Pesquisar
Pesquisar

Agricultores e pecuaristas espanhóis protestam contra regulamentações do setor

Manifestantes rurais declaram receber baixo custo pela produção e exigem demissão de ministro de Consumo, Alberto Garzón
Armando G. Tejeda
La Jornada
Madri

Tradução:

Milhares de pessoas se manifestaram nas ruas de Madri para advertir da “situação insustentável” na qual se encontra o chamado “setor primário”, ou seja, os agricultores, pecuaristas e as atividades vinculadas ao mundo rural espanhol que está vivendo uma das piores etapas das últimas décadas. 

Apesar do alto consumo de produtos agrícolas, o trabalhador do campo está no limite, recebendo quase sempre um preço abaixo do custo de produção ou ligeiramente superior, e sofrendo regulamentações que os obrigam a modificações permanentes em sua atividade. 

O divórcio entre o mundo rural espanhol e o governo do socialista Pedro Sánchez está mais álgido que nunca. Na mobilização participaram mais de seis mil, segundo a Delegação do Governo, e mais de 20 mil, segundo os organizadores.

Procedentes de todos os pontos do país chegaram com seus tratores, a cavalo, com carretas puxadas por bois, também havia burros, cães de caça e ovelhas. Fizeram soar sinos, panelas, apitos e buzinas para lançar uma mensagem de desespero, na qual acusam o Executivo de uma boa parte dos seus problemas. 

Manifestantes rurais declaram receber baixo custo pela produção e exigem demissão de ministro de Consumo, Alberto Garzón

FACEBOOK / REPRODUÇÃO
Relação entre mundo rural espanhol e governo do socialista Pedro Sánchez é delicada.

Demissão do ministro de Consumo, Alberto Garzón

Além de exigir uma mudança nas regulamentações do setor primário, o mundo rural demanda a demissão do ministro de Consumo, Alberto Garzón, que forma parte da quota de Unidas Podemos no governo, por declarações recentes nas que advertia que a carne produzida na Espanha nas chamadas “granjas intensivas” era de pior qualidade.

O problema é que essas afirmações, mesmo que fosse verdade, ele as fez em um meio de comunicação inglês – The Guardian-, sendo que o mercado britânico é o principal importador da carne produzida na Espanha. O mundo rural o apontou como o principal responsável pelos “ataques econômicos e ideológicos que põem em perigo nossa subsistência”.

Espanha, que inspirou reforma trabalhista, revoga medida; Lula indica querer fazer o mesmo no Brasil

A manifestação foi convocada pela Associação para o Desenvolvimento e a Defesa do Mundo Rural, integrada por 300 associações do setor primário de todo o país, que se uniram para denunciar a “situação insustentável” na qual se encontram, por causa dos baixos preços de seus produtos, que atribuíram em grande medida à “competição desleal” de outros países.

O cartaz que presidia o protesto dizia:” Até quando pensais arruinar-nos?”. 

O protesto foi apoiado por todos os partidos de oposição de direita, do Partido Popular, Ciudadanos e Vox, que também estão de olho nas eleições regionais de 14 de fevereiro em Castilla y León, uma das regiões com maior setor primário. Nestas eleições, veremos até que ponto a ruptura entre o mundo rural e o atual governo espanhol foi consumada. 

Armando G. Tejeda, Correspondente de la jornada en Madri

Tradução Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul

 


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

VocêSe pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Armando G. Tejeda Mestre em Jornalismo pela Jornalismo na Universidade Autónoma de Madrid, foi colaborador do jornal El País, na seção Economia e Sociedade. Atualmente é correspondente do La Jornada na Espanha e membro do conselho editorial da revista Babab.

LEIA tAMBÉM

Wu Qian - China
Líder em Taiwan empurra compatriotas para situação perigosa de guerra, afirma China
Rússia-Defesa
Kremlin manda prender altos funcionários da Defesa por corrupção; entenda o caso
Rafah-ataque-Israel
Fepal: Como Alemanha nazista, Israel deve ser parado pela força das armas
Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu