Pesquisar
Pesquisar

Xi Jinping pede aos BRICS maior cooperação pela paz e oposição a confronto entre blocos

Chanceler russo, Sergey Lavrov, também discursou ao bloco, descrevendo avaliações de seu governo sobre a situação na Ucrânia
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
Beijing

Tradução:

O presidente da China, Xi Jinping, pediu hoje ao grupo de economias emergentes Brics para reforçar a confiança entre seus sócios, aprofundar a cooperação e empreender ações concretas para promover a paz, o desenvolvimento e a equidade.

Ao intervir na abertura de uma reunião dos chanceleres do bloco (integrado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), o mandatário chamou a defender a democracia e a liberdade, com vistas a injetar estabilidade e energia positiva nas relações internacionais em um período de turbulências e transformações.

“Os países Brics precisam (…) manter estreita comunicação e coordenação sobre os temas internacionais e regionais de transcendência, atender de maneira recíproca os interesses vitais e preocupações fundamentais, respeitar mutuamente a soberania e a segurança”, afirmou.

No Brics, Xi Jinping defende multilateralismo e princípios da ONU; leia íntegra do discurso

Pediu opor-se à hegemonia, à política da força, à mentalidade de Guerra Fria e ao confronto entre blocos, assim como rejeitar qualquer tentativa de buscar segurança própria às custas da de outros países porque isso só engendrará novas tensões e riscos.

Xi insistiu em que o desenvolvimento constitui a tarefa comum dos mercados emergentes e é muito importante fortalecer a solidariedade e a cooperação entre eles para superar os diversos desafios do mundo atual.

“Nossos cinco países devem realizar diálogos e intercâmbios com mais mercados emergentes e países em desenvolvimento para aumentar o entendimento e a confiança mútua, estreitar os laços de cooperação e aprofundar a convergência de interesses”, acrescentou.

A reunião dos ministros de Relações Exteriores do grupo Brics realizou-se na última quinta-feira (18) por videoconferência, presidida pelo chanceler do gigante asiático, Wang Yi

Chanceler russo, Sergey Lavrov, também discursou ao bloco, descrevendo avaliações de seu governo sobre a situação na Ucrânia

Xinhuanet.com
"Os países Brics precisam (…) manter estreita comunicação e coordenação sobre os temas internacionais e regionais de transcendência"

Argentina participa como convidada

A Argentina foi convidada, pela primeira vez, a participar tanto deste encontro ministerial como do dos mandatários.

O Brics é uma associação econômico-comercial entre as cinco economias emergentes mais importantes do mundo e que compartilham como características comuns dispor de uma grande população, vasto território e importante quantidade de recursos naturais.

Chega de ser subdesenvolvido: em entrevista a TV chinesa, Lula diz que, se eleito presidente, vai reativar o BRICS

Foi fundado para dar voz a seus integrantes e pôr em prática uma nova ordem financeira internacional.

Em março passado lançou um centro conjunto para investigar e desenvolver vacinas, assim como garantir a distribuição equitativa dos injetáveis e aumentar a capacidade dos cinco sócios de enfrentar enfermidades infecciosas e responder a eventos de saúde pública.

Não obstante, o bloco deixou abertas as portas à incorporação de mais nações interessadas em cooperar neste terren

Lavrov atualiza os países BRICS sobre o conflito com a Ucrânia

O chanceler russo, Serguéi Lavrov, descreveu hoje as avaliações de seu Governo sobre a situação na Ucrânia e a marcha da operação militar para seus homólogos dos países BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China, África do Sul).

Durante o intercâmbio por videoconferência, houve uma importante troca de opiniões sobre temas de atualidade da agenda internacional, segundo um comunicado sobre a reunião do Ministério de Assuntos Exteriores da Rússia.

Os ministros discutiram a necessidade de apoiar o respeito aos princípios coletivos nos assuntos mundiais, os conflitos regionais, a luta contra os novos desafios e ameaças, e a interação dos cinco estados nas plataformas multilaterais.

“Prestou-se muita atenção ao estado atual e às perspectivas da cooperação entre as cinco partes”, indica ainda o texto.

Rússia vai reforçar ajuda humanitária à população ucraniana, declara chanceler à ONU

Segundo o serviço diplomático russo, a reunião também incluiu uma sessão separada no formato BRICS+ com a participação dos ministros de Relações Exteriores da Argentina, Egito, Indonésia, Cazaquistão, Nigéria, Arábia Saudita, Senegal, Tailândia e Emirados Árabes Unidos.

“Houve interessantes debates sobre o estado e as perspectivas da governança mundial, destacando-se o papel central das Nações Unidas, da Organização Mundial do Comércio e do G20”, afirmou.

Redação Prensa Latina
Tradução de Ana Corbisier


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação