Pesquisar
Pesquisar

Veículos progressistas denunciam execução de Shireen Abu Akleh pelas forças de Israel

Carta com 30 assinaturas aponta que episódio não é isolado e que ao longo dos últimos anos jornalistas palestinos tem sido alvo do Estado de Israel
Guilherme Ribeiro
Diálogos do Sul
Bauru (SP)

Tradução:

Nós, a Revista Diálogos do Sul, a TeleSUR TV e mais 28 veículos de comunicação progressistas ao redor do mundo assinamos ontem (11) um protesto condenando a brutal execução da jornalista palestina Shireen Abu Akleh, pelas Forças de Ocupação de Israel.

Ainda ontem, durante a madrugada, Shireen cobria uma operação no campo de refugiados de Jenin, na Cisjordânia ocupada, quando foi morta com um tiro no rosto, mesmo usando colete que a identificava como jornalista.

Ali al-Samoudi, membro da equipe de Akleh, composta ao todo por quatro profissionais, também foi baleado nas costas, está internado, mas fora de perigo.

Carta com 30 assinaturas aponta que episódio não é isolado e que ao longo dos últimos anos jornalistas palestinos tem sido alvo do Estado de Israel

Wikipedia
Shireen Abu Akleh tinha 51 anos e era jornalista sênior, atuando havia 25 anos na Al Jazeera

“Sua morte não é uma anomalia, nem acidental. Ao longo dos últimos anos, jornalistas palestinos foram repetidamente alvos do Estado de Israel, sofrendo assédio judicial e violência nas mãos das forças israelenses”, denuncia a carta.

Leia também:
Jornalista palestina Shireen Abu Akleh é executada enquanto cobria exército israelense

No texto – também assinado pelo portal peoples dispatch – os comunicadores denunciam ainda a tentativa, por oficiais israelenses, de se livrar da responsabilidade pela morte. Autoridades sionistas tentam culpar palestinos pelo disparo.

Shireen Abu Akleh tinha 51 anos e era jornalista sênior, atuando havia 25 anos na Al Jazeera. Ela cobria ofensivas e agressões da ocupação israelense contra o povo palestino, além de transmissões diretamente do Egito e dos Estados Unidos.

Leia a seguir a declaração traduzida na íntegra:

Nós, um grupo de veículos progressistas de todo o mundo, condenamos o brutal assassinato de nossa colega Shireen Abu Akleh pelas mãos das Forças de Ocupação israelenses.

Shireen, uma jornalista habilidosa e sensível da Al Jazeera, estava cobrindo um ataque violento ao campo de refugiados de Jenin pelas forças israelenses, quando ela e outros jornalistas foram baleados por atiradores israelenses apesar de serem claramente identificados como jornalistas. Shireen, que usava capacete e colete à prova de balas, foi morta com um tiro no rosto. Seu colega Ali al-Samoudi também foi baleado e ferido, mas está se recuperando.

Declarações divulgadas por oficiais israelenses e pela grande mídia tentando transferir a responsabilidade das forças israelenses pela morte de Shireen são irresponsáveis. Além disso, sua morte não é uma anomalia e nem acidental. Ao longo dos últimos anos, jornalistas palestinos foram repetidamente alvos do Estado de Israel, sofrendo assédio judicial e violência pelas mãos das forças israelenses. Também nos lembramos de Yaser Murtaja, cinegrafista e fotojornalista palestino, que foi morto ao cobrir a Grande Marcha do Retorno na Faixa de Gaza em 7 de abril de 2018.

Nos solidarizamos com povo da Palestina, que continua a resistir ao violento regime de apartheid israelense, e com os corajosos jornalistas que colocam suas vidas em risco para contar suas histórias.

  • Palestine Chronicle
  • Ajans Près Popilè Ayisyèn (Haiti)
  • Agencia Latinoamericana de Información – ALAI
  • Al-Mayadeen (Líbano)
  • ARG Medios (Argentina)
  • Barricada TV (Argentina)
  • Brasil de Fato (Brasil)
  • Breakthrough News (Estados Unidos)
  • Capire
  • Cartago TV (Argentina)
  • Colombia Informa (Colômbia)
  • Diálogos do Sul (Brasil)
  • El Ciudadano (Chile)
  • The Insight Newspaper (Gana)
  • Jornalistas Livres (Brasil)
  • Kawsachun News (Bolívia)
  • Liberation News (Estados Unidos)
  • Madaar
  • Multipolarista
  • Nativa (Bolívia)
  • NewsClick (Índia)
  • New Frame (África do Sul)
  • Pan African Television (Gana)
  • Peoples Dispatch
  • Pressenza International Press Agency
  • Radyo Rezistans (Haiti)
  • Reporteros de Investigación (Honduras)
  • Resumen Latinoamericano (Argentina)
  • Shadowproof (Estados Unidos)
  • TeleSUR TV

Guilherme Ribeiro é colaborador da Diálogos do Sul.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul



Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Guilherme Ribeiro Jornalista graduado pela Unesp, estudante de Banco de Dados pela Fatec e colaborador na Revista Diálogos do Sul.

LEIA tAMBÉM

Palestina
Ocidente deveria se preocupar com massacre operado por Netanyahu livremente
Assange
Silêncio, imperialismo e guerra midiática: por que não podemos nos esquecer de Assange?
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda
Design sem nome - 1
Mortes, prisões e espionagem: jornalista palestina escancara ‘apartheid’ de Israel