Pesquisar
Pesquisar

Único caminho para Bolívia é retomar processo anti-imperialista interrompido por Áñez, diz analista

O projeto emancipatório de integração e unidade da América Latina e do Caribe, que avançou durante os primeiros 15 anos deste século, foi desacelerado
Zeus Naya
Prensa Latina
Havana

Tradução:

O único caminho para a Bolívia hoje é aprofundar o processo revolucionário nacionalista e anti-imperialista que foi interrompido por Jeanine Áñez durante um ano de governo de fato, advertiu o analista local Eduardo Paz.
Em declarações exclusivas à Prensa Latina, o sociólogo refletiu pela primeira vez sobre o protagonista central da recuperação da democracia e as condições para dar continuidade à mudança liderada pelo Presidente Evo Morales (2006-2019): o povo boliviano. A organização e as manifestações da população nas ruas e em outros espaços através de movimentos sociais frearam o governo golpista, disse Paz, professor da Universidade Mayor de San Andrés.
O projeto emancipatório de integração e unidade da América Latina e do Caribe, que avançou durante os primeiros 15 anos deste século, foi desacelerado

Reprodução: Flickr
O único caminho para a Bolívia hoje é aprofundar o processo revolucionário nacionalista e anti-imperialista

Diante da crise herdada, o novo governo do Movimento ao Socialismo (MAS), com Luis Arce e David Choquehuanca como principais figuras, priorizou a luta contra a Covid-19, disse Paz, que também é um pesquisador da Internet.

Eles favoreceram a realização de maiores testes em massa para a doença, a compra de vacinas, a melhoria da infraestrutura, o fornecimento de materiais de biossegurança para os trabalhadores da saúde e o desembolso de recursos econômicos, acrescentou.

Isto, juntamente com uma campanha para desenvolver, através da organização social de base, processos para evitar a propagação do coronavírus SARS-CoV-2, que causou a pandemia, e tratamentos com produtos naturais, mesmo diante de greves e oposição dos sindicatos de médicos, disse o especialista.

Em segundo lugar, o governo boliviano foi forçado a resgatar a área financeira dando títulos às famílias, ao mesmo tempo em que adiou os pagamentos de empréstimos bancários e juros.

Além disso, abriu linhas de crédito para pequenos e médios produtores e manteve a estabilidade e os preços dos bens básicos, evitando assim a paralisia das atividades econômicas, explicou.

Por outro lado, o Presidente Arce estabeleceu mecanismos de relações, comunicação e consultas contínuas com organizações sociais, sindicais e sindicais, disse ele.

Um quarto aspecto era apoiar as ações do judiciário e do Ministério Público relacionadas com os processos judiciais contra os autores do golpe e dos massacres de Senkata (El Alto, La Paz) e Sacaba (Cochabamba) no final de 2019.

Arce também continuou com o processo eleitoral, nos municípios e nos nove departamentos do território, para fortalecer a participação democrática dos cidadãos, explicou ele.

No entanto, disse ele, ainda faltam medidas estratégicas ligadas à ordem política e econômica que permitam apreciar o aprofundamento do processo de libertação nacional e anti-imperialista.

Isto, argumentou ele, provavelmente devido à urgência das crises que a administração do MAS no poder teve que enfrentar imediatamente.

Bolívia e o projeto emancipatório de integração

O projeto emancipatório de integração e unidade da América Latina e do Caribe, que avançou radical e efetivamente durante os primeiros quinze anos deste século, foi desacelerado, disse o cientista político boliviano.

As ações do imperialismo estadunidense ao lado dos governos da Colômbia, Chile, Brasil e Equador, fundamentalmente, tiveram um impacto, lamentou ele.

Ele afetou as medidas tomadas pela Venezuela, Cuba, Brasil, Argentina e Equador com a formação da Alternativa Bolivariana (ALBA), a União das Nações do Sul (Unasul) e a Comunidade dos Estados da América Latina e Caribe (Celac), disse ele.

Neste contexto, com os executivos progressistas da Argentina, México e os anti-imperialistas da Venezuela e de Cuba, é essencial retomar as bandeiras bolivarianas, disse ele.

A Bolívia, que mantém boas relações com estes quatro países, deveria desenvolver uma política internacional mais agressiva para retomar a integração como um processo de libertação e unidade da Pátria Grande, concluiu o autor de vários escritos sobre estas questões.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Zeus Naya

LEIA tAMBÉM

Lopez-Obrador-Claudia-Sheinbaum (2)
Eleições no México: sob legado de Obrador, esquerda caminha para vitória com Claudia Sheinbaum
Cópia de DIREITA TERÁ FORÇA PARA DERROTAR CONSTITUIÇÃO(124)
Roberto Requião: Saí do PT porque adotaram liberalismo econômico do Guedes
Luis Abinader
Política de Abinader contra refugiados do Haiti é contradição que ameaça economia dominicana
Carlos Rodríguez
"Milei provocou uma das recessões mais rápidas e profundas da história", diz ex-braço direito