Pesquisar
Pesquisar

Torturas, mortes e 36 mil prisões: Os danos do desastroso estado de exceção em El Salvador

Com o pretexto de combate às gangues, governo do país “têm cometido violações massivas de direitos humanos", aponta Anistia Internacional
Arturo Cano
La Jornada
San Salvador

Tradução:

Um dos principais diários de El Salvador pôs na primeira página na quarta-feira passada, em um quadro, a notícia de que as detenções sob o regime de exceção estabelecido em março – e ampliado em duas ocasiões – superaram todas as ocorridas durante 2021. Na mesma edição, a manchete principal foi “Bukele com 87% de aprovação”.

O título jornalístico aludia ao terceiro informe de governo do presidente Nayib Bukele o qual em março passado, após dezenas de assassinatos em apenas um fim de semana, ordenou ao Congresso aprovar o regime de exceção que outorga poderes adicionais às forças de segurança, suspende os direitos de associação e reunião, além de estender a 15 dias o tempo que uma pessoa pode ficar detida sem acusações. 

“Estamos a ponto de ganhar a guerra contra as gangues” disse Bukele em seu informe, embora segundo organizações de direitos humanos e pesquisas jornalísticas não há evidência de que o plano contra os grupos criminosos esteja destinado ao êxito.

“Efetivamente, a popularidade do presidente Bukele é alta, mas essa popularidade não pode ser utilizada para violentar os direitos humanos e desmantelar as instituições do Estado, porque lamentavelmente em nossa região esse é um caminho que não tem volta”, disse em uma entrevista coletiva em San Salvador, Erika Guevara, diretora regional da Anistia Internacional (AI).

Com o pretexto de combate às gangues, governo do país “têm cometido violações massivas de direitos humanos", aponta Anistia Internacional

Infobae
Um dos resultados das detenções em massa é que El Salvador superou aos Estados Unidos na proporção de pessoas encarceradas




“Grave situação de violações aos direitos humanos”

A Anistia Internacional implementou uma equipe especial na nação centro-americana para documentar o que considera uma “grave situação de violações aos direitos humanos” na qual participam todos os poderes do Estado. 

Com o pretexto de combate às gangues, diz o informe da AI, as autoridades de El Salvador “têm cometido violações massivas de direitos humanos, entre elas milhares de detenções arbitrárias (durante a vigência do regime foram detidas 36 mil pessoas) e violações ao devido processo, assim como torturas e maus tratos, e pelo menos 18 pessoas morreram sob a tutela do Estado”.; 

Um dos resultados das detenções em massa, é que El Salvador superou aos Estados Unidos no número de pessoas encarceradas. Atualmente, na pequena nação centro-americana há 1.164 pessoas presas por cada 100 mil habitantes, contra 630 dos Estados Unidos. Isto significa que quase 2 por cento das pessoas maiores de 18 anos estão encarceradas, o que torna “inimaginável” a situação dentro das prisões, nas quais já se vivia um desastre pela superpopulação. 

A diretora da AI foi acompanhada por representantes de organizações de direitos humanos salvadorenses. Zaira Navas, da Cristosal, disse que até a presente data não se sabe sobre os responsáveis “das 87 mortes desse fatídico fim de semana de março que deu origem ao regime de exceção”.


850 denúncias

A ativista salvadorense informou que sua organização recebeu 850 denúncias desde que entrou em vigor o estado de exceção, na maioria relacionadas com detenções arbitrárias, tortura e maus tratos. Também disse que houve denúncias de 23 execuções dentro das prisões, que são controladas pelas gangues. 

Guevara referiu-se ao discurso que Bukele pronunciou no último dia de maio, no qual afirmou que ganharão a guerra contra as gangues. “O que vivem as comunidades historicamente marginadas neste país é uma realidade que está distante desse triunfalismo. Hoje se encontram encurraladas entre a violência das estruturas criminosas e as violações de direitos humanos ocasionadas por políticas falidas, repetitivas, que nada têm de inovadoras, mas que foram aperfeiçoadas para gerar a tempestade perfeita”. 

AI demandou ao governo de Bukele que ponha fim ao regime de exceção e reverta as medidas legislativas e judiciais que violam os direitos humanos, entre elas a que baixou a idade penal para 12 anos.

Arturo Cano é correspondente de La Jornada em El Salvador.
Tradução de Beatriz Cannabrava.



As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Arturo Cano

LEIA tAMBÉM

Héctor Llaitul
Sem provas, justiça do Chile condenou líder mapuche Héctor Llaitul em prol de madeireiras
protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"