Pesquisar
Pesquisar

Trump desafia impeachment e solicita nova investigação de adversário político

Defensores do presidente americano estão argumentando que não há nada de ilegal em instar a outro governo realizar uma investigação de possível corrupção
David Brooks
La Jornada
Nova York

Tradução:

O presidente dos Estados Unidos solicitou na última quinta-feira (4), aberta e publicamente, que Ucrânia e a China investigassem um de seus adversários políticos neste país, ou seja, justamente o que detonou o processo para destituí-lo, ao ser acusado de solicitar interferência estrangeira na pugna eleitoral estadunidense.

Donald Trump, em comentários na Casa Branca, disse que “a China deveria iniciar uma investigação sobre os Biden”, referindo-se ao seu adversário democrata, o ex-vice-presidente Joseph Biden e seu filho Hunter, os mesmos contra ao quais solicitou a ajuda da Ucrânia em uma chamada telefônica em julho, e raiz da investigação de impeachment. Ao mesmo tempo, reiterou que os ucranianos deveriam fazer uma investigação maior contra os mesmos Biden.

Os comentários de Trump sobre Ucrânia e agora sobre a China provocaram assombro, já que agora o presidente estava confirmando a violação da lei que detonou o processo de impeachment.

Defensores do presidente americano estão argumentando que não há nada de ilegal em instar a outro governo realizar uma investigação de possível corrupção

Observatório.pt
Donald Trump

De fato, neste contexto, a presidenta da Comissão Federal Eleitoral, Ellen Weintraub, decidiu que teria que publicar no Twitter uma declaração que já havia feito em junho em resposta a comentários de Trump nessa época afirmando que não necessariamente reportaria às autoridades se um estrangeiro lhe oferecesse informação de algum opositor político: “É ilegal para qualquer pessoa solicitar, aceitar ou receber qualquer coisa de valor de estrangeiro em conexão com uma eleição nos Estados Unidos. Este não é um conceito novo”, escreveu hoje. 

Por sua parte, o democrata Adam Schiff, chefe do Comitê Inteligência reagiu aos comentários de Trump sobre a Ucrânia e a China, reafirmando que “o presidente não pode usar o poder de seu posto para pressionar líderes estrangeiros a investigar seus opositores políticos” – ou seja, a acusação central da investigação para o impeachment. Outros de seus colegas democratas afirmaram que os comentários de hoje levam a denúncias adicionais contra o presidente. 

Mas Trump e seus defensores estão argumentando que não há nada de ilegal em instar a outro governo a realizar uma investigação de possível corrupção em seus países, inclusive, neste caso, a do ex-vice-presidente Biden e seu filho. O vice-presidente Mike Pence insistiu em que “o povo estadunidense tem o direito de saber” se Biden e sua família lucraram com seu posto quando foi vice-presidente. 

No entanto, Trump e sua gente não têm oferecido nenhuma evidência sobre possíveis atos de corrupção por parte dos Biden – embora o filho Hunter esteja vinculado com negócios na Ucrânia e na China. 

E como se as coisas não estivessem cada vez mais estranhas, Trump decidiu sugerir que talvez por trás dessa “farsa” do impeachment estava a indústria farmacêutica. Em um evento sobre seguros médicos na Flórida, comentou que “não ficaria surpreso se parte dessa bobagem que todos tivemos que aguentar… provém de indústria como a farmacêutica com a qual nós temos nos enfrentado [segundo ele, tem insistido em reduzir os preços de medicamentos]”. Para variar, não ofereceu nenhuma prova para sua acusação. 

Enquanto isso, tanto o ex-enviado especial de Trump para a Ucrânia, Kurt Volker, que renunciou ao seu posto na sexta-feira passada, apresentou-se a uma reunião a portas fechadas diante de três comitês da câmara baixa que estão realizando as investigações para formular denúncias para o processo de impeachment. Entre o que indigna aos legisladores estão os esforços do enviado para facilitar contatos entre o advogado pessoal de Trump, Rudolph Giuliani, e o governo ucraniano.

Ao mesmo tempo, é notável que, à medida que avança essa crise política, há cada vez mais pessoas dentro do regime que estão filtrando a cada dia mais detalhes sobre seu chefe. 

Mas, parece que o processo para sua possível destituição não ocupa toda a atenção presidencial e hoje Trump teve tempo para elogiar uma crítica à jovem ativista contra a mudança climática Greta Thunberg:

Keep up the great work Kellie! https://t.co/PcAnK009EW

*David Brooks, correspondente – La Jornada em Nova York

**Tradução: Beatriz Cannabrava

***La Jornada, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação