Pesquisar
Pesquisar

Venezuela apreende armamento proveniente dos EUA

As autoridades venezuelanas confiscaram no aeroporto internacional Arturo Michelena, em Valencia (estado de Carabobo), um lote de armas de guerra proveniente dos Estados Unidos.
Redação AbrilAbril
AbrilAbril
Caracas

Tradução:

O material bélico destinava-se, supostamente, a grupos terroristas ligados a planos golpistas no país sul-americano e foi confiscado durante uma operação levada a cabo por agentes da Guarda Nacional Bolivariana (GNB) e funcionários do Serviço Nacional Integrado de Administração Aduaneira e Tributária (Seniat).

A informação, disponível no portal do Ministério venezuelano do Interior e da Justiça, foi divulgada à imprensa esta terça-feira pelo vice-ministro da Prevenção e Segurança Cidadã, Endes Palência, segundo informa a VTV.

Palência explicou que, durante o procedimento de fiscalização de mercadoria proveniente de Miami (EUA), as autoridades encontraram 19 espingardas, com acessórios, 118 carregadores, 90 antenas de rádio e seis telemóveis. Acrescentou que a mercadoria entrou no país no passado dia 3, tendo sido transportada pela companhia 21 Air Cargo, numa avião Air Bus.

“A GNB e os organismos de segurança do Estado estão a realizar as investigações pertinentes para dar com o paradeiro dos responsáveis por esta situação, que afeta a segurança e a tranquilidade dos cidadãos”, disse ainda Palência.

Recorde-se que, a 31 de Janeiro último, o ministro venezuelano do Interior, Néstor Reverol, anunciou a detenção de um grupo de indivíduos ligados à Força Armada Nacional Bolivariana (FANB), que caracterizou como “terroristas” e “mercenários contratados pela oposição venezuelana”, e que, tendo entrado na Venezuela a partir da Colômbia, estavam envolvidos num “plano conspirativo» que envolvia a realização de “assassinatos seletivos” e visava «promover o caos e o terror entre a população civil”

As autoridades venezuelanas confiscaram no aeroporto internacional Arturo Michelena, em Valencia (estado de Carabobo), um lote de armas de guerra proveniente dos Estados Unidos.

VTN
Agentes da GNB e funcionários do Serviço Aduaneiro e Tributário participaram na operação de apreensão de material bélico proveniente dos EUA

“Ajuda humanitária dos EUA é show político para intervir”

Numa entrevista que concedou à RT, o presidente da República Bolivariana da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou que a “ajuda humanitária”, por parte da administração norte-americana, em resposta aos apelos feitos pela extrema-direita venezuelana, não é mais que “show político”, para “justificar uma intervenção” no país caribenho.

“O imperialismo não ajuda ninguém no mundo. Diz-me a que lugar do mundo levaram [os norte-americanos] ajuda humanitária? O que levaram foi bombas para destruir o Afeganistão, o Iraque, a Síria, para provocar mortes. É um show, tão simples quanto isso”, frisou.

Maduro vincou ainda a ideia de que o governo a que preside continua a trabalhar para evitar que Venezuela se transforme num país dependente, considerando que o seu país possui capacidade para produzir e importar aquilo de que necessita.

Neste sentido, destacou o papel desempenhado pelos Comités Locais de Abastecimento e Produção (CLAP), que atendem a seis milhões de lares venezuelanos, garantindo-lhes o acesso a bens alimentícios de primeira necessidade, tanto nacionais como importados. “Esse é que é um verdadeiro plano de ajuda humanitária” declarou.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação AbrilAbril

LEIA tAMBÉM

Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei
José Raúl Mulino
Eleição no Panamá simboliza crise sistêmica que atinge democracia "representativa"
Vox-Abascal-Milei
Xenofobia e delírios ultradireitistas: Vox reúne asseclas em Madri