Pesquisar
Pesquisar

25 de abril | Revolução dos cravos e colonialismo português na Cadernos de Terceiro Mundo

Esse movimento, com participação de vários setores da sociedade portuguesa, resultou no fim do regime ditatorial salazarista e da guerra colonial portuguesa
Gabriel Rodrigues Farias
Diálogos do Sul
Rio de Janeiro (RJ)

Tradução:

* Atualizado em 25/04/2022 às 16h05.

Em 25 de abril de 1974, há exatos 48 anos, ocorria em Portugal a chamada Revolução dos Cravos

Esse movimento, com participação de vários setores da sociedade portuguesa, resultou no fim do regime ditatorial salazarista e da guerra colonial portuguesa e, consequentemente, na proclamação de independência de Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e São Tomé do Príncipe.

Leia também
Cravos de Abril: um marco decisivo que selou a derrota do fascismo em Portugal

Por conta disso, decidimos resgatar uma entrevista com  uma das principais lideranças da Revolução dos Cravos, o Almirante Rosa Coutinho.

Nessa entrevista, o Almirante Rosa Coutinho fala sobre a Revolução Portuguesa e o processo de descolonização africana.

Para o militar, o movimento de 25 de abril, tinha como um dos principais objetivos, além de derrubar o regime fascista, dar fim às guerras coloniais.

O entrevistado aborda temas como democracia, comparação de Portugal com outros países da Europa, imperialismo, o papel das forças armadas na revolução portuguesa, a possibilidade do socialismo no país e, principalmente, a situação em Angola.

Sobre o tema
A descolonização africana vista por Cadernos do Terceiro Mundo

No caso dessa ex-colônia portuguesa em África, é dito sobre os desafios que o processo de independência angolano enfrenta por causa dos interesses estrangeiros no território e dos grupos oposicionistas ao MPLA.

Nesse sentido, vamos colocar um pequeno trecho da fala do Almirante Rosa Coutinho  e, no final da postagem, um link para a edição da Revista com a entrevista completa.

Esse movimento, com participação de vários setores da sociedade portuguesa, resultou no fim do regime ditatorial salazarista e da guerra colonial portuguesa

Arquivo Cadernos do Terceiro Mundo
O movimento do 25 de Abril teve como objetivo principal – e determinante – dar fim às guerras coloniais

Almirante Rosa Coutinho

Devo dizer-lhes que a minha opinião, desde sempre a mesma de outros que analisam a revolução portuguesa – é que o movimento do 25 de Abril teve como objetivo principal – e determinante – dar fim às guerras coloniais, encontrando para elas uma solução política.

Esta resolução é, realmente, a que marca o movimento desde o seu início e é aquela que consegue traduzir e consagrar toda a opinião pública portuguesa.

Sobre o tema
Chico Buarque e a Revolução dos Cravos

Portanto, há que reafirmar mais uma vez que, embora aparecendo aos olhos do mundo como uma revolução destinada a derrubar o fascismo português, a queda desse regime aparece como necessário para dar fim às guerras coloniais.

E é por isso mesmo que a opinião unânime do povo português se congrega imediatamente à volta dos objetivos da revolução do 25 de Abril

As guerras coloniais duravam, como sabem, há quase treze anos, com incidência principal na Guiné, Angola e Moçambique, e cada vez mais se verificava que elas não apresentavam solução.

Cada vez mais se patenteava que a teimosia dos governantes fascistas só podiam conduzir esse país à ruína. E ainda: cada vez mais, tanto o exército como o povo verificavam que os objetivos para os quais esta guerra era conduzida não serviam os interesses de Portugal.

De uma maneira geral se pode dizer que o colonialismo português era um colonialismo intermediário.’’

Gabriel Rodrigues Fariasdos Cadernos do Terceiro Mundo especial para Diálogos do Sul

Fonte:

‘’O M.F.A e a transferência de poder aos trabalhadores’’, entrevista com o Almirante Rosa Coutinho por equipe Cadernos do Terceiro Mundo

TERCEIRO MUNDO. Lisboa: Tricontinental Editora, Lda., ano 1, n. 1, dez. 1975, p. 18-27.

Link para a entrevista completa: http://repositorio.im.ufrrj.br:8080/…/CTM…


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Gabriel Rodrigues Farias

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação