Pesquisar
Pesquisar

A Alemanha nazista, o Brasil de Bolsonaro e os grandes empresários que apoiam golpes

Hugo Boss, Henry Ford e Rockefeller Foundation são alguns dos nomes que financiaram Hitler e apresentam um grave paralelo com a atualidade brasileira
Carlos Russo Jr
Diálogos do Sul Global
Florianópolis (SC)

Tradução:

Para as pessoas que observam a História e como ela realmente se desenvolveu, causa pouco espanto constatar que parcela dos megaempresários brasileiros, principalmente devedores do fisco e parceiros do Estado, alinham-se claramente por um golpe de Estado, desde que este beneficie seus negócios.

O UOL reproduziu reportagem publicada pelo site Metrópoles, que divulgou mensagens compartilhadas por empresários bolsonaristas em um grupo de WhatsApp defendendo um golpe de Estado, caso Lula (PT) seja eleito no pleito de outubro de 2022.

Assista na TV Diálogos do Sul

Além de ameaçarem um golpe, os empresários atacam instituições brasileiras como o STF (Supremo Tribunal Federal), o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e opositores da gestão Bolsonaro. Alguns mesmo chegam a sugerir a compra de votos de seus funcionários em troca de bônus! Outros, a inevitabilidade do “sangue rolar”.

Dentre os nomes do grupo estão Luciano Hang, dono da Havan, um dos maiores devedores da Receita FederalAfrânio Barreira, do Grupo Coco Bambu; José Isaac Peres, dono da administradora de shoppings Multiplan; José Koury, dono do Barra World Shopping, no Rio de Janeiro; Ivan Wrobel, da construtora W3 Engenharia; e Marco Aurélio Raymundo, dono da marca Mormaii, o empresário André Tissot, do Grupo Sierra. A estes se agrupam outros empresários com menor participação, como o caso de Meyer Nigri, da Tecnisa.

Como sublinhamos, isto realmente não nos surpreende. Afinal, a aventura nazista, que provocou a Segunda Guerra Mundial e ocasionou 80 milhões de mortos, somente foi possível porque Hitler também teve megaempresários amigos e financiadores.

Hugo Boss, Henry Ford e Rockefeller Foundation são alguns dos nomes que financiaram Hitler e apresentam um grave paralelo com a atualidade brasileira

Projeto Colabora
Aviões alemães voavam graças ao combustível da Standard Oil, hoje Exxon e Chevron

Os “amigos” e financiadores de Hitler

Como Bolsonaro em sua aventura golpista conta com o apoio e o engajamento da maioria dos ditos Bispos Evangélicos, no passado, Hitler e seus comparsas Mussolini e Franco contaram com o beneplácito da Igreja Católica e do Papa Pio II.

Em sua biografia, o historiador britânico John Cornwell chama o pontífice de “papa de Hitler”, descrevendo Pio XII como “antissemita”, narcisista e determinado a “promover o poder do papado”. “Ele foi um peão de Hitler”, grifou Cornwell.

Cannabrava | Candidato à reeleição cometeu 32 crimes e segue impune

Por outro lado, Hugo Boss vestiu os trajes de gala dos assassinos das SS nazistas. Bertelsmann publicou as obras que instruíram os oficiais nazi e dedicou sua mídia à aventura hitlerista.

Os aviões alemães voavam graças ao combustível da Standard Oil (hoje Exxon e Chevron), e os soldados nazistas viajavam em caminhões e jeeps da marca Ford.

Assista na TV Diálogos do Sul

Henry Ford, criador desses veículos e do livro “O Judeu Internacional”, foi sua musa inspiradora. Hitler agradeceu o grande empresário antissemita norte-americano, condecorando-o.

Assim como também condecorou a Thomas J. Watson, o então CEO da IBM, a empresa que tornou possível a identificação dos judeus por listagens e que tanto ajudou no genocídio de mais de 6 milhões de pessoas!

A Rockefeller Foundation financiou investigações raciais e racistas da medicina nazista. Joe Kennedy, pai do presidente Kennedy, era embaixador dos Estados Unidos em Londres, porém mais parecia embaixador da Alemanha.

Prescott Bush, pai e avô de dois presidentes norte-americanos, foi colaborador de Fritz Thyssen, “o rei do aço” alemão, que pôs sua fortuna à disposição de Hitler.

Deutsche Bank financiou a construção do campo de concentração de Auschwitz

O consórcio IGFarben, o gigante da indústria química alemã, que depois passou a se chamar Bayer, Basf ou Hoechst, usava como “ratos” de laboratório os prisioneiros dos campos de concentração, e além disso os usava como mão de obra. Estes operários escravos produziam de tudo, incluindo o gás que iria matá-los.

Os prisioneiros escravos trabalhavam até a morte também para outras empresas, como Krupp, Thyssen, Siemens, Vasrta, Bosch, Daimler Benz, Volkswagen e BMW, que foram a base econômica dos delírios nazistas.

Os bancos suíços poucas vezes fizeram tanto dinheiro fácil quando compraram de Hitler o ouro de suas vítimas: joias e dentes! O ouro entrava na Suíça com assombrosa facilidade, enquanto a fronteira estava completamente fechada para os fugitivos de carne e osso.

A Coca-Cola inventou a Fanta para o mercado alemão em plena guerra.

Nesse período, também Unilever, Westinghouse e General Eletric multiplicaram ali seus investimentos e seus lucros.

Quando a guerra terminou, a empresa ITT recebeu uma milionária indenização porque os bombardeios aliados haviam danificado suas fábricas na Alemanha.

Como vemos, não causa estranheza alguma o fato de uma parcela significativa do empresariado nacional, assim como do empresariado evangelista, associarem-se ao golpismo fascista de Bolsonaro!

Carlos Russo Juniorcolaborador da Diálogos do Sul.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Carlos Russo Jr Carlos Russo Jr., coordenador e editor do Espaço Literário Marcel Proust, é ensaísta e escritor. Pertence à geração de 1968, quando cursou pela primeira vez a Universidade de São Paulo. Mestre em Humanidades, com Monografia sobre “Helenismo e Religiosidade Grega”, foi discípulo de Jean-Pierre Vernant.

LEIA tAMBÉM

1fe87bc8-369d-4b78-beb4-3c0e60d7b520
Qual o preço da aprovação do furo do teto dos gastos? Saiu barato para o centrão!
60c4bd06-ab9f-4bd3-8926-d6d97b0e6289
Por mentir descaradamente durante eleições, Jovem Pan perde monetização no YouTube
a1478090-ccd2-4be6-a65e-9208a13c3341
Com derrota à crueldade fascista, RS dá fôlego à esquerda e retoma diálogo democrático
d3908a35-5d39-49e0-8e1b-a5eb2078d981
Fascistas nas ruas, serviço público precário e prefeito negligente: Porto Alegre volta a 1964