Pesquisar
Pesquisar

5 fatos para entender por que há um incêndio descontrolado há 5 dias em Cuba

Tragédia matou ao menos uma pessoa e afetou o abastecimento de energia da ilha; brigadas internacionais estão em ação para conter as chamas
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
Matanzas

Tradução:

Com problemas históricos de abastecimento de combustível, a ilha caribenha vive agora um drama de grandes proporções: o incêndio em Matanzas está queimando petróleo de estoque da ilha e afetou o abastecimento da maior termoelétrica do país. Danos econômicos ainda são inestimáveis, mas governo atua para minorar os efeitos humanos da tragédia.


1 – O lugar

A localização geográfica, sua infraestrutura e as características naturais da baía de Matanzas fazem do terminal do superpetroleiro uma área estratégica para a logística de combustíveis em Cuba.

O local está localizado na zona industrial da cidade cubana ocidental, próximo à usina termelétrica Antonio Guiteras, a maior do país, e outros locais tecnológicos, incluindo geradores e outras áreas para o armazenamento de combustíveis e gases industriais.

O terminal é fundamental para a distribuição de combustível produzido internamente – do qual Matanzas é um grande produtor – e combustível importado para usinas geradoras de eletricidade, rede de postos de gasolina do país e outros destinos.


2 – As causas

Por volta das 19h00, hora local, na sexta-feira, 5 de agosto, um raio atingiu o tanque número 52 na base do superpetroleiro Matanzas, causando um grande incêndio. A ocorrência deste fenômeno durante as tempestades habituais não é uma coincidência nesta época do ano.

Cuba é um dos países mais afetados pelas tempestades, segundo estatísticas do Instituto de Geofísica e Astronomia entre 1973-2013.

Esta é a principal causa de morte no país devido a fenômenos naturais e os meses mais propensos à ocorrência de trovoadas são de julho a setembro, quando a ocorrência de processos convectivos produzidos pelo grande aquecimento do ar em contato com a superfície terrestre é maior.

Assista na TV Diálogos do Sul


3 – A estratégia

Durante os primeiros momentos do desastre, as forças de bombeiros e unidades de resgate cubanas concentraram-se na extinção das chamas do primeiro tanque danificado; no entanto, uma explosão e a propagação das chamas no local causaria uma mudança.

A explosão de um segundo reservatório de combustível no sábado e a propagação da queima de petróleo bruto nas áreas próximas ao terminal do superpetroleiro forçariam a retirada de forças especializadas e o uso de ativos aéreos para evitar a propagação das chamas para outros tanques próximos.

Leia também: 4º dia de incêndios em Cuba: Rússia e mais 6 países da América Latina enviam ajuda ao país

Esta prática desacelerou o aquecimento de um terceiro reservatório, que combinado com a extinção das chamas no primeiro tanque danificado apontava para o controle do acidente, no entanto, nas primeiras horas da manhã de segunda-feira, a explosão de um terceiro tanque reacendeu o fogo.

A partir daquele momento, a estratégia se concentrou em baixar as temperaturas, abrindo caminhos para a entrada de equipamentos que permitissem a pulverização de espuma nas chamas e interrompessem a propagação do combustível queimado que estava devorando a vegetação do local.

O uso de meios aéreos e a instalação de bombas de maior capacidade não foram suficientes e na segunda-feira à tarde houve uma nova explosão e as chamas afetaram um quarto tanque que estava vazio. Apesar do incêndio, não houve nenhum dano estrutural.

Os funcionários dos bombeiros explicaram que as altas temperaturas, o comportamento do vento, a intensidade da fumaça e as explosões contínuas impediram uma resposta mais rápida ao incêndio e os forçaram a mudar constantemente sua estratégia.

Tragédia matou ao menos uma pessoa e afetou o abastecimento de energia da ilha; brigadas internacionais estão em ação para conter as chamas

Presidencia Cuba – Twitter
No Brasil, o movimento de solidariedade a Cuba arrecada recursos para enviar à ilha




4 – Impacto

A poluição atmosférica pela fumaça gerada pela combustão de petróleo bruto rico em enxofre por mais de 72 horas é o principal perigo para a saúde e o meio ambiente.

Especialistas cubanos estão avaliando a qualidade do ar e as chuvas em Matanzas e no noroeste de Cuba, incluindo Havana, uma cidade com mais de dois milhões de habitantes. Até agora, nenhum aumento na incidência de doenças respiratórias foi relatado nesses locais.

Leia também: Bloqueio dos EUA leva apagões a Cuba, mas ilha anuncia estratégia contra crise energética

O Ministério da Saúde Pública informou, na segunda-feira, 103 altas médicas e 22 pessoas hospitalizadas, das quais cinco estão em estado crítico, duas em estado grave e 15 em atendimento. Catorze vítimas ainda estão desaparecidas e uma morreu.

Do ponto de vista econômico, além da perda de combustível, destacam-se a suspensão das operações no porto de Matanzas e a paralisação da usina termoelétrica Antonio Guiteras, a maior de Cuba, que hoje apresenta grandes déficits na geração de energia.


5 – Solidariedade

Em poucas horas após o incidente, o governo cubano apelou para ajuda internacional. Até segunda-feira, a ilha tinha recebido 22 doações, principalmente de suprimentos médicos, equipamentos para lidar com o fogo e alimentos. A maioria delas era destinada às pessoas que foram vítimas do incêndio ou que estavam lidando com ele.

O aeroporto internacional Juan Gualberto Gómez, em Varadero, havia recebido 14 vôos, a maioria proveniente do México e da Venezuela, que também enviou brigadas especializadas em lidar com este tipo de desastre.

Leia também: “Política genocida”: López Obrador endurece posição contra EUA por bloqueio a Cuba

Vários países, instituições, agências das Nações Unidas e movimentos de solidariedade têm enviado mensagens de apoio e vontade de cooperar em resposta às necessidades da nação caribenha.

Ao enviar equipamentos e recursos humanos, doações de sangue e apoio emocional, outras partes do país demonstraram sua solidariedade com a área afetada. O presidente Miguel Díaz-Canel disse que Cuba é Matanzas.

No Brasil, o movimento de solidariedade a Cuba arrecada recursos para enviar à ilha. A doação pode ser feita de acordo com os dados descritos abaixo:

Câmara Empresarial Brasil Cuba
Pix: CNPJ 34.131.511/0001-64
Depósito no Banco do Brasil:
Agência: 4770-8      Conta Corrente: 13844-4

Redação Prensa Latina | Matanzas


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul



Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

Lopez-Obrador-Claudia-Sheinbaum (2)
Eleições no México: sob legado de Obrador, esquerda caminha para vitória com Claudia Sheinbaum
Cópia de DIREITA TERÁ FORÇA PARA DERROTAR CONSTITUIÇÃO(124)
Roberto Requião: Saí do PT porque adotaram liberalismo econômico do Guedes
Luis Abinader
Política de Abinader contra refugiados do Haiti é contradição que ameaça economia dominicana
Carlos Rodríguez
"Milei provocou uma das recessões mais rápidas e profundas da história", diz ex-braço direito