Pesquisar
Pesquisar

UFPEL desafia intervenção de Bolsonaro e nomeia dois reitores

Nomeada pela governante, Isabela Andrade assume o cargo oficialmente, mas irá compartilhar as decisões com Paulo Ferreira Júnior, que foi o mais votado no pleito
Redação Sul 21
Sul 21
São Paulo

Tradução:

Em transmissão ao vivo realizada nesta quinta-feira (7), a direção da Universidade Federal de Pelotas (UFPEL) informou que a instituição terá dois reitores a partir desta sexta-feira (8). Nomeada na quarta-feira (6) pelo governo Jair Bolsonaro como reitora, apesar de não ser a mais votada na consulta interna realizada pela universidade, Isabela Andrade assume o cargo oficialmente, mas irá compartilhar as decisões com Paulo Ferreira Júnior, que foi o mais votado no pleito. Na prática, a UFPEL terá uma situação inédita de cogestão. 

O objetivo da ação é recusar a intervenção do governo na universidade e, ao mesmo tempo, não dar margem para que um interventor seja escolhido para comandar a UFPEL, o que aconteceria em caso de renúncia de Isabela.

“Não era minha intenção a Reitoria e lamento a não nomeação do Paulo. Assumo este ônus, com a certeza de que somos um grupo, um só programa. Eu o Paulo, juntos, reitora nomeada e reitor eleito, assumimos em nome da UFPEL”, disse Isabela, que era suplente da chapa de Paulo Ferreira Júnior e foi indicada como o segundo nome da lista tríplice. Já Ferreira pontuou que o programa que foi eleito pela comunidade acadêmica irá comandar a universidade e saudou a proposta de gestão compartilhada. “Amanhã serei reitor”, afirmou.

Nomeada pela governante, Isabela Andrade assume o cargo oficialmente, mas irá compartilhar as decisões com Paulo Ferreira Júnior, que foi o mais votado no pleito

Universidade Federal de Pelotas
Na prática, a UFPEL terá uma situação inédita de cogestão.

Contudo, serão mantidas iniciativas para tentar garantir a posse de fato de Paulo Ferreira, como um recurso administrativo junto ao Ministério da Educação (MEC) e uma ação junto à Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

Em sua manifestação na live, o atual reitor, Pedro Hallal, lembrou que em mais de 20 universidades o governo federal já desrespeitou a vontade da comunidade acadêmica ao não nomear o primeiro colocado da lista tríplice, como aconteceu na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) em 2020. “Mas aqui manteremos o programa de gestão eleito”, disse Hallal, acrescentando que a atitude do governo federal tem o objetivo de instabilizar o ambiente nas universidades federais.

“Todos nós aqui defendemos e defenderemos em todas as instâncias que o reitor eleito deveria ser o reitor nomeado. A professora Isabela defende junto conosco. Em várias universidades, as chapas que perderam o processo eleitoral estão hoje fazendo a gestão. Felizmente, a UFPEL foi inteligente o suficiente para evitar que isso acontecesse. Aqui o projeto eleito vai ser tocado de uma maneira criativa, da melhor maneira possível. Quem perdeu a eleição na UFPEL não faz gestão na UFPEL. Quem tentou dar um golpe na nossa universidade foi o presidente da República. Nós nunca nos curvamos a ele e não vamos mais uma vez”, complementou Hallal.



As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Sul 21

LEIA tAMBÉM

Lula
Frei Betto | Para Lula, momento exige maior sintonia entre governo e movimentos sociais
Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
mães - palestina
Dia das Mães: algumas mães só querem a paz de presente, lembra ato pró-Palestina em Brasília
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização