Pesquisar
Pesquisar

Trabalhadores "essenciais, mas descartáveis”: a contradição capitalista no seio dos EUA

Apesar do recente reconhecimento, imigrantes e outras pessoas marginalizadas continuam recebendo os menores salários, sem benefícios ou direitos
David Brooks
La Jornada
Nova York

Tradução:

Milhões de trabalhadores “essenciais”, muitos dos quais provêm das comunidades mais afetadas pela pandemia e pela crise econômica, estão arriscando suas vidas todos os dias para resgatar os Estados Unidos, apesar da onda de racismo e retórica anti-imigrantes que vem da Casa Branca. 

A luta pelo futuro político, econômico e social está acontecendo em todas as esquinas do país enquanto continua a emergência de saúde diante da pandemia. O mais notável, além do heroísmo dos trabalhadores da saúde, é a revelação de que os mais invisíveis e marginados agora são reconhecidos como “essenciais”. 

“Essenciais, mas descartáveis”, repetem vários dirigentes dessas comunidades ao assinalar que a maioria destes trabalhadores – os que atendem aos idoso nos asilos para a terceira idade, os trabalhadores em armazéns, processadores de alimentos, motoristas, os que fazem entregas a domicílio de alimentos, remédios e pedidos aos supermercados, os de serviço nos edifícios – continuam estando entre os que são mais mal pagos, carecem de benefícios e direitos trabalhistas e, com a pandemia, nem lhes é oferecido equipamento básico de proteção pessoal.  

Entre os essenciais, um dos setores mais afetados é do trabalho doméstico, incluindo babás, cuidadoras de idosos – 5 milhões de pessoas trabalham nos asilos para idosos bem como cuidando deles em casa – e aquelas que se dedicam à limpeza das casas. 

Apesar do recente reconhecimento, imigrantes e outras pessoas marginalizadas continuam recebendo os menores salários, sem benefícios ou direitos

Biblioteca Google Imagens Públicas
Entre os essenciais, um dos setores mais afetados é do trabalho doméstico

Ai-jen Poo, diretora da Aliança Nacional de Trabalhadores Domésticos (NDWA), setor conformado por mulheres imigrantes (a maior concentração de trabalhadores indocumentados) e de minorias estadunidenses, assinala que 82% dessas pessoas não ganham o salário mínimo, carecem de seguros médicos e não contam com férias pagas ou outros benefícios. “Essas trabalhadoras tão invisíveis por tanto tempo agora são designadas como ‘essenciais’… e isso é uma oportunidade nesta conjuntura em que de repente esse setor é reconhecido, o que pode desatar um movimento”, afirmou em um fórum cibernético do The Nation.

 

A NDWA com outras organizações de defesa de imigrantes, de mulheres, e políticos progressistas estão impulsionando uma legislação local e nacional por um novo programa de “cuidado universal” como uma Lei de Direitos dos Trabalhadores Essenciais para outorgar, pela primeira vez, remuneração justa e benefícios garantidos a este e outros setores e com isso “levando a luz aos que vivem nas sombras”. 

Por outro lado, trabalhadores “essenciais” estão denunciando a falta de proteção pessoal em seus trabalhos no meio da pandemia, e estão brotando centenas de paralisações e protestos trabalhistas em diferentes partes do país, desde armazéns da Amazon e lojas do Walmart, e processadores de carne, entre outros.

Nesta quarta-feira, trabalhadores do McDonald’s em vinte cidades realizaram uma paralisação em demanda de condições mais sadias e seguras. Nesta semana, centenas de embaladores de maçã no estado de Washington começaram uma greve em demanda de maior proteção sanitária e pagamento extra por trabalhar em condições perigosas. 

O reverendo William Barber, líder do Movimento dos Pobres, reiterou que “é evidência de que tão imorais são alguns de nossos políticos e empresários que fazem com que as pessoas entrem em situações letais sem abordar o problema… isso não é maneira de governar um país”. 

A pandemia revela cada vez mais a grave fragilidade de alguns dos setores mais vulneráveis deste país. A taxa de mortalidade pela Covid-19 dos afro-estadunidenses é 2,4 vezes que a dos brancos, segundo uma nova pesquisa.  

No Arizona, a taxa de mortalidade dos indígenas é mais de cinco vezes maior do que todos os outros grupos; no Novo México é de sete vezes maior, segundo essa mesma pesquisa [https://www.apmresearchlab.org/covid/deaths-by-race]. A nação Navajo – cujo território está em partes do Arizona, Novo México e Utah recentemente superou o estado de Nova York com a taxa mais alta de contágio dos Estados Unidos, reportou a CNN. 

Enquanto isso, com o constante ataque anti-imigrantes da Casa Branca com a retórica oficial declarando a Covid-10 como o “vírus chinês” e proclamando a China como inimigo, é reportado um incremento dramático em crimes de ódio contra imigrantes em geral, mas sobretudo agora contra asiáticos.  

Pior ainda, médicos, enfermeiros e outros profissionais de saúde de origem asiáticos estão relatando um aumento de incidentes racistas, informa o Washington Post. Uma médica sino-estadunidense comentou que, ao deixar seu turno na unidade de terapia intensiva de um hospital em Boston, um homem a acusou: “vocês chineses estão nos matando”, deixando-a com a sensação de que ela dedica seus dias e noites atendendo aos infectados e salvando suas vidas apenas para serem atacados nas ruas por sua aparência

 

David Brooks, correspondente de La Jornada em Nova York

La Jornada, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação