Pesquisar
Pesquisar

Venezuela e Colômbia fortalecem integração com novo acordo comercial

Nos últimos meses, Petro e Maduro tem reconstruído relações históricas e cooperação entre ambos os países após anos de hostilidades
Redação AbrilAbril
AbrilAbril
Lisboa

Tradução:

O encontro bilateral, que decorreu na Ponte Internacional Atanasio Girardot, na fronteira entre o departamento de Norte de Santander (Colômbia) e o estado de Táchira (Venezuela), reafirma o compromisso assumido pelos dois chefes de Estado de avançar para a normalização plena dos laços bilaterais.

A concretização do acordo de natureza comercial vai dar um novo impulso, a vários níveis, às relações entre ambos os países sul-americanos, que no passado dia 26 de agosto de 2022 reabriram oficialmente as fronteiras.

Reabertura de fronteira: Venezuela e Colômbia dão fim à diplomacia hostil de Iván Duque

“É um prazer estar aqui, nesta linha fronteiriça, que agora podemos atravessar sem grandes problemas. Estamos aqui a assinar um acordo parcial que é um passo mais de integração que nunca, na minha opinião, devia ter sido suspensa”, disse o presidente da Colômbia.

Além disso, refere a TeleSur, defendeu que as pontes entre os dois países se devem encher de comércio e se devem retirar as barreiras que ainda possam impedir essa atividade.

Nos últimos meses, Petro e Maduro tem reconstruído relações históricas e cooperação entre ambos os países após anos de hostilidades

Nicolás Maduro | Reprodução – Twitter
Nicolás Maduro propôs a criação de uma equipe econômica em que participem os governadores e autarquias da região fronteiriça

Petro disse ainda esperar que a raia não signifique separação entre os seres humanos, mas seja “a ponte comum que junta as pessoas que vivem aqui e lá, sem barreiras”.

Por sua vez, o presidente venezuelano destacou a importância de trilhar o caminho do reencontro entre ambos os países e afirmou que as relações bilaterais têm vindo a assumir uma nova dinâmica, a nível político, diplomático, econômico e comercial.

Nicolás Maduro propôs ainda a criação de uma equipe econômica em que participem os governadores e autarquias da região fronteiriça, com o intuito de projetar o que seria uma zona de desenvolvimento econômico entre o Norte de Santander e Táchira, que sirva para unir a imensa riqueza da fronteira comum.

Em comunicado, o executivo venezuelano afirma que os acordos assinados entre os dois países vizinhos nos últimos meses vão servir para acabar com as situações de pobreza e desemprego na região da fronteira, e vão promover a segurança num contexto de justiça social, a criação de emprego e a paz.

Gustavo Petro tomou posse como presidente da Colômbia em 7 de agosto de 2022. Desde então, no espaço de meio ano, o seu executivo e o de Nicolás Maduro conseguiram reconstruir relações históricas e de cooperação entre ambos os países, “ultrapassando quase sete anos de obscuridade e ausência de relações diplomáticas, económicas, comerciais e sociais”, aponta o texto.

Redação | Abril Abril


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação AbrilAbril

LEIA tAMBÉM

Gustavo Petro
Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU
Haiti
Haiti: há pelo menos 20 anos comunidade internacional insiste no caminho errado. Qual o papel do Brasil?
Betty Mutesi
“Mulheres foram protagonistas na reconstrução da paz em Ruanda”, afirma ativista Betty Mutesi
Colombia-paz
Possível retomada de sequestros pelo ELN arrisca diálogos de paz na Colômbia