Pesquisar
Pesquisar

Unidade entre Pedro Castillo e Verónika Mendoza é resultado de uma estrondosa experiência de luta peruana

O candidato presidencial do movimento popular e a líder de Nuevo y Juntos por el Peru, subscreveram acordo que consagrou união das forças progressistas
Gustavo Espinoza M.
Diálogos do Sul
Lima

Tradução:

Foi numa quarta-feira, 5 de maio, na sede de um clube provinciano que foi selada, na nossa capital, a unidade da esquerda no marco do processo eleitoral que nos convoca. 

Talvez dentro de alguns anos a data seja considerada um marco na história do movimento popular. E até talvez haja aqueles que a vinculem com algo que os protagonistas desse acordo simplesmente não pensaram. 

Muito longe do turbulento cenário da Avenida Brasil, em sua tumba de Highgate, talvez tenha sorrido o fundador do socialismo científico. Depois de tudo, e embora provavelmente sem perceber, os peruanos lhe fizeram sua melhor homenagem, ao completar-se os 203 anos de seu nascimento. 

 

Quase ao cair da tarde, o candidato presidencial do movimento popular, o professor Pedro Castillo Terrones, e a líder de Nuevo y Juntos por el Peru, Verónika Mendoza, subscreveram o acordo que consagrou a unidade das forças progressistas de nossa pátria, mirando ao próximo 6 de junho. 

É verdade que o convênio foi rubricado no marco de uma jornada eleitoral. Poder-se-ia deduzir então que ela constitui o marco desse acordo, e que não se trata de um entendimento nem político, nem programático. Mas não é assim. 

Objetivamente foi gerado um documento de coincidências pontuais que reflete um conteúdo programático. Mas, ao mesmo tempo, recolheu-se uma vontade, que foi sublinhada pelos atores principais do acordo: a de assumir a condução do país para seguir um caminho novo, de dignidade e de justiça. 

Nunca havia acontecido isso no Peru. Podem ser evocados os dois acontecimentos que poderiam servir de antecedentes: em 1945 a formação da Frente Democrática Nacional que postulara o depois candidato triunfante, José Luis Bustamante y Rivero; e em 1980, o acordo constitutivo da Esquerda Unida que a projetou como verdadeira alternativa de governo e poder. 

O candidato presidencial do movimento popular e a líder de Nuevo y Juntos por el Peru, subscreveram acordo que consagrou união das forças progressistas

Reprodução/@Vero_Mendoza_F
O professor Pedro Castillo Terrones, e a líder de Nuevo y Juntos por el Peru, Verónica Mendoza.

Mas neste caso, o entendimento foi mais qualificado. O de 45 gerou uma aliança governamental que se truncou logo depois pela ação corrosiva do APRA. E o de 80, embora respaldado por partidos organicamente solventes e politicamente definidos, assomou como um entendimento pontual, que só depois projetou perspectivas de poder. 

Neste caso, a unidade forjada é o resultado de uma fragorosa experiência de luta. Mas também a consequência de uma vontade múltipla, demandada pelas massas; e sustentada como um objetivo essencial para confirmar uma real possibilidade de vitória.

É bom então que se lhe dê o peso que tem. A unidade não soma, multiplica. E projeta um cenário que deverá subsistir, inclusive à margem dos resultados eleitorais da contenda que se avizinha. 

É claro que se for confirmada a vitória eleitoral de Peru Libre na votação de junho, o acordo de 5 de maio vai colocar o movimento popular diante de um desafio gigantesco. Para encará-lo, todos teremos pela frente uma tarefa inédita. 

  

Ela deverá ser encarada com responsabilidade e vai pressupor deixar de lado o sectarismo e a mesquinharia. Na outra variante, se a vitória for esquivada, ficará colocada a luta contra um governo írrito e vulnerável.

É que além das adesões pontuais que recebe hoje a candidata da Máfia, sua gestão apareceria ferida de morte e 80% dos peruanos sentiriam que não devem respeito, nem obediência, a um governo envilecido e ungido sobre sangue. 

Além do mais, esse regime seria repudiado por povos e governos de nosso continente, e mesmo do cenário europeu. É que todos sabem da mochila sinistra que Keiko Fujimori carrega.

Agora – já dissemos antes – a América Latina é um campo de batalha no qual os povos lutam resolutamente por sua independência e soberania. E isso sabem os promotores da Força Popular, o engendro do fascismo no Peru de hoje. Os dramáticos acontecimentos da savana colombiana falam por si só. 

Neles, de alguma maneira, assoma a mensagem que o keikismo oferece hoje aos peruanos. Como acertadamente assinalam as redes, oferece aos peruanos que não vivam como na Venezuela, mas que morram como na Colômbia.  

E isto, no marco de uma insofrível histeria anticomunista que ameaça ressuscitar o sinistro artigo 53 da Constituição de 1933 que proibiu a existência do Partido Comunista por ser una “organização internacional”.

Nesse caso, no entanto, o marinheiro Montoya vai além. Busca tirar o direito eleitoral aos comunistas e a todos os que sua ínclita excelência considere como tal. Ele, que gargareja com a palavra “democracia”, engasga-se com ela e busca recortá-la, porque termina sendo a corda que o enforca. 

Como dissera Engels em 1895, os comunistas – e todos os que nos marcam como tais – nos valemos melhor dos métodos democráticos que os próprios “democratas”. E podemos vencê-los graças à unidade que referendamos em 5 de maio e à vontade de luta de todos os peruanos.

*Colaborador de Diálogos do Sul de Lima, Peru. 

** Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Gustavo Espinoza M. Jornalista e colaborador da Diálogos de Sul em Lima, Peru, é diretor da edição peruana da Resumen Latinoamericano e professor universitário de língua e literatura. Em sua trajetória de lutas, foi líder da Federação de Estudantes do Peru e da Confederação Geral do Trabalho do Peru. Escreveu “Mariátegui y nuestro tiempo” e “Memorias de un comunista peruano”, entre outras obras. Acompanhou e militou contra o golpe de Estado no Chile e a ditadura de Pinochet.

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei