Pesquisar
Pesquisar

Tempo de descolonizar o Foro Social Mundial

Revista Diálogos do Sul

Tradução:

fORO sOCIAL mUNDIAL TUNEZ 2013
Mulheres saharauis no FSM de Tunes

Em 2011, quando os participantes do Foro Social Mundial (FSM) em Dakar receberam a notícia de que o presidente egípcio Hosni Mubarak havia sido derrocado pela mobilização de milhões de pessoas nas ruas, poucos puderam conter sua alegria.

Mas, a euforia rapidamente foi substituída por várias interrogantes: Qual o propósito do FSM? Continua sendo relevante? Como se conecta com as pessoas que lutam para sobreviver e enfrentam as balas no território?

“Mesmo estando aqui, dois anos depois, convidados pelo próprio povo que fez esta revolução, que nos quer aqui, que deseja que ajudemos a fortalecer sua luta em Tunes, -continua sendo relevante?”, considerou o cientista social estadunidense Immanuel Wallerstein, na edição 2013 do FSM, celebrada em Tunes.

Sua pergunta aponta à necessidade, expressada também por centenas de pessoas que se reuniram nesta cidade entre 26 e 30 de março, de se analisar seriamente a direção que deve tomar o FSM que acaba de cumprir 13 anos.

O Foro esta ano realizado em Tunes como reconhecimento ao movimento social que derrubou o regime do ditador Zine El Abidine Ben Ali e desatou uma onda de levantamentos similares em outros países no que se chamou de Primavera Árabe. Mas os participantes continuam se indagando para onde se dirige o FSM e o que é capaz de conseguir.

A série de oficinas “Descolonizando o Foro” lançou luz sobre a desigualdade ainda existente em matéria de representatividade e acessibilidade neste encontro anual.

Este ano houve uma clara maioria de não ocidentais no FSM: dos cerca de 60 mil visitantes, somente 8 mil vieram da Europa, enquanto que os tunisianos totalizaram 20 mil. Não obstante, como é tradicional, grandes organizações não governamentais internacionais como a Associação pela Taxação das Transnacionais Financeirias e pela Ação Cidadã (ATTAC), bem como outras da Europa e Estados Unidos, estão melhor capacitadas para mandar delegações maiores que os grupos do Sul.

Roma Malik, do Foro Nacional de Povos e Trabalhadores dos Bosques da Índia, recordou que o FSM nasceu como um processo destinado a se contrapor às desigualdades criadas pela globalização e o neoliberalismo.

Portanto, “o FSM deveria estar menos dominado pelas grandes ONG e se necessita esforços para trazes mais gente de menos recursos”, disse. Isto inclui a pessoas como aquelas com quem Roma trabalha, habitantes dos bosques da Índia que sofrem a monopolização de terras e o deslocamento em mãos de corporações transnacionais.

Mais de 1.1 milhões de hectares estão ameaçados na zona central da Índia, segundo informe da organização Greenpeace, intitulado “Countering Coal” (contestando o carvão). Só o desenvolvimento da mina de carvão de Mahan, no estado central de Madhya Pradesh, poderia desalojar de suas casas a 14 mil pessoas.

Steven Faulkner, chefe relações internacionais do Sindicato de Trabalhadores Municipais da África do Sul, sustenta que a responsabilidade de conseguir uma representação igualitária no FSM recai sobre seu Conselho Internacional, um órgão representativo de uns 140 membros.

“Necessitamos uma forte liderança, que se considere responsável pelos pobres e marginados”, disse. Depois de ter passado várias décadas trabalhando com temas laborais em toda a África, Faulkner destacou o fato de que os pobres do mundo não são só beneficiários passivos da ajuda, mas bem sobreviventes ativos de um sistema econômico, social e político altamente desigual.

Este mesmo ato de sobrevivência é um processo criativo “a que deveríamos prestar mais atenção”, advertiu Faulkner, trazendo para o FSM as pessoas diretamente afetadas para que compartilhem suas preocupações e estratégias.

“Se podemos nos libertar a nos mesmos das fronteiras impostas pelo colonialismo e nos tornar genuinamente livres, como dizia Nelson Mandela, então poderemos nos dar conta de algo: África tem um enorme potencial. Outras vozes destacaram o grande efeito unificador e renovador do FSM.

Hassen Ltaief, ativista durante a revolução tunisiana, provocou um grande aplauso quando afirmou: “Não era o mesmo aqui antes da chegada do FSM. Viemos dar um novo espirito ao Foro e, como posso ver nos olhos dos ativistas mais veteranos, parece que é um verdadeiro êxito”.

O que tornou o Foro significativo, disse Ltaief, foi que abriu espaço para o desenvolvimento de uma consciência coletiva, e realçou a importância da organização conjunta, duas lições fundamentais para Tunes, que experimenta as dores do crescimento de uma nova democracia e está sob enorme pressão para salvaguardar suas conquistas revolucionárias.

Agora, os organizadores do FSM preparam o terreno pra as futuras reuniões. O Foro Social do Magreb se viu fortalecido com a decisão do Conselho Internacional de celebrar sua próxima reunião de planificação nessa região.

Esse foro regional nasceu em 2005, criado por instâncias de marroquinos e tunisinos em Porto Alegre. Desde então foram realizados grandes esforços para atender temas que competem a mulheres, jovens e a sociedade civil em geral do norte da África.

Há diversas propostas para a sede do próximo FSM, que vão desde a Índia ao México, Canadá, Brasil e inclui outra vez na Tunísia.

“O FSM tradicionalmente tem sido uma experiência nômade, disse Nicolas Haeringer, observador do Conselho Internacional. “Deve fazer crescer suas raízes, mais que nunca, e considerando que a de Tunísia foi uma das reuniões mais  inspiradoras das que assisti, crio que não seria uma louca ideias realiza-lo outra vez aqui”.

 

*IPS de Tunes, para Diálogos do Sul


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Revista Diálogos do Sul

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação