Pesquisar
Pesquisar

Trump irrita generais e almirantes e acusa seus detratores de atos contra Estados Unidos

Generais retirados e figuras amplamente reconhecidas, expressaram suas críticas à decisão do americano de permitir a intervenção militar da Turquia na Síria
David Brooks
La Jornada
Nova York

Tradução:

Generais e almirantes retirados — alguns entre os mais reconhecidos do país – repudiaram o comandante e suas políticas, e mais diplomatas criticam o manejo de relações exteriores para os interesses políticos e empresariais pessoais do presente, enquanto Donald Trump qualifica todos os seus detratores como antipatriotas.

Depois que o almirante retirado William McRaven, ex-comandante de Operações Especiais, escreveu que a república estadunidense estava sob ataque de seu próprio presidente, o general retirado James Mattis, ex-secretário de Defesa de Trump, expressou seu desprezo por seu ex-chefe, burlando-se de como o presidente evadiu seu serviço militar e, em referência ao insulto que o mandatário lhe dirigiu declarando que ele era “um general superestimado”: disse que “sou o Meryl Streep dos generais”, ao recordar que o presidente também chamou a grande atriz de “superestimada”.

Generais retirados e figuras amplamente reconhecidas, expressaram suas críticas à decisão do americano de permitir a intervenção militar da Turquia na Síria

Twitter / Reprodução
Presidente dos Estados Unidos Donald Trump, o auto proclamado

Ao mesmo tempo, outros três generais retirados e figuras amplamente reconhecidas, expressaram suas críticas à decisão de Trump de abandonar os curdos e permitir a intervenção militar da Turquia na Síria.

Junto com eles, também cresce o número de diplomatas veteranos que não apenas foram ao Congresso para testemunhar sobre a controvérsia na Ucrânia, em que Trump pressionou o governo para interferir na eleição presidencial de 2020 ao investigar um dos seus principais rivais – com o que se detonou o processo de impeachment em curso — mas agora  sobre outros aspectos de sua política que estão danificando as relações com aliados.

Bill Burns, presidente do Carnegie Endowment e ex-diplomata com enorme prestígio no corpo diplomático escreveu essa semana que “nunca vi um ataque sobre a diplomacia tão daninho (…) como o que está em curso” por esta Casa Branca.

De fato, foi a recente mudança na política com a Síria que criou novas frações dentro do Partido Republicano. O líder da maioria republicana do Senado, Mitch McConnell, denunciou em um artigo de opinião publicado no Washington Post que a retirada das tropas do norte da Síria é “um grave erro estratégico” que põe em risco a segurança nacional e enfraquecerá as alianças internacionais.

Outros de seus colegas se somaram a esta crítica inusual ao presidente, levando alguns estrategistas republicanos a se preocupar com as implicações dessa dissidência justamente quando se acelera o processo de impeachment.

A investigação para formular denúncias para destituir o presidente continuará na Câmara de Representantes na próxima semana com pelo menos 5 funcionários citados, incluindo o atual embaixador na Ucrânia.

Trump, uma vez mais, utilizou um comício eleitoral no Texas para acusar seus detratores de atos contra os Estados Unidos. Disse que a presidenta da câmara baixa e a democrata mais poderosa, Nancy Pelosi, é “uma louca”, acusou os democratas de desejar “derrocar” os resultados da eleição de 2016, e que “já não creio mais que amam nosso país”.

Quem está sob processo de impeachment por possíveis delitos para minar o processo democrático declarou em seu discurso diante dos seus fanáticos que “nesta luta está em jogo a sobrevivência da própria democracia estadunidense”.

*David Brooks, Correspondente – La Jornada, Nova York.

**Tradução: Beatriz Cannabrava

***La Jornada, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

Wu Qian - China
Líder em Taiwan empurra compatriotas para situação perigosa de guerra, afirma China
Rússia-Defesa
Kremlin manda prender altos funcionários da Defesa por corrupção; entenda o caso
Rafah-ataque-Israel
Fepal: Como Alemanha nazista, Israel deve ser parado pela força das armas
Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu