Pesquisar
Pesquisar

União Europeia e EUA afundam Ucrânia em empréstimos para manter máquina de guerra

Washington já forneceu a Kiev mais de 6 bilhões de dólares em equipamento militar desde o início da operação militar russa, em fevereiro
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
Bruxelas

Tradução:

O novo empréstimo macrofinanceiro de 1 bilhão de euros da União Europeia para a Ucrânia deverá ter uma data de vencimento inferior a 25 anos. Com isso, a dívida do país com o bloco na última quarta-feira (13) o Diário Oficial do bloco.

Com o propósito de financiar o crédito, a Comissão Europeia está autorizada a adquirir emprestados os recursos necessários nos mercados de capitais ou de entidades financeiras para depois entregá-los à Ucrânia, explicou o Diário.

Assista a TV Diálogos do Sul

A taxa de provisão deverá ser fixada em 70%, em vez de aplicar a norma geral, segundo a qual a taxa é de 9,0, informou o documento.

Esse crédito se soma aos 1,2 bilhão de euros de “ajuda macrofinanceira europeia” à Ucrânia em 2022, aprovado dias antes do início da operação militar especial russa nesse país.

Pepe Escobar | Big Pharma pode estar ligada a armas biológicas do Pentágono na Ucrânia

Anteriormente, o ministro ucraniano de Finanças, Serguei Marchenko, declarou que a nação precisa de cerca de 5 bilhões de dólares mensais para manter sua economia funcionando.

Na jornada anterior, os ministros de Finanças da UE aprovaram um novo empréstimo à Ucrânia e com isso a dívida do país com o bloco chegaria a cerca de 2,2 bilhões de euros.

Mas a obtenção desses recursos por Kiev incrementará sua dívida a longo prazo, em um entorno econômico complicado, pois recentemente o Fundo Monetário Internacional situou em 14,3 bilhões de euros o déficit da balança de pagamentos da Ucrânia.

Enquanto isso, o bloco comunitário, que garante ajudar a Ucrânia, encontra-se em uma difícil situação, e até o momento baixou duas vezes as previsões de crescimento econômico e se espera que esta semana realize uma nova revisão para baixo.

Os recursos em caráter de empréstimo a longo prazo serão adquiridos pela UE nos mercados internacionais de capital e depois transferidos nas mesmas condições de pagamento à Ucrânia.

Washington já forneceu a Kiev mais de 6 bilhões de dólares em equipamento militar desde o início da operação militar russa, em fevereiro

Infobae
Leyen reafirmou que UE está ‘ao lado’ da Ucrânia




Os EUA anunciam novo pacote financeiro para a Ucrânia

Os Estados Unidos entregarão um novo pacote financeiro de 1,7 bilhão de dólares à Ucrânia, anunciou hoje a secretária do Tesouro, Janet Yellen.

Segundo um comunicado, os recursos serão destinados a fornecer serviços essenciais a este país, como o pagamento dos salários dos trabalhadores da saúde, e fazem parte de um pacote de 7,5 bilhões de dólares aprovado em maio pelo presidente estadunidense, Joe Biden.

Lula: Biden nunca promoveu ajuda contra fome na África e envia US$ 40 bi em armas à Ucrânia

Este último pacote será transferido no final de setembro e será canalizado pelo Banco Mundial (BM), informou a entidade governamental.

Washington já realizou dois desembolsos de 500 milhões de dólares por meio do BM – abril e maio – para cobrir os custos imediatos da Ucrânia, assim como um terceiro pagamento de 1,5 bilhão em junho, segundo o Tesouro.

Por outro lado, Washington já forneceu a Kiev mais de 6 bilhões de dólares em equipamento militar desde o início da operação militar russa na Ucrânia e no final da semana anterior autorizou um novo envio de armamento que inclui quatro sistemas adicionais de foguetes de alta mobilidade, um pacote avaliado em 400 milhões de dólares.

Por que notícias sobre guerra na Ucrânia estão sendo manipuladas para prolongar conflito?

Diante desta decisão, a embaixada da Rússia nos Estados Unidos denunciou neste sábado o “desejo desenfreado de Washington de prolongar o conflito” na Ucrânia “a todo custo”, com as novas entregas de sistemas de lança-foguetes múltiplos a Kiev.

“Washington não traz a paz, mas, pelo contrário, empurra as autoridades ucranianas para novos crimes sangrentos”, asseverou a missão diplomática russa em um comunicado divulgado pelo Ministério de Assuntos Exteriores da nação euroasiática. 

Redação Prensa Latina
Tradução de Ana Corbisier


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

Europa
Escalada da ultradireita na UE é derrota dos EUA, vitória geopolítica para Putin e alerta ao Brasil
Greg-Casar
Greg Casar: deputado dos EUA quer proteção a indocumentados e fim do imperialismo
4 - Iryna Borovets 2
Vice-chanceler da Ucrânia diz que país deseja paz, mas insiste em adesão à Otan
emmanuel-macron-olaf-scholz (2)
Apoio inconsequente de Macron e Sholz à Ucrânia alimentou extrema-direita na UE