Pesquisar
Pesquisar
Foto: Comando Sul / X

Argentina acusa Irã de atentado a Amia como reflexo da aliança entre Milei e EUA

Conforme lembra o sociólogo Jorge Elbaum, a chefe do Comando Sul, Laura Richardson, visitou a Argentina recentemente: "alinhamento geopolítico"
Stella Calloni
Diálogos do Sul Global
Buenos Aires

Tradução:

Beatriz Cannabrava

Junto com as advertências do governo do primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu sobre um possível ataque iraniano – depois que suas forças bombardearam o consulado iraniano em Damasco (capital da Síria) –, a Câmara de Cassação da Argentina, após um longo silêncio, confirmou as penas contra os principais investigadores do sangrento ataque contra a Associação Mutual Judaica (Amia) em julho de 1994. Foi admitido que a investigação era escandalosa, havendo armadilhas, mentiras e circulação de dinheiro para tentar desviar a culpa e acusar o Irã e a Síria. Além disso, acrescentou o primeiro ataque (1992) na embaixada de Israel, o que nunca foi comprovado.

O ataque ao Amia deixou 85 mortos e 300 feridos, e a tragédia na embaixada deixou 22 mortos. Na mesma noite de 18 de julho de 1994, quando aconteceu o incidente ao Amia, chegou um avião com importantes funcionários da inteligência israelense, que sem nenhuma investigação, acusaram o Irã de ser o responsável pelo ataque.

Leia também | Documentário sobre atentado contra a Amia, na Argentina, expõe Lawfare contra Cristina

Era evidente que queriam apontar o dedo aos diplomatas iranianos. Até o então presidente da Delegação de Direita das Associações Israelenses Argentinas, Rubén Berajas, junto com o juiz encarregado do caso Juan José Galeano, que liderava aquela investigação, deram 400 mil dólares a Carlos Telleldín, vendedor de carros usados, para que acusasse diplomatas e policiais iranianos da província de Buenos Aires e desta capital.

Todos os detidos tiveram que ser libertos posteriormente. Segundo o analista Raúl Kollman, do Página/12, o dinheiro para essas movimentações foi fornecido pelo Serviço de Inteligência do Estado (Side) e pela fiscalização das autoridades judiciais do governo do ex-presidente, já falecido, Carlos Menem (1989-1999).

Julgamento constrangedor e Javier Milei

Após o constrangedor julgamento, “o juiz foi condenado a quatro anos de prisão, os procuradores Eamon Mullen e José Barbaccia a dois anos de suspensão, o antigo chefe do Lado, Hugo Anzorreguy, há quatro anos e meio; o ex-número dois da inteligência Juan Carlos Ancheza, a três anos de prisão; bem como três anos e meio para Telleldín e dois anos para sua esposa”.

Todos esses funcionários foram denunciados pela organização de familiares e amigos das vítimas. No entanto, em outra decisão, dois dos três juízes de cassação disseram novamente – essencialmente com base em relatórios de inteligência – que o Irã ordenou os ataques a Amia e à embaixada israelita nesta capital.

Leia também | Estado argentino assume falhas na prevenção e investigação do atentado contra Amia, em 1994

Kollman acrescentou que, neste momento, de acordo com o alinhamento do governo de Javier Milei com os Estados Unidos e Israel, “redigiram uma decisão que, inevitavelmente, será usada para a ofensiva dos EUA e de Israel contra (do seu ponto de vista retrógrado) o regime Teerã. Nesta resolução, destacou a juíza Ángela Ledesma, que se recusou a fazer qualquer consideração sobre a responsabilidade do Hezbollah ou do Irã, tendo em conta que este tema não faz parte do objeto dos recursos apresentados”.

O que chama a atenção neste momento é ver a mão por trás dessa decisão judicial abrupta e o que o presidente Javier Milei acabou destacando, após ser premiado em Miami pelos rabinos da seita sionista que pertence à Chabad Lubavitch, através de um comunicado enviado comemorando a decisão que “pôs fim a décadas de adiamento e encobrimento do caso Amia, determinando que os ataques contra a embaixada israelita e o fundo mútuo foram perpetrados pelo Hezbollah, sob os auspícios de organizações estatais da República Islâmica do Irã“.

“Tentativas de acobertamento”

Isto “revela as repetidas tentativas do Kirchnerismo para encobrir a responsabilidade do Irã e adiar esta decisão histórica, traindo o país em 2013 com a assinatura do chamado ‘Memorando de Entendimento‘, um pacto que promoveu e garantiu a impunidade terrorista”.

Por outro lado, o sociólogo, jornalista e primeiro presidente da Apelação Argentina, Jorge Elbaum, afirmou que a decisão “é mais um exemplo do alinhamento geopolítico do atual governo e de seus operadores judiciários em relação à visita da semana passada da chefe do Comando Sul dos Estados Unidos, Laura Richardson, e a convivência com governos de direita em todo o mundo, ou seja, Estados Unidos e Israel”.

Leia também | Comando Sul agenda primeira viagem à Argentina desde a posse de Milei; o que esperar da visita?

“Há um aspecto fundamental que é a ocultação e a falta de empatia com os familiares das vítimas. Ontem, anunciaram que tomaram conhecimento desta decisão através dos jornais locais. A Câmara nem teve a delicadeza de lhes enviar o debate ou o parecer”, acrescentou. Tudo o que aconteceu é visto como uma armadilha preparada por Israel.

La Jornada, especial para Diálogos do Sul – Direitos reservados.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Stella Calloni Atuou como correspondente de guerra em países da América Central e África do Norte. Já entrevistou diferentes chefes de Estado, como Fidel Castro, Hugo Chávez, Evo Morales, Luiz Inácio Lula da Silva, Rafael Correa, Daniel Ortega, Salvador Allende, etc.

LEIA tAMBÉM

José_Carlos_Mariátegui
O Amauta, mais urgente do que nunca no Peru
Francia-Márquez-Colômbia
O que se sabe sobre atentado contra pai de Francia Márquez, vice-presidenta da Colômbia
dina-boluarte-peru (1)
Autoritarismo, impunidade, corrupção: Boluarte conduz Peru à catástrofe
Lançamento-livro-palestina4
Livro “Genocídio Isola Israel: Desafio é Criar o Estado da Palestina” é relançado nesta quinta (20), em SP