Pesquisar
Pesquisar

"A qualquer momento explodirá a forma como Brasil contribuiu para golpe na Bolívia", diz Evo Morales

De acordo com o boliviano, o embaixador da UE também teria participado no processo que resultou em sua derrubada do poder. Ele insistiu ainda que Macri deve ser julgado pelo envio de armas a seu país
Redação Diálogos do Sul
Diálogos do Sul
São Paulo (SP)

Tradução:

O envio de equipamentos bélicos de Argentina e Equador para a Bolívia tomou as páginas dos jornais latino-americanos nos últimos dias. O escândalo envolve os ex-mandatários argentino e equatoriano, Mauricio Macri e Lenín Moreno, respectivamente. Porém, a trama para derrubar o ex-presidente Evo Morales pode alcançar também o Brasil. É o que garante o próprio Evo. 

A denúncia feita pelo governo boliviano tomou maiores proporções com o pronunciamento do ex-presidente Evo Morales ao jornal argentino Página 12, onde assegurou que os embaixadores do Brasil e da União Europeia (UE) também participaram do golpe contra ele em 2019. 

“Dias antes do golpe, houve reuniões preparatórias. O embaixador brasileiro participou do golpe. Tenho certeza que a qualquer momento explodirá a forma como o Brasil contribuiu para o golpe. O embaixador da União Europeia também interveio. É um golpe com a participação da União Europeia, das lideranças dos EUA e dos peões”, disse.

O ex-presidente Mauricio Macri pode ser julgado na Bolívia pelo embarque do “material de guerra”.

Leia também:

Documentos revelam que ex-presidente argentino Mauricio Macri enviou armas para apoiar golpe de Estado na Bolívia

“Deixamos nas mãos da justiça boliviana todos os elementos e provas que existem, de atos ilegais e inconstitucionais. [Macri] deve ser processado na Bolívia ou onde quer que seja, para defender a democracia na América Latina”, enfatizou.

Na Bolívia, a pena para quem autoriza a entrada das armas no país, segundo a Constituição, é de 30 anos de prisão.

De acordo com o boliviano, o embaixador da UE também teria participado no processo que resultou em sua derrubada do poder. Ele insistiu ainda que Macri deve ser julgado pelo envio de armas a seu país

Reprodução Facebook / Evo Morales
A denúncia feita pelo governo boliviano tomou maiores proporções com o pronunciamento do ex-presidente Evo Morales.

Contrabando em apoio ao golpe na Bolívia

Na última segunda-feira (19), o ministro de governo boliviano, Eduardo del Castillo, apresentou parte das munições enviadas por Macri e Moreno após o golpe contra Evo Morales. O material foi encontrado nos depósitos da Polícia Boliviana.

Del Castillo informou à imprensa que em 13 de novembro de 2019, ingressaram em solo boliviano cerca de 27 mil cartuchos de balas de borracha, 28 gases aerossol MK-4, 19 gases aerossol MK-94, e dezenas de granadas de gás de diferentes tipos. 

Ainda no último domingo (18), o ministro da Defesa argentino, Agustín Rossi, afirmou que foi identificada a assinatura de Mauricio Macri nos documentos de envio do material bélico. 

Leia também:

Bolívia apresenta munições enviadas por ex-presidentes Mauricio Macri e Lenín Moreno para apoiar golpe contra Evo

Com base nas evidências, Del Castillo acusou por contrabando os ex-comandantes da Polícia Boliviana e da Força Aérea, Yuri Calderón e Jorge Terceros, assim como o ex-embaixador da Argentina na Bolívia, Normando Álvarez.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Diálogos do Sul

LEIA tAMBÉM

Gustavo Petro
Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU
Haiti
Haiti: há pelo menos 20 anos comunidade internacional insiste no caminho errado. Qual o papel do Brasil?
Betty Mutesi
“Mulheres foram protagonistas na reconstrução da paz em Ruanda”, afirma ativista Betty Mutesi
Colombia-paz
Possível retomada de sequestros pelo ELN arrisca diálogos de paz na Colômbia