Pesquisar
Pesquisar

Vivendo pior crise econômica do século, EUA vê milionários aumentarem riqueza em 44%

"Não podemos mais tolerar que multimilionários como Bezos, Zuckerberg e Musk se tornem obscenamente ricos em momentos de dor"
David Brooks
La Jornada
Nova York

Tradução:

Ao marcar-se o primeiro aniversário oficial da pandemia nos Estados Unidos, mais de meio milhão de pessoas pereceram pelo vírus, milhões ficaram desempregados, outros milhões perderam suas casas, seu comércios e suas economias, incrementou-se a fome sobretudo entre crianças, tudo enquanto a riqueza combinada dos 664 estadunidenses mais ricos se incrementou em 44%.

Leia também
Super-ricos: 42 brasileiros lucraram mais do que todo custo do auxílio emergencial na pandemia

A notícia mais básica para entender a conjuntura nos Estados Unidos é esta: os ricos se tornaram mais ricos enquanto as maiorias passaram o ano mais difícil e trágico em décadas. 

Os ricos se tornaram mais ricos enquanto as maiorias passaram o ano mais difícil e trágico em décadas.

Durante a pior pandemia em um século nos Estados Unidos, e talvez a pior crise econômica desde a grande Depressão, os 664 multimilionários (aqueles com fortunas maiores de um bilhão) do país gozaram um incremento de 1,3 trilhões de dólares em suas fortunas combinadas nos últimos 12 meses para acumular um total de 4,3 trilhões de dólares, segundo as análises do projeto inequality.org do Institute for Policy Studies.

Para os donos de empresas privadas de saúde – farmacêuticas, hospitais, biotecnologia etc. a pandemia tem sido um alto negócio.

As fortunas de 27 dos multimilionários estadunidenses provêm desse setor, e um deles, a família Thomas Frist, os maiores acionistas da cadeia de hospitais HCA, viram sua fortuna pessoal duplicar de 7,5 bilhões de dólares a 15,6 bilhões de dólares entre março do ano passado e agora. 

"Não podemos mais tolerar que multimilionários como Bezos, Zuckerberg e Musk se tornem obscenamente ricos em momentos de dor"

Outras Palavras
Tragédia para milhões continua sendo um grande negócio para uns quantos

Multimilionários ganham bilhões durante a pandemia

Nove multimilionários no setor tecnológico ganharam mais de 360 bilhões de dólares durante a pandemia, reporta o Washington Post.

 “Na minha opinião, não podemos mais tolerar que multimilionários como Jeff Bezos, Mark Zuckerberg e Elon Musk se tornem obscenamente ricos em momentos de dor e sofrimento econômico sem precedentes”, comentou o senador Bernie Sanders ao jornal. 

A família Walton, dona do Walmart, é a mais rica do país com uma fortuna combinada de mais de 200 bilhões de dólares – incluindo os 50 bilhões de dólares que ganharam durante a pandemia – equivalente à riqueza combinada de 40% da população mais pobre do país.

Mais da metade de seus trabalhadores reportaram que suas famílias têm batalhado com a fome, mas a empresa se recusa a elevar o salário-mínimo de seus trabalhadores. 

Não estão sozinhos: uma tentativa neste mês no Senado para aprovar um incremento do salário-mínimo federal de 7.25/hora a 15 dólares, o que beneficiaria mais de 32 milhões de trabalhadores, fracassou com 8 democratas se somando a 50 republicanos para derrotar a iniciativa.

Quase dois terços dos senadores (incluindo os democratas que votaram contra esta iniciativa) são milionários, segundo o Center for Responsive Politics.

Sistema perfeito, para os ricos

O sistema tem funcionado perfeitamente bem, para os mais ricos. E ainda mais, tanto na atual crise econômica como na anterior (as duas estão relacionadas) no ano 2008, quando a avareza sistêmica levou o sistema à beira do colapso, o governo interveio para subsidiar e resgatar a empresas embriagadas de poder no que alguns chamaram de “socialismo para os ricos, capitalismo selvagem para os demais”.  

“Não há negócio quando os consumidores não têm com o que comprar ou pagar suas contas”

Agora é revelador que a classe empresarial – com algumas exceções – não se tenha oposto ao massivo pacote de 1,9 trilhões de dólares para o resgate econômico promulgado por Joe Biden na semana passada. 

Alguns ricos entendem que não há negócio quando os consumidores não têm com o que comprar ou pagar suas contas. 

O programa federal de resgate econômico é qualificado como um dos maiores da história moderna dos Estados Unidos, mas seu valor total é só pouco mais que o incremento da riqueza dos 664 multimilionários no último ano.  

No entanto, como assinalam separadamente as intelectuais Joseph Stiglitz e Robert Reich, este novo pacote, por primeira vez em décadas, reconhece que o governo tem uma responsabilidade no bem-estar social básico das maiorias e poderia marcar o fim da era neoliberal introduzida por Ronald Reagan em 1980.

Talvez, mas por ora esta tragédia para milhões continua sendo um grande negócio para uns quantos. 

David Brooks correspondente de La Jornada em Nova York

La Jornada, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

4 - Iryna Borovets 2
Vice-chanceler da Ucrânia diz que país deseja paz, mas insiste em adesão à Otan
emmanuel-macron-olaf-scholz (2)
Apoio inconsequente de Macron e Sholz à Ucrânia foi crucial ao avanço da extrema-direita na UE
Europa
Cabe ao Parlamento Europeu uma frente ampla para frear a extrema-direita
Putin - Fórum de São Petersburgo
Fórum de São Petersburgo: 3 sinais sobre a iminência da era multipolar