Pesquisar
Pesquisar

Tiro no próprio pé: Ao nomearem Rússia e China como principais ameaças, EUA criam rival invencível, diz especialista

A combinação do potencial demográfico e econômico chinês com o potencial científico e militar russo representa uma "mistura termonuclear"
Redação Sputnik Brasil
Sputnik Brasil
São Paulo (SP)

Tradução:

Recentemente, a Casa Branca divulgou disposições transitórias da Estratégia de Segurança Nacional, nas quais a Rússia e a República Popular da China são nomeadas como “ameaças principais”.

Sobre o tema
EUA terão que aceitar que Rússia irá cooperar apenas com temas de nosso interesse, diz Putin

“Não há nada de novo nas disposições desse documento – é o mesmo que Joe Biden falou no período eleitoral, é o mesmo que, aliás, Donald Trump disse muitas vezes, já para não falar dos representantes do Pentágono. Tal estratégia favorecerá a consolidação da Rússia e da China, o que pode levar à criação de um verdadeiro bloco militar. Em comparação com essa força, até o Pacto de Varsóvia pode parecer um pigmeu – desse modo os Estados Unidos estão criando com suas próprias mãos um tal adversário que nunca conseguirão vencer”, em entrevista à Sputnik o especialista militar russo Konstantin Sivkov 

Segundo o especialista, a combinação do potencial demográfico e econômico chinês com o potencial científico e militar russo representa uma “mistura termonuclear”, perante a qual os EUA e Europa não têm nada para contrapor.

A combinação do potencial demográfico e econômico chinês com o potencial científico e militar russo representa uma "mistura termonuclear"

Sputnik / Sergei Guneev
Tal estratégia favorecerá a consolidação da Rússia e da China

Tiro no próprio pé

“Tal política de Washington é perniciosa primeiramente para ele mesmo. Desde o ponto de vista econômico, a China supera os EUA, e no futuro próximo vai superar ainda a Europa, ao mesmo tempo, a Rússia é independente em termos de matérias-primas e pode fornecer todo o necessário à China”, notou o especialista militar.

De acordo com especialista, a atual política de Washington demonstra a descida de nível das elites que tomam decisões-chave nos Estados Unidos.

Leia também
Livre, Lula muda o panorama político brasileiro e pode pôr em xeque imperialismo dos EUA

“Se hoje em dia as decisões fossem tomadas [nos EUA] por figuras da grandeza de Henry Kissinger ou Zbigniew Brzezinski, então a política estadunidense seria muito mais inteligente. Estes tiveram mesmo inteligência suficiente para criar um conflito entre a União Soviética e a China, [enquanto] o establishment atual, ao contrário, empurra Moscou para os braços de Pequim sem calcular as consequências perniciosas para si”, ponderou Sivkov.

Redação Sputnik Brasil


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Sputnik Brasil

LEIA tAMBÉM

2560px-Hotel_InterContinental_(Madrid)_01
Grupo que articula ataques a Obrador faz novo encontro da ultradireita global em Madri
netanyahu-genocidio-Palestina
Pogroms, censura, manipulação midiática: o que Ocidente esconde sobre o genocídio palestino
Wu Qian - China
Líder em Taiwan empurra compatriotas para situação perigosa de guerra, afirma China
Rússia-Defesa
Kremlin manda prender altos funcionários da Defesa por corrupção; entenda o caso