Pesquisar
Pesquisar

Yuan digital: China lança moeda eletrônica e ameaça reinado do dólar no comércio internacional

Economistas e banqueiros dos Estados Unidos recomendam que o governo trate o yuan digital como uma questão de segurança nacional
Mario Cesar Carvalho
Poder 360
São Paulo (SP)

Tradução:

A China resolveu jogar todas as cartas numa corrida nada maluca que tem uma meta dupla: reviver o período em que o país era o celeiro das invenções – o tempo mítico do “império do centro” do mundo – e experimentar o doce sabor da vingança de quem foi humilhado por países ocidentais e orientais. Da época áurea a China deixou invenções geniais como a imprensa (muito antes de Gutenberg), os foguetes como arma de guerra e o dinheiro de papel.

A moeda de metal era o dinheiro do mundo no século VIII, quando os chineses criaram o dinheiro em papel, que só iria se popularizar 4 séculos depois.

Leia também
Com crise nos EUA, yuan pode ser primeira moeda mundial a substituir o dólar no mundo

É essa invenção que os chineses começam a sepultar agora, com a criação do yuan digital – a primeira moeda digital de uma superpotência que não está restrita a nichos de mercado e tem a chancela do Banco Central chinês.

A adoção da nova forma de dinheiro é tão radical e inovadora que economistas e banqueiros dos Estados Unidos recomendam que o governo trate o yuan digital como uma questão de segurança nacional.

Não é uma ameaça para amanhã, mas pode ser o começo do fim do reinado do dólar no comércio internacional, papel que a moeda estadunidense desempenha desde o fim da 2ª Guerra Mundial (1939-1945).

Tanto o Tesouro dos EUA quanto o Banco Central dizem que estudam seriamente o caso chinês para lançar o dólar digital no futuro.

A invenção do dinheiro em papel tem uma relação mais ou menos óbvia com o dinheiro digital. Até a invenção do papel na dinastia Song (960-1279), havia uma relação entre o valor da moeda e o material no qual ela era cunhada (bronze, prata ou ouro).

Com o papel, some o valor do metal e começa a abstração dos negócios do mundo moderno. Agora vai sumir a materialidade do dinheiro.

Economistas e banqueiros dos Estados Unidos recomendam que o governo trate o yuan digital como uma questão de segurança nacional

Poder360
O bitcoin e o yuan: ideia chinesa de digitalizar moeda nacional nasce em uma cultura política antípoda à das criptomedas

Fase experimental

Em termos práticos, o yuan digital é um aplicativo do Banco Central chinês. Na fase experimental, 100 mil chineses foram convidados a experimentar a nova moeda, que vai conviver com notas e moedas que já estão em circulação.

Para fazer uma transição sem sustos para os usuários, a tela do aplicativo exibe uma imagem de nota com o retrato de Mao Tse-Tung (1893-1976), o líder da revolução comunista que criou a China contemporânea.

O Banco Central da China distribuiu a moeda digital para 6 grandes bancos comerciais, todos estatais, que enviarão o recurso digital para bancos menores e controladores de aplicativos como o WeChat (uma ferramenta chinesa que mistura WhatsApp com carteira digital de pagamentos).

Eu mando dinheiro para você, sem nenhuma intermediação de bancos comerciais; só o banco central está no meio do caminho.

Acaba com a era de taxas, da mesma forma que o Pix brasileiro, e atrasos nas transferências por problemas tecnológicos nos bancos.

Sem intermediação não quer dizer sem controle

O yuan digital nasceu sob uma cultura política que é a antípoda da que pariu as criptomoedas nos Estados Unidos. Enquanto estas são anônimas por princípio, criada por libertários que queriam evitar a interferência de governos, o yuan digital pode ser rastreado o tempo todo.

É uma ferramenta perfeita para ditaduras como a chinesa. Junto com as tecnologias de identificação facial, o yuan digital pode levar as autoridades a um criminoso em questão de minutos. Se você cometeu uma penalidade punida com multa, o pagamento pode ser automático.

São os aspectos negativos do dinheiro digital. O Estado pode saber tudo que você compra. Será o maior teste à ideia em voga de que os chineses aceitam um grau de interferência estatal que seria intolerável no Ocidente.

Teste a tolerância

Será que a nova geração, nascida e criada no mundo digital, continuará com essa sina? Ou a cultura digital vai dinamitar o autoritarismo, como sonham alguns pensadores que defendem a ideia de que a tecnologia nunca é neutra?

O principal ponto positivo do yuan digital é a facilidade e o barateamento das transações internacionais.

O câmbio para importação e exportação é um negócio tão burocrático e complexo que existem até bancos especializados nesse nicho de mercado. Seria uma bênção para o mundo se essa burocracia sumisse do mapa.

A China está criando protocolos internacionais junto com a principal entidade que regula os bancos ao redor do mundo, o Banco de Compensações Internacionais (Bank for International Settlements), baseada em Basiléia, na Suíça.

O governo chinês também desenvolve protocolos junto com Hong Kong, Tailândia e Emirados Árabes Unidos.

Sobre o tema
Alemanha, Rússia e China podem se unir para romper hegemonia econômica dos EUA

A China não vai ficar sozinha nessa inovação. A Índia está finalizando um projeto de moeda digital por meio de seu banco central.

Saiba+
Rússia, Índia e China contra-atacam sanções impostas por Trump e abandonam o dólar

O Banco Mundial estima que haverá uma corrida em busca de moedas digitais. Levantamento feito pela CBDC Tracker aponta que 60 países estão preparando o lançamento de moedas digitais.

Há um mercado espetacular à espera dessas iniciativas. Há 1,7 bilhão de pessoas no mundo que não tem conta bancária, segundo o Banco Mundial.

Mario Cesar Carvalho, 59, é jornalista e escritor, autor dos livros “O Cigarro” e “Registro Geral”, sobre o Carandiru. Trabalhou na Folha de S.Paulo como repórter especial e editor do caderno Ilustrada. Escreve para o Poder360 às quartas-feiras sobre o “Futuro Indicativo”.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Mario Cesar Carvalho

LEIA tAMBÉM

crise-humanitaria-iemen
“Economia inclusiva” é hipocrisia do FMI para preservar capitalismo frente à desigualdade global
Mercado de Sucre, na Bolívia
Por que alimentos no Brasil estão caros e na Bolívia, baratos? Segredo está no pequeno produtor
Javier_Milei_and_Santiago_Abascal_(cropped)
Superávit de Milei é ilusionismo contábil: a verdade sobre a economia Argentina
Desigualdade_FMI_Banco-Mundial
Em Washington, Brasil adverte: FMI e BM seguem privilegiando EUA e outros países poderosos