Pesquisar
Pesquisar

Vitória da direita nas eleições regionais na Colômbia impõe desafios ao Pacto Histórico

Fontes próximas à coalizão de governo reconheceram que os resultados eleitorais refletem a ausência de execuções concretas do governo nas regiões
Jorge Enrique Botero
La Jornada
Bogotá

Tradução:

As forças políticas tradicionais ganharam os principais governos e prefeituras nas eleições regionais efetuadas na Colômbia, segundo os escrutínios entregues pela Registradora Nacional apenas duas horas depois do fechamento das votações, neste domingo (29).

As eleições transcorreram no meio de uma clima de grande expectativa e sem maiores tropeços, exceto por casos isolados nos quais algumas expressões de violência obrigaram ao fechamento das urnas.

Leia também: Início do diálogo entre Governo da Colômbia e Farc é vitória histórica do povo em luta pela paz

Analistas locais consideraram que a vitória no primeiro turno do candidato Carlos Fernando Galán à prefeitura do Bogotá, que obteve mais de 50% dos votos, constituiu uma clara mensagem da cidadania contra a gestão do presidente Gustavo Petro, cujo candidato ao cargo, Gustavo Bolívar, obteve os 20% dos sufrágios. 

Minutos depois de ser conhecido o triunfo de Galán, Bolívar interpretou os resultados como “um voto castigo” às forças que apoiam a Petro, mas assegurou que nos próximos anos, quando o governo executar plenamente o orçamento nacional, o presidente receberá de novo o apoio dos colombianos. 

Continua após o banner

O prefeito eleito, que tomará posse em primeiro de janeiro de 2024, pediu ajuda ao presidente Petro para levar adiante a primeira linha de metrô da cidade, assunto que esteve no centro do debate pois o chefe do Estado se opõe ao atual traçado elevado do sistema massivo de transporte e se inclina por um metrô subterrâneo

Fontes próximas à coalizão de governo reconheceram que os resultados eleitorais refletem a ausência de execuções concretas do governo nas regiões

W Radio
Carlos Fernando Galán ganhou a eleição para a Prefeitura de Bogotá no primeiro turno




Nem uma vitória

Os aspirantes do Pacto Histórico, a coalizão de governo que levou Petro à presidência em junho de 2022, não conseguiram nenhuma vitória importante nas principais capitais do país, nem nas 32 governações que estavam em disputa. 

Questionadas por organismos independentes devido a práticas corruptas como a compra de votos, as eleições regionais mobilizaram 60% dos 40 milhões de colombianos habilitados para votar, cifra similar à de quatro anos atrás, quando a abstenção chegou a 38%.

Leia também: Colômbia inicia Reforma Agrária, Petro promete “saldar dívida histórica” e oligarquia reage

Os prognósticos sobre o êxito dos candidatos de direita às prefeituras de Medellín e Barranquilla se cumpriram com folga, enquanto Cali, a terceira cidade do país, ficou também em mãos de forças tradicionais, que apoiaram Alejandro Eder, delfim de uma tradicional família de empresários do sul ocidente do país.

Fontes próximas à coalizão de governo reconheceram que os resultados eleitorais refletem a ausência de execuções concretas do governo nas regiões, assim como a falta de um trabalho organizativo dos partidos e forças que integram o Pacto Histórico.

Continua após o banner

Por sua vez, porta-vozes dos partidos tradicionais qualificaram o “surra ao governo” dos resultados da jornada, e aventuraram uma lista de possíveis candidatos às eleições presidenciais, apesar de que elas terão lugar só dentro de dois anos e meio, em 2026.

De acordo com as cifras entregues pelo Registro, vários candidatos investigados por corrupção, ou com turvos apoios provenientes de economias ilegais, foram eleitos neste domingo, especialmente na região Caribe onde operam clãs políticos estreitamente ligados à máfia.

No início da noite de domingo, o presidente Gustavo Petro felicitou os colombianos “por sua disposição democrática” e sublinhou que a oposição quis “construir uma ambiente de medo nas cidades para ter resultados eleitorais, mostrando altíssimos níveis de risco nestas eleições”.

“A capacidade da força pública e os avanços na construção da paz garantiram eleições tranquilas em todo o território nacional”, acrescentou Petro. 

Jorge Enrique Botero | La Jornada, especial para Diálogos do Sul – Direitos reservados.
Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Jorge Enrique Botero Jornalista, escritor, documentarista e correspondente do La Jornada na Colômbia, trabalha há 40 anos em mídia escrita, rádio e televisão. Também foi repórter da Prensa Latina e fundador do Canal Telesur, em 2005. Publicou cinco livros: “Espérame en el cielo, capitán”, “Últimas Noticias de la Guerra”, “Hostage Nation”, “La vida no es fácil, papi” y “Simón Trinidad, el hombre de hierro”. Obteve, entre outros, os prêmios Rei da Espanha (1997); Nuevo Periodismo-Cemex (2003) e Melhor Livro Colombiano, concedido pela fundação Libros y Letras (2005).

LEIA tAMBÉM

Presidente colombiano Gustavo Petro enfrenta escândalo de corrupção envolvendo altos funcionários
Presidente colombiano Gustavo Petro enfrenta escândalo de corrupção envolvendo altos funcionários
Milei
Javier Milei acusa FMI de sabotagem e enfrenta divisões internas no governo
FOTO ADRIAN PEREZ     evo morales
Evo Morales denuncia "autogolpe" de Arce e mantém ambições políticas na Bolívia
Disputa por Esequibo e interferência de Argentina, EUA e Grã-Bretanha ameaçam eleições na Venezuela
Disputa por Esequibo e interferência de Argentina, EUA e Grã-Bretanha ameaçam eleições na Venezuela