Pesquisar
Pesquisar

Washington “marca território” ao enviar porta-aviões dos EUA ao disputado Mar da China Meridional

A Marinha dos Estados Unidos tem estado muito ativa nos últimos anos no canal que é de excepcional importância para o tráfego marítimo internacional
Redação Pressenza
Pressenza
Pequim

Tradução:

Segundo a Marinha dos Estados Unidos, o grupo realizará “operações de voo e anti-submarinos, além de exercícios de ataque naval e outros treinamentos táticos” nessas águas, reivindicadas por países como China, Vietnã ou Filipinas.

Pela segunda vez nos últimos dois meses, o grupo de ataque do porta-aviões estadunidense USS Theodore Roosevelt entrou no Mar da China Meridional para realizar “operações de rotina”, afirmou em um comunicado a Marinha dos Estados Unidos.

A unidade, oficialmente chamada de 9º Grupo de Ataque de Porta-Aviões, realizará “operações de vôo e antissubmarinos, bem como exercícios de ataque naval e outros treinamentos táticos” nessas águas disputadas.

“Durante o desdobramento do grupo de ataque, demonstramos nosso compromisso com a ordem baseada em regras na região do Indo-Pacífico em cooperação com nossos amigos da Coreia do Sul, Japão, Austrália, Índia e Malásia”, indicou o comandante da unidade, contra-almirante Doug Verissimo.

A Marinha dos Estados Unidos tem estado muito ativa nos últimos anos no canal que é de excepcional importância para o tráfego marítimo internacional

Imagem de David Mark / Pixabay
Pela segunda vez nos últimos dois meses, o grupo de ataque do porta-aviões estadunidense USS Theodore Roosevelt entrou no Mar da China

O agrupamento consiste no USS Theodore Roosevelt (CVN 71), a 11ª Asa Aérea, o cruzador de mísseis guiados classe Ticonderoga USS Bunker Hill (CG 52) e o destroyer de mísseis guiados classe Arleigh Burke USS Russell (DDG 59), que faz parte da 23ª esquadra de destroyerse fragatas com base em San Diego, Califórnia.

No início de fevereiro, o mesmo grupo de navios conduziu exercícios conjuntos naquela região com outro grupo de ataque estadunidense liderado pelo porta-aviões USS Nimitz.

Leia também
Tiro no próprio pé: Ao nomearem Rússia e China como principais ameaças, EUA criam rival invencível, diz especialista

A Marinha dos Estados Unidos tem estado muito ativa nos últimos anos no Mar da China Meridional, cujas águas, um canal de excepcional importância para o tráfego internacional, são objeto de reivindicações marítimas e territoriais por parte da China, Vietnã, Filipinas, Malásia, Indonésia e Brunei.

Washington tem defendido repetidamente a necessidade de suas atividades militares na área, alegando que as missões estão projetadas para proteger o chamado princípio da “liberdade de navegação”.

Traduzido do espanhol para o português por Mercia Santos / Revisado por Graça Pinheiro


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Redação Pressenza

LEIA tAMBÉM

Malnutrition in Zamzam camp, North Darfur
Guerra no Sudão: Emirados Árabes armam milícias, afirma investigação; Espanha dificulta asilo
estudo-Lancet-palestinos
186 mil palestinos assassinados: Lancet divulga estudo alarmante sobre vítimas em Gaza
Quenia-FMI
Nova jornada de manifestações no Quênia exige queda de Ruto e das políticas abusivas do FMI
begona-gomez-pedro-sanchez-ksuF--1200x630@diario_abc1
Esposa de Pedro Sánchez se recusa a depor em processo de corrupção e tráfico de influências