Pesquisar
Pesquisar

Trump pode cair? Entenda os desdobramentos do processo de impeachment nos EUA

O Comitê Judicial da Câmara sustenta que o presidente "traiu a nação por abusar de sua alta posição" e, portanto, recomenda que ele seja impedido
David Brooks
La Jornada
Nova York

Tradução:

Donald Trump foi acusado de “trair a nação” pela Câmara de Representantes no início da semana histórica na qual se converterá no terceiro presidente dos Estados Unidos a ser formalmente submetido a um julgamento político para sua destituição. 

O Comitê Judicial da Câmara apresentou o relatório que fundamenta o pedido de impeachment contra Trump em um informe que sustenta que o presidente “traiu a nação ao abusar de seu alto posto” e recomenda que seja destituído.

O informe divulgado detalha os delitos cometidos que levaram o comitê a aprovar as acusações formais – que justificam o impeachment – de abuso de poder e obstrução do Congresso em sua investigação. Trump, acusa os democratas, “de impor interesses pessoais e políticos sobre os de segurança nacional, eleições livres e imparciais e, ainda, ao sistema de limites e equilíbrios.

O informe, que contém novas acusações ou revelações, apresenta detalhadamente as conclusões das investigações e audiências que foram realizadas desde 24 de setembro quando teve início o processo.

Indica, em torno à primeira acusação, que “quando o presidente exige que um governo estrangeiro anuncie investigações contra um de seus rivais políticos, corrompe nossas eleições”, em referência à tentativa de manipular o governo ucraniano para promover seus próprios fins políticos”. Nessa tentativa, argumenta o informe, Trump cometeu “múltiplos delitos federais” incluindo “suborno criminoso” e “fraude”.

O Comitê Judicial da Câmara sustenta que o presidente "traiu a nação por abusar de sua alta posição" e, portanto, recomenda que ele seja impedido

Flickr | mathiaswasik
Manifestante durante protesto segura cartazes pedindo impeachment de Trump pelas lutas em que acredita.

Obstrução

Sobre a segunda acusação que diz respeito as diversas maneiras em que Trump ordenou a não cooperação da Casa Branca e de várias agências do executivo com a investigação da câmara, são uma clara ação de obstrução do Congresso que contraria os princípios de “uma sociedade democrática” e representam que Trump representa um poder exercido pela realeza contra o qual “nossos fundadores se rebelaram”.

Os republicanos do Comitê Judicial incorporaram um documento dissidente, rechaçando as acusações e argumentando que o presidente não cometeu nenhuma violação que mereça seu impeachment.  

Por hora se espera que o plenário da câmara baixa vote hoje (18) as acusações formais contra o presidente, cuja aprovação requer maioria simples. Se forem aprovadas, tal como se espera, pela maioria democrata que controla  a câmara, Trump será o terceiro presidente na história do país a ser “impichado” (Richard Nixon teria sido o quarto, mas renunciou antes desta fase do processo de destituição).  

Uma vez impichado, inicia-se a última fase do processo onde ocorrerá um julgamento político pelo Senado que seria realizado no início do próximo ano e, em princípio, poderia ser destituído. No entanto, já que o Senado está sob o controle do Partido Republicano e até agora não há indícios de uma dissidência entre seus senadores, prognostica-se que ao final será absolvido. 

Entretanto, Trump não poderá evitar o dano político e histórico, já que doravante será sempre vinculado a palavra impeachment. A cada dia mais meios de comunicação, em sua postura editorial, se proclamam a favor do “impeachment” do mandatário, entre os quais importantes veículos de mídia nacionais e regionais, incluindo Los Angeles Times, New York Times, Washington Post, USA Today, Chicago Sun Times,  Orlando Sentinel e San Francisco Chronicle.

Ainda mais preocupante para a Casa Branca, uma nova sondagem realizada pelo canal de televisão favorito e que mais apoia o presidente, Fox News, registrou que mais da metade dos estadunidenses (54%) creem que Trump deveria ser “impichado”, e 50% acreditam que deveria ser destituído.  

Por outro lado, o venerado ex-diretor do FBI e da CIA, o ex-juiz federal William Webster, expressou alarme pelo que chamou “uma ameaça grave” contra o país, ao acusar que Trump e seus subordinados estão minando o princípio “fundamental” do império da lei.

Em um artigo publicado no New York Times, Webster alertou que |”a integridade das instituições que protegem nossa ordem civil estão, tragicamente, sob assalto de gente cujo trabalho deveria ser protege-las”, assinalando em particular os ataques de Trump e de “meu amigo”, o procurador-geral William Barr contra o FBI e o Departamento de Justiça.

*David Brooks, correspondente de La Jornada em Nova York.

**La Jornada, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.

***Tradução: Beatriz Cannabrava

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação