Pesquisar
Pesquisar

46 vidas: após destituição de Castillo, Governo de Boluarte mata mais de 1 peruano por dia

Na cidade de Juliaca, no departamento de Penu, foram massacrados 17 civis, na segunda-feira (9), a qual se juntou a morte de um policial, ontem
Redação AbrilAbril
AbrilAbril
Lisboa

Tradução:

Com 73 votos a favor e 43 contra, o Congresso peruano atribuiu, nesta terça-feira, um voto de confiança ao gabinete liderado pelo primeiro-ministro Alberto Otárola, apoiando a repressão nas regiões “rebeldes” e confirmando a aliança existente entre executivo e Parlamento, onde a extrema-direita tem um peso decisivo.

As forças progressistas e de esquerda, às quais ministros chamaram de “assassinos”, posicionaram-se contra o governo, tendo ainda pedido a demissão da presidente da República, Dina Boluarte.

46 mortes depois da destituição de Castillo, em 7 de dezembro de 2022, alguns congressistas juntaram-se às demandas que o povo “llano” tem feito nas ruas: demissão de Boluarte, encerramento do Congresso, eleições antecipadas já em 2023, criação de uma Assembleia Constituinte, uma nova Constituição.

Segundo refere a Kawsachun News, as regiões sul-andinas e a amazônica continuam a não acatar o golpe, e a região aymara de Puno, junto à fronteira com a Bolívia, tem sido o epicentro mais recente dos protestos.

Na cidade de Juliaca, no departamento de Penu, foram massacrados 17 civis, na segunda-feira (9), a qual se juntou a morte de um policial, ontem

Resumen Latinoamericano

Delegação da Comissão Interamericana de Direitos Humanos deve chegar nesta quarta-feira (11) ao país para avaliar a situação




Reações ao massacre em Juliaca, na região de Puno

Na cidade de Juliaca, no departamento de Penu, foram massacrados 17 civis, na segunda-feira (9), a qual se juntou a morte de um policial, ontem.

Depois disso, o primeiro-ministro, que decretou toque de recolher obrigatório em todo o departamento, fez a defesa da Polícia e das Forças Armadas no Congresso, aplaudido pelas bancadas da extrema-direita, que pediram, inclusive, “maior dureza” em lidar com a convulsão social no Peru, indica a Prensa Latina.

Entretanto, o governador de Puno, Richard Hancco, pediu a demissão de Dina Boluarte e disse compreender a posição de uma grande parte da população, que a considera traidora.

Peru: reprimidos por militares, atos por Castillo ganham força e advertem: “não nos subestime”

Disse ainda que é falso que os manifestantes estejam armados e tenham explosivos, e que os protestos sejam financiados por atividades ilegais, como referiu o primeiro-ministro.

Hancco afirmou que a população de Puno participa de forma massiva nos protestos e que se recusa a fazer “um apelo à calma quando matam inocentes”. “A autoridade ganha-se com o respeito do povo, não com balas”, disse.

Em Lima, uma congressista de direita afirmou que as vítimas do massacre de Juliaca foram mortas por “terroristas infiltrados”.

Entretanto, informa a TeleSur, uma delegação da Comissão Interamericana de Direitos Humanos deve chegar nesta quarta-feira ao país para avaliar a situação.

Já a Procuradoria-Geral do Peru anunciou uma segunda investigação contra Boluarte, considerando os eventuais crimes de genocídio, homicídio qualificado e lesões graves.

O inquérito abrange vários membros do governo e está relacionado com a perda de 28 vidas, em dezembro passado, nas regiões de Apurímac, La Libertad, Junín, Arequipa e Ayacucho, e com o massacre de Juliaca, na segunda-feira.

Redação | AbrilAbril


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação AbrilAbril

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei