Pesquisar
Pesquisar

Acusada de narcotráfico, esposa de El Chapo pode ser condenada à prisão perpétua

Caso declarada culpada, Emma poderá ser condenada a uma pena de no mínimo 10 anos a um máximo de prisão perpétua, mais multa de U$ 10 milhões
David Brooks
La Jornada
Nova York

Tradução:

Emma Coronel Aispuro foi apresentada pela primeira vez diante de um tribunal federal em Washington depois da sua prisão na segunda-feiraacusações contra ela e se ordenou sua detenção até seu julgamento, embora possa apresentar uma solicitação de liberdade sob fiança em um futuro próximo. 

Um dia depois de ser detida no aeroporto internacional Dulles nos arredores da capital estadunidense, Emma Coronel foi apresentada na breve audiência realizada via teleconferência (por causa da pandemia) ante a juíza Robin Meriweather do Tribunal Distrital dos Estados Unidos para o Distrito de Columbia, onde escutou as acusações contra ela e seus direitos

As acusações contra Emma Coronel na denúncia criminal, informou a juíza, são conspiração para distribuir e importar aos Estados Unidos cocaína, heroína, metanfetaminas e maconha, e também de “ajudar e incitar” estas operações ilícitas de narcotráfico.

Sobre o mesmo tema
Emma Coronel Aispuro, esposa de El Chapo é presa por narcotráfico nos Estados Unidos

A juíza Meriweather advertiu a acusada, que escutava desde um centro de detenção na Virgínia com uma intérprete traduzindo ao espanhol, que se for declarada culpada em um julgamento, a pena fixada para estes delitos seria de um mínimo de 10 anos a um máximo de prisão perpétua e uma multa de até 10 milhões de dólares (ou ambas as coisas).

Caso declarada culpada, Emma poderá ser condenada a uma pena de no mínimo 10 anos a um máximo de prisão perpétua, mais multa de U$ 10 milhões

Multimediosca.arg / Ilustração
Emma Coronel esteve presente durante parte do julgamento de seu esposo El Chapo

Prisão preventiva e sem previsão de fiança

O promotor federal, Anthony Nardozzi, solicitou o prisão preventiva até o julgamento da acusada pela gravidade das acusações, seu vínculo com o cartel de Sinaloa e os antecedentes de seu esforço para ajudar a fuga de seu esposo Joaquín El Chapo Guzmán no México.  

Argumentou que a esposa de El Chapo “trabalhou perto da estrutura de comando e controle” do cartel e sugeriu que ela tem acesso a recursos dessa organização e que, portanto, isso representa “um risco de fuga”.  

O advogado de defesa, Jeffrey Lichtman, informou à juíza que no momento não estava propondo uma liberdade sob fiança e com isso aceitou a detenção temporária de sua cliente. Indicou que apresentará uma solicitação de liberdade sob fiança em uma audiência futura. 

Assim, a juíza ordenou manter Emma Coronel Aispuro sob detenção sem fiança antes do julgamento embora tenha registrado que a defesa se reserva o direito de retomar esse tema e apresentar uma proposta de liberdade sob fiança em uma próxima audiência. 

Portanto, Emma Coronel estará encarcerada – por ora em Alexandria, Virginia- enquanto procedem as etapas iniciais de seu caso. Não foi fixada a data da próxima audiência, mas se espera que seja nas próximas semanas. 

Lichtman foi integrante da equipe de defesa de Joaquín El Chapo Guzmán Loera em seu julgamento em Nova York, que concluiu há dois anos. 

Acusação oficial ainda não foi apresentada

A ordem de detenção de Emma Coronel foi emitida no dia 17 deste mês, com base em evidência apresentada pelo agente especial Eric McGuire do Bureau Federal de Investigação (FBI), encarregado deste caso, o qual afirma que entre 2014 e até 19 de janeiro de 2017, Emma Coronel “conspirou consciente, intencional e voluntariamente com [Joaquín] Guzmán” para distribuir drogas ilícitas “sabendo e com a intenção de que tais substâncias seriam ilegalmente importadas aos Estados Unidos”.

Ainda não se apresentou uma acusação oficial no caso – a prisão e a detenção são em torno ao que se chama de uma “queixa criminal” – e portanto ainda não se apresentam as provas específicas para este caso, que por ora se sustenta só na declaração jurada do agente especial do FBI que está encabeçando esta investigação.

Ainda não se apresentam as provas específicas para este caso, que por ora se sustenta só na declaração jurada do agente especial do FBI

No entanto, durante o julgamento de El Chapo Guzmán em Nova York foram apresentadas provas e declarações de testemunhas cooperantes, incluindo ex-subordinados do narcotraficante e de quem se disse que era sua mão direita, Dámaso López Nuñez, implicando Emma Coronel nas operações de narcotráfico sob o comando de Guzmán dentro do cartel de Sinaloa como também no planejamento da fuga de seu esposo.

Nessa época, alguns observadores perguntavam se ela – que esteve presente durante parte do julgamento de seu esposo – seria presa eventualmente pelas autoridades estadunidenses. 

Também os quatro filhos mais velhos de El Chapo foram formalmente acusados de narcotráfico e são considerados foragidos da justiça nos Estados Unidos.

Embora não se soubesse até segunda-feira que o Emma Coronel estava sob investigação das autoridades estadunidenses, os quatro filhos mais velhos de El Chapo foram formalmente acusados de narcotráfico e são considerados foragidos da lei nos Estados Unidos. 

David Brooks, correspondente de La Jornada em Nova York, 23 de fevereiro.

La Jornada, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.

Tradução: Beatriz Cannabrava

Edição: João Baptista Pimentel Neto


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul


Assista na Tv Diálogos do Sul


   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

Trump
À frente em 5 estados-chave, Trump tira de Biden eleitores historicamente democratas
Carles Puigdemont (1)
Sugestão de Puigdemont após eleição na Catalunha cria tensão com governo Sánchez; entenda
Andrei Belousov - Rússia (1)
Rússia: bem-sucedida no front, estratégia militar vai se manter com novo ministro da Defesa
imigrantes-eua
Para agradar republicanos e democratas, Biden aprova medida que facilita expulsão de imigrantes