Pesquisar
Pesquisar

Vox, partido de extrema-direita da Espanha, inicia primeiro governo em comunidade do país

Isabel Rodríguez, porta-voz do executivo de Pedro Sánchez, atentou para que sigla não faça retroceder os avanços em direitos e liberdades das mulheres
Armando G. Tejeda
La Jornada
Madri

Tradução:

O partido espanhol de extrema direita Vox entrou ontem pela primeira vez em um governo autonômico, o de Castilla y León, com uma vice-presidência e três conselheiros. 

Trata-se do primeiro acordo de coalizão entre o conservador Partido Popular (PP) e Vox, que abre as portas das instituições a uma formação política irmanada com movimentos ultras no mundo, como os que arvoram Marine Le Pen na França, Viktor Orbán na Hungria, Donald Trump nos Estados Unidos e Jair Bolsonaro no Brasil. 

Partido espanhol VOX, racista, xenófobo e negacionista, se alia ao PAN, do México

O líder do PP em Castilla y León, Alfonso Fernández Mañueco, tomou posse de seu cargo em um ato institucional ao que compareceram representantes de Vox e do PP, mas também do governo central. 

No referido ato formalizou-se a constituição do novo governo autonômico, com o que assumiu como vice-presidente da região Juan García Gallardo, o líder da formação extremista, e que contará ademais com três conselheiros.

As eleições em Castilla y León foram no passado 14 de fevereiro, depois que o presidente Mañueco, que foi reeleito, decidiu adiantar as eleições diante da suposta fratura em seu governo de coalizão com Ciudadanos, que agora praticamente desapareceu do mapa eleitoral.

Isabel Rodríguez, porta-voz do executivo de Pedro Sánchez, atentou para que sigla não faça retroceder os avanços em direitos e liberdades das mulheres

20 minutos
Trata-se o primeiro acordo de coalizão entre o conservador Partido Popular (PP) e Vox, que abre as portas das instituições




Distribuição das cadeiras

A distribuição das cadeiras foi de 31 para o PP; 28 para o PSOEUnión del Pueblo LeonésUnidas Podemos e Por Ávila obtiveram cada um uma cadeira. 

Com esta distribuição eleitoral, a única alternativa viável de governo era a aliança entre o PP e Vox, já que a esquerda sofreu um severo retrocesso em relação às eleições de 2020. 

No ato, não esteve presente o novo líder do PP, Alberto Núñez Feijóo, mas sim o líder nacional do Vox, Santiago Abascal, o qual augurou que este será o primeiro de muitos pactos entre ambas as formações visando o futuro. 

Por parte do governo central, presidido pelo socialista Pedro Sánchez, compareceu a ministra da Educação, Pilar Alegría, mas desde Madrid a porta-voz do governo, Isabel Rodríguez, atentou para que “esta aliança não vá fazer retroceder os avanços em direitos e liberdades das mulheres”.

Armando G. Tejeda, Correspondente de La Jornada em Madri
Tradução por Beatriz Cannabrava



As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul



Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Armando G. Tejeda Mestre em Jornalismo pela Jornalismo na Universidade Autónoma de Madrid, foi colaborador do jornal El País, na seção Economia e Sociedade. Atualmente é correspondente do La Jornada na Espanha e membro do conselho editorial da revista Babab.

LEIA tAMBÉM

milei-argentina-espanha
Ataques de Milei deixam relação diplomática Espanha-Argentina na corda bamba
Ebrahim Raisi (1)
Ebrahim Raisi, Robert Fico, Prigozhin e Gaza: dois pesos e duas medidas na imprensa internacional
Paris
Da Porte de la Villette à Bastille: uma jornada pela cultura e modernidade de Paris
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda