Pesquisar
Pesquisar

Uruguai vai às urnas contra pacote de reforma neoliberal do direitista Lacalle Pou

Lei de Consideração Urgente foi carro-chefe da campanha eleitoral do atual presidente e atinge em cheio mais pobres, educação e direito a mobilização
Guilherme Ribeiro
Diálogos do Sul
Bauru (SP)

Tradução:

Neste domingo (27), os uruguaios vão às urnas votar o referendo sobre a revogação de pontos da Lei de Consideração Urgente (LUC) instituída pelo atual presidente do Uruguai, Luis Lacalle Pou.

Aprovada em 8 de julho de 2020 com prazos reduzidos — por isso o rótulo de “urgente — a LUC contém 476 artigos relacionados a segurança, educação, trabalho, economia, saúde e meio ambiente, dos quais se pretende revogar 135. 

Serão utilizadas cédulas rosas para o “SIM”, por cidadãos que concordam com a anulação, e azul para aqueles que “NÃO” desejam modificar os artigos.

A LUC, que atinge sobretudo as camadas mais pobres do Uruguai, foi o carro-chefe da campanha eleitoral de Lacalle Pou, candidato conservador, neoliberal e de direita, eleito em 2019 após 15 anos de governos de esquerda no país. 

Desde que entrou em vigor, setores progressistas contrários ao regime iniciaram uma intensa mobilização. A central sindical Plenário Intersindical de Trabalhadores — Convenção Nacional dos Trabalhadores (PIT-CNT), a Federação dos Estudantes (FEUU), a Federação das Cooperativas de Habitação (FUCVAN), a Intersocial Feminista e o partido de oposição de esquerda que governou o país de 2005 a 2020, da Frente Ampla, se uniram pela revogação.

Leia também: Com ascensão de Lacalle Pou, direita volta ao poder no Uruguai após 15 anos. E agora?

Para convocar o referendo, eram necessárias ao menos 700 mil assinaturas, que foram colhidas ao longo de alguns meses por organizações sociais membros da Comissão Pró-Referendo. A coleta deveria ser feita até 9 de julho do ano passado, quando foram totalizadas 800 mil rubricas, 100 mil a mais que o mínimo exigido.

Já no último 8 de dezembro, o Tribunal Eleitoral fez a contagem de assinaturas, dentre as quais deveria haver pelo menos 25% dos eleitores do país, o equivalente a 671.544 cidadãos. Ao todo, foram contabilizados 671.631 uruguaios aptos, e a Justiça Eleitoral definiu a data e as normas do referendo.

Desde o ano passado, líderes da oposição organizaram manifestos contra a LUC de Lacalle Pou e outras de suas políticas econômicas e sociais, como no último mês de setembro. 

Há poucas semanas, em 7 de março, centenas de simpatizantes da Frente Ampla e a favor da revogação dos 135 artigos correram uma maratona em Montevidéu, vestidos com camisetas rosas, a cor do “SIM”.

Lei de Consideração Urgente foi carro-chefe da campanha eleitoral do atual presidente e atinge em cheio mais pobres, educação e direito a mobilização

Frente Amplio – Uruguay
Foram coletadas 800 mil assinaturas, de 700 mil necessárias para convocar o referendo e reverter o pacote neoliberal da LUC de Lacalle Pou

Projeto Neoliberal

A Lei de Consideração de Urgente de Luis Lacalle Pou foi amplamente criticada por setores da oposição, sindicatos e organizações sociais e de direitos humanos. Desde 1985, quando foi restaurada a democracia uruguaia, apenas 13 projetos como esse, de caráter urgente, foram encaminhados ao Legislativo: 9 aprovados e 4 rejeitados. Entre os pontos mais questionados, então:

– Flexibilização do uso da força policial;
– Avanço na regulamentação do direito de greve e declaração como ilegítimos os piquetes realizados em espaços públicos ou privados, com o consequente poder de dissolvê-los;
– Extensão do conceito de legítima defesa a um bem material;
– Extensão de 2 a 4 horas ao prazo que a Polícia tem para informar o Ministério Público da prisão de uma pessoa;
– Conceção à polícia e aos militares o poder de revistar pessoas e carros em procedimentos “preventivos de rotina” e
– Eliminação da obrigatoriedade da educação formal na primeira infância e redução do papel dos diretores-gerais dos Conselhos de Educação.

A Constituição uruguaia garante aos cidadãos a possibilidade de anular leis por meio de referendo como o que ocorre neste domingo. No entanto, há um forte movimento para enfraquecer o movimento contra a LUC, no aparentemente simples, mas significativo gesto de escolher as cores das cédulas. 

O “NÃO”, contrário à revogação dos artigos, leva o azul-celeste, usado pela equipe nacional de futebol, portanto um tom simbólico para os uruguaios devido à grande importância que o esporte tem no país.

Até o momento, as pesquisas estão equilibradas, mostrando que, além dos votos “SIM”, há um importante trabalho de converter indecisos, ou os votos em “branco”, que poderão ser determinantes para a não revogação. 

Caso o “NÃO” saia com a vitória, Lacalle Pou deve continuar a aplicar medidas desfavoráveis à população mais vulnerável e à classe trabalhadora. Caso a oposição conquiste a maioria dos votos, o mesmo deve acontecer, mas com propostas retiradas ou reduzidas, o projeto neoliberal sai enfraquecido.

Guilherme Ribeiro é redator da Revista Diálogos do Sul

Com informações de A Terra é Redonda, Resumen Latinoamericano, Página 12, Prensa Latina e Brasil de Fato


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Guilherme Ribeiro Jornalista graduado pela Unesp, estudante de Banco de Dados pela Fatec e colaborador na Revista Diálogos do Sul.

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei