Pesquisar
Pesquisar

UE e Celac debatem mudanças climáticas, política de combate às drogas e migração

Revista Diálogos do Sul

Tradução:

Os ministros de Assuntos Exteriores da União Europeia (UE) e da Comunidade de Estados Latino-americanos e Caribenhos (Celac) começam nesta segunda-feira (16) uma reunião centrada no tema ”Construindo pontes e reforçando nossa associação para enfrentar os desafios globais”.

O encontro, que se estenderá por dois dias, estará presidido pela chefa da diplomacia europeia, Federica Mogherini, e pelo chanceler em exercício de El Salvador, Carlos Castaneda, em sua condição de presidente pró tempore da Celac.

De acordo com um comunicado do Conselho Europeu, na agenda se destacam temas como a consolidação do multilateralismo e o reforço à cooperação nos foros mundiais.

Mais especificamente, dialogarão sobre assuntos como o Acordo de Paris sobre mudança climática, a revisão da política mundial sobre drogas de 2019 e o Pacto Mundial sobre Migração.

Também compartilharão pontos de vista sobre os desafios comuns e os meios de aplicação da Agenda 2030 de Desenvolvimento Sustentável, que “pode incluir um debate sobre novas formas de cooperação internacional ou sobre novos âmbitos de colaboração como o desenvolvimento digital ou urbano”, diz o da convocatória.

Por outro lado, os ministros abordarão a continuidade da colaboração em prol da capacidade integradora e da sustentabilidade da economia, bem como do comércio, investimentos e produtividade.

Neste aspecto, está previsto um diálogo sobre as negociações em curso, o meio empresarial e a responsabilidade social das empresas.

Ao terminar a reunião, espera-se que os ministros da UE e da Celac adotem uma declaração final.

Em seu conjunto, as duas organizações reúnem 61 países, “cerca de um terço dos membros das Nações Unidas”, onde habitam mais de um bilhão de pessoas, o que equivale a 15% da população mundial.

Isto significa que a associação entre os dois blocos regionais “repercute na vida de muitas pessoas e tem potencial para configurar a ordem mundial baseado em normas”, apontou o Conselho Europeu.

Tanto a UE como os países da América Latina e do Caribe respaldam a Agenda 2030 de Desenvolvimento Sustentável, e também têm sido os principais impulsionadores do Acordo de Paris sobre a mudança climática, destacou o comunicado.

*Prensa Latina de Bruxelas, especial para Diálogos do Sul – Direitos reservados


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Revista Diálogos do Sul

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei