Pesquisar
Pesquisar
Foto: UNRWA

160 postos médicos destruídos: Israel devasta sistema de saúde palestino para acelerar extermínio

Sistema de saúde palestino se tornou um alvo estratégico para o regime sionista na Faixa de Gaza desde o passado 7 de outubro
Wisam Zoghbour
Diálogos do Sul Global
Gaza

Tradução:

O estado ocupante continua a atacar o setor de saúde palestino à medida que a guerra de extermínio na Faixa de Gaza adentra o seu 9º mês consecutivo, causando a morte de cerca de 130 mil pessoas, mais de 70% delas crianças e mulheres. O número de mártires chegou a cerca de 36 mil, enquanto o número de feridos é de aproximadamente 81 mil, e o número de desaparecidos é de cerca de 13 mil. Além disso, as forças ocupantes continuam a aplicar políticas de desaparecimento forçado contra o povo palestino na Faixa de Gaza, especialmente contra equipes médicas e jornalistas.

É evidente que a destruição do sistema de saúde palestino se tornou um objetivo estratégico para o regime ocupante na guerra de extermínio contínua na Faixa de Gaza desde o passado 7 de outubro, sob alegações de que os ataques a hospitais em Gaza foram por necessidades operacionais militares. Isso foi desmentido por fatos de campo, fontes jornalísticas, médicas e organizações de direitos humanos, que documentaram cerca de 90 incidentes de ataque ao setor de saúde em Gaza.

Refutando as alegações e falsidades do estado ocupante, o jornal Washington Post confirmou que as evidências não sustentam as alegações de que a resistência palestina usou hospitais para fins militares. O jornal norte-americano relatou que 32 dos 36 hospitais na Faixa de Gaza foram danificados ou ficaram fora de serviço devido à guerra de extermínio.

Ataque sistemático

O estado genocida tem sistematicamente atacado o setor de saúde na Faixa de Gaza, com fontes oficiais palestinas relatando a morte de cerca de 496 profissionais de saúde e especialistas médicos, a prisão de cerca de 310, incluindo diretores de hospitais, e ferindo cerca de 1.500 profissionais médicos. Além disso, cerca de 33 hospitais e 55 centros médicos foram colocados fora de serviço, 160 instituições ou pontos médicos foram atacados e cerca de 130 ambulâncias foram destruídas. Os hospitais Mártires de Al-Aqsa e Nasser estão em risco de parar de funcionar devido à proibição de entrada de combustível pelas forças ocupantes, ameaçando a vida de feridos, pacientes e bebês prematuros. O hospital kuwaitiano em Rafah também está em risco de parar devido aos ataques e invasões israelenses.

A taxa de ocupação de leitos em vários hospitais que ainda funcionam parcialmente está em cerca de 250%, e as equipes médicas enfrentam uma grande carga devido à superlotação de feridos e doentes, especialmente pacientes com câncer, problemas renais, cardíacos, hepatite e desnutrição, sem poder fornecer os serviços médicos necessários, colocando suas vidas em risco. Cerca de 11 mil feridos correm risco de morrer devido ao fechamento da passagem de Rafah e à proibição de tratamento no exterior.

Observadores afirmam que as forças ocupantes utilizam a política de assassinato, destruição e deslocamento como objetivo estratégico em toda incursão ou invasão de qualquer cidade, campo ou área geográfica, com o ataque sistemático a hospitais e centros médicos sendo uma clara evidência disso. Durante a invasão do campo de Jabalia, ao norte da Faixa de Gaza, as forças ocupantes cercaram o Hospital Al-Awda, em Tel al-Zaatar, forçando as equipes médicas a evacuarem o hospital para áreas a oeste da cidade de Gaza, levando dezenas de feridos e pacientes, e deixando apenas alguns enfermeiros e pacientes. As forças ocupantes também atacaram o Hospital Kamal Adwan, no norte da Faixa, atirando em qualquer pessoa que se movesse no hospital.

Ação simultânea

Simultaneamente aos eventos no norte da Faixa de Gaza, com os ataques a hospitais lá, as forças ocupantes retiraram o Hospital Abu Yusef al-Najjar e outros hospitais de campo de serviço na província de Rafah, durante a ampla invasão israelense da pequena província, juntando-se a uma série de hospitais, incluindo o Complexo Médico Al-Shifa, na cidade de Gaza, e o Complexo Médico Nasser, na cidade de Khan Yunis, que foram retirados de serviço e tiveram suas atividades paralisadas.

Estamos diante de um cenário de ataque sistemático e organizado ao setor de saúde em toda a Faixa de Gaza, confirmando que o estado ocupante adota a política de matar, deslocar, provocar fome e destruir como uma prática diária contra o povo palestino.

Diante da indiferença do estado ocupante aos apelos e demandas internacionais para cessar os crimes de genocídio e os ataques aos sistemas de saúde e mídia, violando os direitos de saúde dos pacientes e feridos, conforme estipulado pelo direito internacional humanitário, e diante da rebeldia do estado ocupante contra esse mesmo direito e contra as legítimas resoluções do Conselho de Segurança, do Tribunal Internacional de Justiça e do Tribunal Penal Internacional, com o apoio explícito dos Estados Unidos e de outros aliados ocidentais que se opõem ao direito internacional humanitário e violam a Carta das Nações Unidas, é necessário tratar o estado ocupante como um estado fora da lei, impondo sanções e isolando-o internacionalmente.

Isso exige que o Tribunal Penal Internacional acelere a emissão de mandados de prisão contra o primeiro-ministro do governo ocupante israelense, Benjamin Netanyahu, seu ministro da Guerra, Yoav Galant, e outros que a investigação identificar como responsáveis por crimes de guerra e crimes contra a humanidade. Também é necessário que o Tribunal Internacional de Justiça emita ordens para a cessação imediata dos crimes de genocídio na Faixa de Gaza, o fim dos ataques a hospitais, a abertura das passagens e a permissão para a entrada de ajuda humanitária.

Edição: Alexandre Rocha


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Wisam Zoghbour Diretor da Revista Liberdade de Gaza (Al-Hurriya) e membro do Secretariado-Geral do Sindicato dos Jornalistas Palestinos.

LEIA tAMBÉM

Palestina
Ocidente deveria se preocupar com massacre operado por Netanyahu livremente
Palestina-jovens
No 76° aniversário da Nakba, juventude internacional se levanta pela Palestina
ONU
Palestina como membro pleno da ONU: entenda os reflexos da resolução aprovada
Palestina- Gaza
Relatório do Repórteres Sem Fronteiras minimiza crimes de Israel contra jornalistas palestinos