Pesquisar
Pesquisar

Um encontro com Melville: quando torpeza e desalento são o pão e a carne de cada dia

Todo decadente precisa de certo amparo, e somente o logra encontrar quando da companhia de pessoas ingênuas ou de seres que se lhe pareçam
Carlos Russo Jr
Diálogos do Sul Global
Florianóolis (SC)

Tradução:

Quem me conhece socialmente não pode imaginar o rio de desencanto e perversão que correm juntos por minhas veias, num sangue feito fel, que nada mais faz que transportar o desalento de uma vida que se arrasta, se arrasta…

Sou afável, conversador, e os que me encontram pelas ruas do mundo até julgam descobrir em mim alguém de certo humor, na têmpera do viver. E talvez eu seja assim porque alguém como eu tem que buscar atrair alguma simpatia ou, quem sabe, o olhar comparsa de outro ser que se me assemelhe nos vícios, na canalhice e no desalento.

Carlos Russo Jr. | Na morte de Ivan Ilich, despeço-me de meu filho, que partiu

Afinal, todo decadente precisa ainda assim de certo amparo, e somente o logra encontrar quando da companhia de pessoas ingênuas ou, então, de seres que se lhe pareçam, para os quais a torpeza e o desalento sejam o pão e a carne de todo dia.

Confesso ser um tipo muito perspicaz, mesmo porque não se pode ser canalha sem argúcia e eu lhes garanto que somente quem se fixar no meu modo de olhar oblíquo com habilidade, poderá encontrar alguma pista real de minha personalidade.

Continua após o banner

Mas não se vá pensar que eu tenha sido sempre assim. Não, isto não é verdade! Pois, creiam-me, já tive até mesmo dias de glória, de prazer, de muita companhia. Afinal, fui jovem, promissor, amado, competente, até mesmo um revoltado…. Até o dia em que eu simplesmente preferi nada fazer.

Do dito, não se vá imaginar que, em algum momento do meu passado, eu tenha compartilhado da felicidade idiotizada dos simplórios e dos ingênuos; apenas que, na juventude deles também necessitava para respirar. Afinal, engolir o purgante da idiotice, da credulidade e da vulgaridade era uma maneira de conviver com aqueles por quem eu nutria o mais amargo desprezo.

Todo decadente precisa de certo amparo, e somente o logra encontrar quando da companhia de pessoas ingênuas ou de seres que se lhe pareçam

Dziana Hasanbekava/Pexels
Foi então que meu amigo me falou de um tal de Bartleby, um escrevente como tantos que povoavam nossos cartórios…




Egocentrismo e estupidez

Era em seu meio que meu egocentrismo podia se espalhar e a minha vaidade podia se nutrir da estupidez daqueles parvos, e onde a minha soberbia tornava-se intocável.

Enfim, como já disse, teve um momento em que toda a minha vida ativa de homem prático, por ser destituída de qualquer sentido, chegou ao fim e eu preferi nada fazer. Foi então que, emergindo de “Um homem do subterrâneo”, em um de meus passeios, encontrei-me com alguém que, apesar de há muito tempo não ver, sempre se me assemelhou no meu sentir. Meu amigo Herman, o Melville.

Carlos Russo: O eterno fascismo, uma visão arquetípica de Umberto Eco

Escritor afamado no seu então, ele me aconselhou a que eu me ocupasse em escrever, pois, no seu dizer, “a vida se arrastaria menos devagar, e, talvez, aí sim, com certa dose de parcimônia você poderia filtrar um pouco de seu desalento, destilar em gotas o fel que lhe consome…” Mas qual, eu disse ao meu amigo, “eu prefiro não fazer… e  escrever para quem, para que, e onde encontrar um editor tão estúpido que concorde em editar o que eu teria para colocar no papel? Não, Melville, eu prefiro, realmente, não fazer”.

Foi então que meu amigo me falou de um tal de Bartleby, um escrevente como tantos que povoavam nossos cartórios, como alguém que, de repente, como eu, “preferia nada fazer”. Meu amigo conheceu-o naquela época em que os correios não possuíam a concorrência arrasadora dos whatsaps e redes sociais.

Continua após o banner

Aliás meu interlocutor mostrou-se muito curioso para saber como isto funciona, mas esta já é outra história que um dia ainda contarei.

Voltemos ao senhor Bartleby, o copista. Ele trabalhara num departamento do correio, o de cartas devolvidas!

Disse-me Melville: “Cartas mortas, isto não soa como homens mortos? Imagine um homem que por natureza tem a tendência a uma insidiosa desesperança. Alguma atividade pode ser mais apropriada para aguçar essa desesperança do que manipular cartas mortas e separá-las para o fogo? Afinal, mesmo com mensagens de vida, essas cartas caminhavam para a morte”. E aduziu: “É meu amigo, Bartleby era um escrevente já sem alma, ela toda se consumira nos milhares de cartas com mensagens vivas que se descartaram, morreram. Por isso ele dizia que a tudo “preferia nada fazer…”

Continua após o banner

Eu entendi perfeitamente a mensagem que meu amigo me passara.

Chegando a minha casa, abri o computador e coloquei-me a escrever, afinal, eu “que preferia não fazer, criava uma escrita natimorta, em uma rede social”, dai a agudização de meu ressentimento.

Referências:
F. Dostoievski. O homem do subterrâneo.
H. Melville . O escrivão Bartlerby.

Carlos Russo Junior | Colunista na Diálogos do Sul.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Carlos Russo Jr Carlos Russo Jr., coordenador e editor do Espaço Literário Marcel Proust, é ensaísta e escritor. Pertence à geração de 1968, quando cursou pela primeira vez a Universidade de São Paulo. Mestre em Humanidades, com Monografia sobre “Helenismo e Religiosidade Grega”, foi discípulo de Jean-Pierre Vernant.

LEIA tAMBÉM

vintage-historic-photos-of-the-battle-of-berlin-1945-bw-10
A batalha de Berlim e a rendição nazista: entrevista com um combatente
Paris
Da Porte de la Villette à Bastille: uma jornada pela cultura e modernidade de Paris
Questão-racial-Brasil (1)
Lima Barreto, 13 de maio e a questão racial no Brasil
ASTROJILDOPEREIRA-MGLIMA-2023-OK
O marxismo de Astrojildo Pereira, fundador do Partido Comunista do Brasil (PCB)