Pesquisar
Pesquisar

A soberania e a dignidade da América Latina são decididas hoje na Venezuela, diz Cuba

Chanceler cubano criticou declarações de Trump e as classificou de "extraordinário cinismo e hipocrisia". "Representa um governo sem moral"
Granma
Granma
Havana

Tradução:

Em entrevista coletiva concedida na terça-feira (19) pelo chanceler cubano, Bruno Rodríguez, o governo cubano reiterou apoio e solidariedade com o presidente constitucional da Venezuela, Nicolás Maduro Moros, com a Revolução Bolivariana e Chavista e com a união cívico-militar do seu povo, e apelou a todos os povos e governos do mundo para defenderem a paz. 

O ministro das Relações Exteriores pediu que a Organização das Nações Unidas (ONU) apoie a soberania do povo venezuelano e não permita, em nenhuma circunstância, a interferência nos assuntos internos da nação, bem como a violação do direito internacional. 

“Menos de um quarto dos Estados reconhecidos pela ONU interferem nos assuntos internos da Venezuela. Devemos separar propaganda da realidade”, disse o chanceler.

“Medidas unilaterais e, portanto, ilegais, são aplicadas contra a República Bolivariana da Venezuela. Além disso, uma grande campanha de comunicação e política está em andamento; ela é, geralmente, o prelúdio de ações de maior escala do governo dos EUA”, explicou Bruno Rodríguez.

Cuba pediu uma mobilização pela paz, contra uma intervenção do império na América Latina, contra a guerra, por diferenças políticas ou ideológicas. “Nestas circunstâncias, só se pode ser a favor da paz ou contra a guerra”, disse o chanceler.

“Trump disse que o socialismo promete unidade, mas provoca ódio e divisão. Extraordinário cinismo, extraordinária hipocrisia. Ele é o representante de um governo sem moral”, disse Rodríguez.

O ministro das Relações Exteriores desafiou a intimidação de Donald Trump àqueles que “decidiram construir” a base das nações de maneira independente e socialista.

“O presidente Donald Trump está errado, o futuro de Cuba está aqui. Com medidas de bloqueio adicionais ou sem elas, o futuro de Cuba é decidido por cubanos e cubanos”, disse Rodríguez Parrilla.

“Construímos nosso próprio curso e nos preparamos para um triunfo de sucesso nos próximos dias. Escrevemos juntos esta nova Constituição e votaremos em 24 de fevereiro”, ratificou.

O Governo Revolucionário da República de Cuba denunciou, em comunicado recentemente divulgado, a escalada de pressão e ações do governo dos Estados Unidos para preparar uma aventura militar disfarçada de “intervenção humanitária” na República Bolivariana da Venezuela e convocada a comunidade internacional se mobilize para evitar que seja consumida.

Não deixe de assistir o programa da TV Diálogos do Sul sobre a Venezuela:

Texto continua após o vídeo:

É essencial lembrar que comportamentos semelhantes e pretextos semelhantes foram adotados pelos Estados Unidos no prelúdio das guerras que lançou contra a Iugoslávia, o Iraque e a Líbia, ao preço de imensas perdas de vidas humanas e enorme sofrimento.

Bruno acrescentou que o governo dos EUA está tentando eliminar o maior obstáculo representado pela Revolução Bolivariana e chavista ao exercício da dominação imperialista sobre Nossa América e a desapropriação do povo venezuelano da primeira reserva de petróleo certificada do mundo e outras grandes reservas estratégicas e recursos naturais.

“A soberania e a dignidade da América Latina e do Caribe e dos povos do Sul são decididas hoje na Venezuela. A sobrevivência das normas do Direito Internacional e da Carta das Nações Unidas também é decidida. É definido se a legitimidade de um governo emana da vontade expressa e soberana de seu povo ou do reconhecimento de potências estrangeiras”, disse o texto.

“O Governo Revolucionário” — afirma-se no documento — “reitera sua firme e inabalável solidariedade com o presidente constitucional Nicolás Maduro Moros, a Revolução Bolivariana e Chavista e a união cívico-militar do seu povo, e apela a todos os povos e governos do mundo para defender a paz”.

Veja a íntegra das declarações (em espanhol):


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Granma

LEIA tAMBÉM

Gustavo Petro
Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU
Haiti
Haiti: há pelo menos 20 anos comunidade internacional insiste no caminho errado. Qual o papel do Brasil?
Betty Mutesi
“Mulheres foram protagonistas na reconstrução da paz em Ruanda”, afirma ativista Betty Mutesi
Colombia-paz
Possível retomada de sequestros pelo ELN arrisca diálogos de paz na Colômbia