Pesquisar
Pesquisar

Violência doméstica: "A casa é o lugar mais perigoso para as mulheres" no mundo

De um total de 87 mil homicídios de mulheres registrados em todo o mundo no ano passado, cerca de 58% foram cometidos por companheiros ou familiares
José Sena Goulão
AbrilAbril

Tradução:

Mais de metade das mulheres assassinadas no mundo em 2017 foram mortas pelo companheiro ou familiares, o que faz da própria casa “o lugar mais perigoso do mundo para uma mulher”.

Neste estudo da ONU, difundido por ocasião do Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres, o gabinete das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) calculou que, de um total de 87 mil homicídios de mulheres registrados em todo o mundo no ano passado, cerca de 50 mil (58%) foram cometidos por companheiros ou familiares.

De um total de 87 mil homicídios de mulheres registrados em todo o mundo no ano passado, cerca de 58% foram cometidos por companheiros ou familiares

Abril Abril / José Sena Goulão
Qualquer forma de violência contra as mulheres, além de um crime é uma violação dos direitos humanosà plena pa

Cerca de 30 mil (34%) homicídios foram perpetrados pelo parceiro da vítima.

“Isto significa que cerca de seis mulheres são mortas em cada hora por alguém que elas conhecem”, observou o gabinete da ONU, com sede em Viena.

O chefe do gabinete da ONU, Iuri Fedotov, adiantou que as mulheres são também aquelas com mais probabilidade de serem mortas pelo companheiro ou familiares (…) o que faz do domicílio o local mais perigoso para uma mulher.

“O fato de as mulheres continuarem a ser vítimas deste tipo de violências, mais que os homens, denota um desequilíbrio nas relações de poder entre homens e mulheres na esfera doméstica”, acrescentou.

De acordo com os cálculos do UNODC, a taxa global de mulheres vítimas de homicídio eleva-se a 1,3 vítimas por 100 mil mulheres.

A África e as Américas são as regiões do mundo onde as mulheres correm maior risco de serem mortas pelo companheiro ou familiar.

Na África, a taxa é de 3,2 vítimas por 100 mil mulheres. Nas Américas, 1,6, na Oceânia 1,3 e na Ásia 0,9. A taxa mais baixa observa-se na Europa, onde é de 0,7.

A ONU acrescentou que “nenhum progresso tangível” para combater este crime foi conseguido nos últimos anos, “apesar das legislações e de programas desenvolvidos para erradicar a violência contra as mulheres”.

As conclusões do relatório “sublinham a necessidade de uma prevenção da criminalidade e de uma justiça penal eficazes para enfrentar a violência contra as mulheres”.

O documento defendeu também uma melhor coordenação entre a polícia e a justiça para que os autores da violência sejam responsabilizados pelos atos, e a importância de implicar os homens nas soluções, nomeadamente através da educação nas idades mais jovens.

Violência é obstáculo à participação

No âmbito da data assinalada este domingo, o Movimento Democrático de Mulheres (MDM) defende que qualquer forma de violência contra as mulheres, além de um crime e de uma violação dos direitos humanos, representa “um obstáculo à plena participação” na vida econômica, social, política e cultural, com efeitos negativos no desenvolvimento e no progresso do País.

Entre as propostas avançadas pelo MDM para as políticas públicas está o incremento da prevenção primária nos centros de saúde e a assistência especializada em saúde mental (quer para a prevenção, quer para a reparação de danos e reintegração social); a formação das mulheres e meninas em igualdade de gênero para o reforço da sua autoestima e das suas competências relacionais, tal como a formação em comunicação e relacionamento entre os casais, nas famílias e nas comunidades, e a avaliação sistemática dos resultados da implementação dos planos contra a violência e da igualdade de gênero, e a articulação destes planos com as políticas de emprego e reinserção social.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
José Sena Goulão

LEIA tAMBÉM

Héctor Llaitul
Sem provas, justiça do Chile condenou líder mapuche Héctor Llaitul em prol de madeireiras
Palestina
Ocidente deveria se preocupar com massacre operado por Netanyahu livremente
Assange
Silêncio, imperialismo e guerra midiática: por que não podemos nos esquecer de Assange?
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda