Pesquisar
Pesquisar

Vetado em escola após boicote, Frei Betto dá palestra a auditório lotado no RS

"Quem diz amar a Deus sem amar o próximo está mentindo", comentou o escritor em entrevista ao jornal O Pioneiro, de Caxias do Sul
Redação Brasil de Fato
Brasil de Fato
São Paulo (SP)

Tradução:

Com o teatro da Universidade de Caxias do Sul (UCS) lotado, o frei, jornalista e escritor Carlos Alberto Libânio Christo, o Frei Betto, falou ontem (13) à noite sobre “Fomes do Brasil e Esperanças do Futuro”. Sua palestra deveria acontecer no colégio católico São José, mas por pressão de pais de alunos foi impedida.

Atendendo à reivindicação dos familiares, que alegaram ter o palestrante posição contrária “aos valores que acreditamos ser importantes e essenciais na educação de nossas crianças”, a direção da escola voltou atrás e suspendeu a locação do seu auditório para o evento promovido por sindicatos de trabalhadores e associações de bairro.

“Quem diz amar a Deus sem amar o próximo está mentindo”

Segundo o jornal O Pioneiro, de Caxias do Sul, o palestrante disse tentar entender a postura da administração da escola. Ao mesmo tempo, porém, lamentou a forma como agiu sob a pressão dos pais de alunos.

Continua após o banner

“Espero, do fundo do meu coração, que esses pais e essas irmãs que me criticam na nota, deem aos seus filhos uma educação de quem não tem racismo, de quem não tem homofobia, de quem não seja misógino e respeite as mulheres, de quem tenha respeito aos mais pobres na rua e não trate como se fosse um incômodo”, disse Betto no texto reproduzido pelo jornal local.  

Disse ainda esperar que “que seja essa educação cristã que estejam dando às crianças, comprometidos, como Jesus, com os mais pobres e com uma sociedade sem desigualdade social”.

Betto acentuou que, na prática de Jesus, não houve nenhuma separação entre sua atividade pastoral e a atividade social. “Quem diz amar a Deus sem amar o próximo está mentindo”, enfatizou.


Vereador e xenofobia

O cancelamento da palestra de Betto é mais um episódio que chama a atenção para a Serra Gaúcha nos últimos tempos. Antes, houve o flagrante de trabalho análogo à escravidão em Bento Gonçalves, distante 40 quilômetros de Caxias do Sul. Em seguida, o vereador Sandro Fantinel, de Caxias do Sul, fez discurso xenófobo dirigido aos trabalhadores baianos.

Em 2022, novamente em Bento Gonçalves, o então presidente do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux, foi impedido de fazer conferência na associação comercial do município devido à reação de lideranças bolsonaristas.

Redação | BdF Rio Grande do Sul
Edição: Marcelo Ferreira


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Brasil de Fato

LEIA tAMBÉM

Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
mães - palestina
Dia das Mães: algumas mães só querem a paz de presente, lembra ato pró-Palestina em Brasília
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização
Lula - 1 de maio
Cannabrava | Lula se perdeu nos atos de 1º de maio