Pesquisar
Pesquisar

Vida humana é fator ausente nos planos geopolíticos de grandes potências

A recente queda do Afeganistão nas mãos dos talibãs não é mais que outro exemplo da cadeia de erros cometidos pela prepotência
Carolina Vásquez Araya
Diálogos do Sul
Cidade da Guatemala

Tradução:

Os países que definem o rumo da história são tão fortes como o mais débil de seus líderes. Isto deveria ser um axioma a ser tomado em conta diante dos resultados catastróficos da geopolítica dos impérios.

De fato, o rumo das ações intervencionistas fora de seus territórios costuma estar determinado por um poderoso sentimento de orgulho e de ambição sem limites de um grupo de indivíduos em um momento determinado, o qual conduz à perigoso beco sem saída do poder absoluto e o anonimato na tomada de decisões.

Ou seja, suas instâncias de controle alcançaram dimensões e complexidades tão extremas, que nelas se perde a responsabilidade direta sobre as ações que afetam de maneira direta o presente e o futuro de nações em qualquer ponto do globo.

Durante séculos o mundo presenciou a forma em que as grandes potências se beneficiam com a miséria, a morte e as riquezas roubadas a povo mais fracos sem pagar por isso. 

Mundo assiste à agonia final da globalização neoliberal, diz García Linera, vice de Evo

Desses confrontos, desenhados e manipulados a partir de escritórios inacessíveis longe do terreno, traçam-se os destinos de milhões de seres humanos, os quais devem enfrentar as piores ameaças, totalmente alheios aos planos de dominação econômica e política concebidos sobre um tabuleiro.

A recente queda do Afeganistão nas mãos dos talibãs não é mais que outro exemplo da cadeia de erros cometidos pela prepotência

ANSA
O horror enfrentado hoje pelo povo afegão é parecido ao experimentado por outras nações, vítimas de decisões surgidas do outro lado do mundo

Quando as coisas se torcem – como sucede cada vez que se brinca de ser deus – esses povos caem na espiral da destruição de suas culturas, seus sonhos e suas vidas.

Os responsáveis do desastre só retiram seus peões, empacotam seus instrumentos de aniquilamento e sem perder mais que as vidas consideradas “danos colaterais próprios”, terminam culpando seus aliados pelo fracasso de seus planos.

Onde reside o maior perigo destes jogos perigosos é no rompimento do fio das responsabilidades diretas. A possibilidade de manipular os acontecimentos – graças à infinita capacidade econômica dessas potências – está ao alcance de personagens pouco ou nada éticos e inclusive intelectualmente medíocres, incapazes em sua maioria de medir as consequências de suas decisões, dado que a vida humana tem, para eles, menos importância que o domínio sobre os recursos estratégicos sobre os quais se sustenta sua hegemonia.

Esta maneira de controlar a ação política com base no imediatismo de seus benefícios tem consequências de tão longo prazo que os perpetradores terminarão, de maneira inevitável, formando parte das vítimas. 

A recente queda do Afeganistão nas mãos dos talibãs não é mais que outro exemplo da cadeia de erros cometidos pela prepotência e pela falta de perspectiva de uma das grandes potências. O horror enfrentado hoje pelo povo afegão é parecido ao experimentado por outras nações, vítimas de decisões surgidas do outro lado do mundo.

Nesta corrida pelo poder intervêm tantos atores, com tão incríveis recursos econômicos, bélicos e tecnológicos, que dá pavor pensar na duvidosa capacidade de cada um deles para medir os alcances de suas ações ou, simplesmente, para refletir sobre o impacto na vida de seres tão alheios ao seu entorno. 

Pepe Escobar de volta pro futuro: O mundo pré-11 de setembro no Talibanistão

A restituição de um equilíbrio de poderes capaz de impedir o abuso dos países mais poderosos, é pura fantasia. Os fatos têm demonstrado como a vida humana é um fator ausente nos planos geopolíticos de nações com um poder tão ilimitado como suas ambições.

O que mais preocupa nessa equação é a certeza de que essas nações superdesenvolvidas criaram seus próprios monstros, sistemas cuja infalibilidade não está garantida e, como o axioma do início, sua hegemonia é tão forte como o mais débil de seus estrategistas. 

Brincar com o destino dos povos é uma forma perversa de satisfazer ambições.

Carolina Vásquez Araya, Colaboradora de Diálogos do Sul, da Cidade da Guatemala

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Carolina Vásquez Araya Jornalista e editora com mais de 30 anos de experiência. Tem como temas centrais de suas reflexões cultura e educação, direitos humanos, justiça, meio ambiente, mulheres e infância

LEIA tAMBÉM

Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei
José Raúl Mulino
Eleição no Panamá simboliza crise sistêmica que atinge democracia "representativa"
Vox-Abascal-Milei
Xenofobia e delírios ultradireitistas: Vox reúne asseclas em Madri