Pesquisar
Pesquisar

Venezuela: Trump tem que entender que mundo não é Texas, nem estamos em 1850

Feito um Xerife de Condado, hoje o Chefe de Estado estadunidense oferece dólares a quem trair seu povo e entregar o condutor de suas lutas patrióticas
Gustavo Espinoza M.
Diálogos do Sul

Tradução:

Enquanto o mundo olha com preocupação o crescimento e a expansão do coronavírus; enquanto milhares de pessoas em todos os países morrem afetadas por essa súbita doença; enquanto o hospitais de Madri, de Milão, de Nova York e outras cidades, esgotam suas possibilidades de atendimento; e enquanto em toda parte se multiplica o temor e a desconfiança, Donald Trump pensa na Venezuela, e mais precisamente, em Nicolás Maduro. Essa é a sua obsessão fatal.

Evocando os filmes do oeste estadunidense, quando o Xerife do Condado punha preço à cabeça dos Billy The Kid daqueles anos, hoje o Chefe de Estado Ianque oferece dólares a quem trair seu povo e entregar o condutor de suas lutas. O mundo não é o Texas, nem estamos em 1850! Devemos dizer isso a ele.

Todos sabemos que o atual inquilino da Casa Branca não tem empatia alguma com os povos. Não lhe importa em absoluto a sorte de milhões de pessoas disseminadas em todos os confins do planeta. Cheio de impiedade e soberba, a única coisa que lhe importa é continuar com suas sinistras maquinações. Hoje, a Venezuela é sua vítima. Abatê-la será um primeiro passo e depois olhar para Cuba com voracidade contida.

Há mais de um ano – treze meses para ser exatos – de Washington nos anunciaram que o Processo Emancipador Bolivariano tinha as horas contados. Em 23 de fevereiro de 2019, ao meio-dia, no Palácio de Miraflores, no coração de Caracas, o títere de turno – Juan Guaidó – devia assumir o mando do país por decisão inapelável da Casa Branca. Nada disso aconteceu. Os povos puderam recordar ao senhor Trump a velha frase de Pierre Corneille, em 1634: “os mortos que vós matais, gozam de boa saúde”

Feito um Xerife de Condado, hoje o Chefe de Estado estadunidense oferece dólares a quem trair seu povo e entregar o condutor de suas lutas patrióticas

MeuDeus.blogspot
A obsessão fatal do cacique do Império está marcada pelo inescapável símbolo da derrota

Hoje poderia dizer-se o mesmo, só que em outras condições. E é que agora, quem não goza de boa saúde é precisamente o senhor Trump, que muitos especialista consideram simplesmente um alienado mental. O tema é que esse alienado tem em suas mãos a maleta com os botões nucleares. Se não colocarmos freio às suas loucuras, o mundo poderá explodir, inadvertidamente, em mil pedaços. 

Porque isso é o que poderia acontecer se ao senhor Trump lhe ocorrer usar a crise do Covid-19 para invadir a pátria de Bolívar, como já fez antes com o Iraque ou com a Síria; para acabar com Maduro como o Império acabou com Saddam Hussein, ou Kadafi.

Ele já deveria ter-se dado conta que o mundo de hoje não é o mundo de um par de décadas atrás. A unipolaridade proclamada a viva voz em fins do século passado, já não existe. E povos, e governos de diferentes confins do planeta sabem que podem resistir e reverter qualquer investida. 

É claro que as acusações que hoje apresenta a administração norte-americana contra os dirigentes venezuelanos, carecem de qualquer consistência, e não passam de pretextos para apunhalar um povo que ousou levantar-se quando a voz do amo lhe ordenava calar-se. Os Estados Unidos, o primeiro mercado da droga no mundo, não pode acusar de “narcotráfico” um governo que se empenha em recuperar uma pátria subjugada por quase duzentos anos de submissão e opróbrio. 

Na Venezuela Bolivariana o que está em marcha é um processo revolucionário que brilha imbatível não só pela condição que possui, mas sim porque conta com a participação e o respaldo de milhões de homens e mulheres dispostos a oferecer sua vida pelo direito a construir seu futuro. E, porque, além disso, esse processo conta com o respaldo de povos inteiros, e de governos que não tolerarão nenhuma afronta à dignidade e aos princípios internacionais que regulam as relações entre os Estados. 

Os Estados Unidos da América do Norte não têm o direito de imiscuir-se nos assuntos internos da Venezuela, nem de enfrentar o governo que os venezuelanos decidiram ter em seu momento. E tampouco têm o direito da alentar uns grupos de venezuelanos contra outros, a fim de semear a crise e o caos no país. Arderá a terra sob seus pés, caso se atreva a tentá-lo.

Mãos fora da Venezuela! Poderia ser o apelo a esta hora se não fosse porque todos os países, governos e povos progressistas estão empenhados na luta contra a Pandemia desatada. 

É curioso. Décadas de governos neoliberais na Itália, na Espanha e nos Estados Unidos destruíram os serviços de saúde que marchavam por conta do Estado. Aconselhados pelos discípulos de Milton Freedman estimularam a saúde privada como um negócio lucrativo e geraram as situações que vivemos hoje. Um cidadão norte-americano conseguiu se curar do Covid-19, mas hoje deve 35 mil dólares aos que o trataram. É que, sob o capitalismo, a vida sempre tem preço. E esse preço é muito alto. 

São os países socialmente mais avançados, aqueles que vivem a experiência socialista, ou que ainda têm marcas indeléveis dela porque a viveram com força os que agem agora para salvar a humanidade. E é Cuba a luz que brilha no firmamento a rota do futuro. E é isso o que odeia o senhor Trump. 

A obsessão fatal do cacique do Império está marcada pelo inescapável símbolo da derrota.

Gustavo Espinoza M*, Colaborador de Diálogos do Sul desde Lima, Peru.

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também

Publicado originalmente pela Rede de Intelectuais em Defesa da Humanidade. Havana, 30 de março de 2020.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Gustavo Espinoza M. Jornalista e colaborador da Diálogos de Sul em Lima, Peru, é diretor da edição peruana da Resumen Latinoamericano e professor universitário de língua e literatura. Em sua trajetória de lutas, foi líder da Federação de Estudantes do Peru e da Confederação Geral do Trabalho do Peru. Escreveu “Mariátegui y nuestro tiempo” e “Memorias de un comunista peruano”, entre outras obras. Acompanhou e militou contra o golpe de Estado no Chile e a ditadura de Pinochet.

LEIA tAMBÉM

Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei
José Raúl Mulino
Eleição no Panamá simboliza crise sistêmica que atinge democracia "representativa"
Vox-Abascal-Milei
Xenofobia e delírios ultradireitistas: Vox reúne asseclas em Madri
Xi Jinping - Putin
Encontro de Xi e Putin fortalece relação histórica e aliança contra ofensiva “dupla” dos EUA