brasil

No Brasil, sob Jair Bolsonaro, o governo continua no ataque contra os pobres. Ao invés de colocar dinheiro na economia, como faz os EUA, o mandatário persegue servidores públicos e reduz o auxílio emergencial na pandemia.

Saiba+
Entenda por que taxar super ricos é essencial para Brasil pagar renda básica e sair da crise

Em nenhum momento Bolsonaro pensou em taxar as grandes fortunas e as grandes empresas para reduzir desigualdades e promover o consumo das massas.

Pelo contrário. o presidente brasileiro facilitou nos últimos meses redução de salários, precarização da mão de obra com a flexibilização de jornada, enfim, atacou o “trabalho” para favorecer o “capital”.

Leia também
Super ricos: 42 brasileiros lucraram mais do que todo custo do auxílio emergencial na pandemia

Sadicamente, o governo Bolsonaro aprovou um “auxílio emergencial” de R$ 65 bilhões para meia dúzia de bancos – a título de pagamento de juros e amortizações da dívida interna – enquanto destinou um teto de apenas R$ 44 bilhões para cerca de 77 milhões de pessoas vulneráveis na pandemia (informais, desempregados, etc.).


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

  

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Esmael Morais

LEIA tAMBÉM

Javier_Milei
Milei bloqueia 5 mil ton de comida, deixa mais pobres com fome e inflama revolta na Argentina
Héctor Llaitul
Sem provas, justiça do Chile condenou líder mapuche Héctor Llaitul em prol de madeireiras
protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025