Pesquisar
Pesquisar

“Tem existido resistência das mulheres negras lésbicas das quebradas”, diz ativista

camila-salmazio
Brasil de Fato

Tradução:

No universo lésbico, o aumento do ódio não tem ficado apenas no discurso em redes sociais. Mulheres lésbicas que tentam viver suas sexualidades de forma natural e optaram por amar outras mulheres são vítimas não só do machismo e da misoginia, como também da lesbofobia.

O Dossiê sobre lesbocídio no Brasil lançado este ano apontou que o assassinato de mulheres lésbicas aumentou 237% entre 2014 e 2017. A pesquisa feita pelo Grupo de Pesquisa Lesbocídio – As Histórias que Ninguém Conta, e pelo Nós: Dissidências Feministas também mostra que na maioria dos casos as mulheres eram jovens e negras.

Apesar dos números alarmantes, Cinthia Abreu, integrante da Marcha Mundial de Mulheres e da Marcha das Mulheres Negras de São Paulo explica que os dados também refletem a maior visibilidade dada para o tema nos últimos anos, graças a organização delas. “Esse aumento é devido a visibilidade, as pessoas estão conseguindo falar que não é mais briga de rua, não é confusão, e sim um ato de lesbocídio, quando a gente é morta devido a nossa orientação sexual que é de ser lésbica nessa sociedade”, avalia.

Cinthia também fala sobre os chamados estupros corretivos, quando homens violentam sexualmente mulheres lésbicas como forma de “corrigir” a orientação sexual delas. “A gente vai notar que alguns desses atos aparece pela própria família, não são nem pessoas de fora. Isso acontece também dentro do âmbito familiar, quando a família, por si só, já tenta corrigir o que eles chamariam de desorientação sexual”.

Acessar os serviços voltados ao público LGBT ofertados pelo governo é outro obstáculo. Essas mulheres geralmente estão no mercado de trabalho em postos precarizados ou invisibilizados.“Nós lésbicas somos um grande público em serviços via telefonia, call centers, porque primeiro é um trabalho extremamente precarizado, sem grandes direitos garantidos, mas sobretudo porque lá a gente não é vista”, denuncia a ativista.

O Dia Nacional da Visibilidade Lésbica, celebrado em 29 de agosto, foi instituído em 1996, na ocasião do 1º Seminário Nacional de Lésbicas e Bissexuais. Além de ajudar a jogar luz nas questões que violentam a vida dessas mulheres, a data representa a luta e resistência que tem crescido, principalmente nas periferias, através da voz das mulheres lésbicas negras. “Tem existido uma resistência muito interessante das mulheres lésbicas das quebradas e das periferias. Uma nova forma de fazer política, de denunciar que é o slam, as poesias, os fanzines, os debates. Isso se dá, sem sombra de dúvidas as mulheres negras.”


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
camila-salmazio

LEIA tAMBÉM

Héctor Llaitul
Sem provas, justiça do Chile condenou líder mapuche Héctor Llaitul em prol de madeireiras
Palestina
Ocidente deveria se preocupar com massacre operado por Netanyahu livremente
Assange
Silêncio, imperialismo e guerra midiática: por que não podemos nos esquecer de Assange?
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda