Pesquisar
Pesquisar

Agricultura, química e turismo: novos acordos China-Rússia vão além da área energética

A similitude de ideias, o entendimento, a comunicação e a confiança demonstram que as relações bilaterais alcançaram um nível sem precedentes
Odette Díaz Fumero
Prensa Latina
Moscou

Tradução:

A visita do presidente do gigante asiático, Xi Jinping, a Moscou, de 20 a 22 de março, e os diálogos com seu homólogo russo Vladimir Putin, levaram aos recentes acordos com que buscam garantir um desenvolvimento contínuo graças aos esforços de ambas as partes.

Os documentos informam que Moscou e Pequim não pretendem, com o fortalecimento de seus vínculos, criar um bloco de confronto, “nem estão voltados contra terceiros países”.

Assista na TV Diálogos do Sul

E ainda, que as declarações “não estão sujeitas a influências externas e demonstram vitalidade e energia positiva”; também constatam que as tentativas de substituir os princípios e normas geralmente aceitos do direito internacional por uma ordem baseada em regras, como pretende impor o Ocidente coletivo, “são inaceitáveis”.

Emitiram a Declaração Conjunta sobre o Aprofundamento da Associação Integral e a Cooperação Estratégica Entrando em uma Nova Era, e a Declaração Conjunta sobre o Plano de Desenvolvimento para Áreas Chave da Economia Russo-Chinesa até 2030.

China vai absorver gás recusado pela Europa e fábricas ocidentais desativadas na Rússia

Estes documentos têm entre seus principais objetivos prestar um firme apoio aos interesses fundamentais da outra parte, especialmente soberania, integridade territorial, segurança e desenvolvimento.

“Aprofundar e ampliar continuamente a cooperação prática no processo de modernização para a prosperidade, promover a compreensão mútua e a aproximação entre os povos, e fortalecer sem cessar a base social e cívica da amizade intergeracional”, rezam outras das diretrizes dos textos.

Igualmente, ambos governos apostam em impulsionar uma ordem mundial multipolar, a globalização econômica e a democratização das relações internacionais, além de fomentar desenvolvimento da governança mundial de maneira mais equitativa e racional.

A similitude de ideias, o entendimento, a comunicação e a confiança demonstram que as relações bilaterais alcançaram um nível sem precedentes

Kremlin
Cooperação integral envolve comércio, investimentos e grandes projetos que resistem à prova do tempo e também a pressões ocidentais




Distanciados de uma democracia suprema

Em suas declarações à imprensa depois das conversas oficiais, Putin e Xi confirmaram que cada Estado possui suas próprias características históricas, culturais e nacionais, e que “tem o direito de escolher seu próprio caminho de desenvolvimento”, sem necessidade de uma “democracia suprema”.

Nesse sentido, o mandatário russo insistiu em que Moscou e Pequim opõem-se a que um Estado imponha a outro seus valores, trace linhas ideológicas, crie uma falsa narrativa sobre a suposta oposição entre democracias e autocracias, e utilize a democracia e a liberdade como pretextos e instrumentos políticos para exercer pressão sobre outros.

Com ameaças e “oferta ridícula”, plano dos EUA para asfixiar Rússia fracassa na Ásia

A esse respeito, Putin destacou que seu Governo concede “grande importância” e estudará a Iniciativa de Civilização Global chinesa.

Reafirmou o compromisso de Moscou com o princípio de “uma só China”, reconhecendo que Taiwan é parte integrante da nação asiática, ao mesmo tempo em que declarou que “opõe-se à independência da ilha em qualquer de suas formas”, apoiando firmemente as ações de Pequim para proteger sua soberania estatal e integridade territorial.


Associação econômica, pedra angular

A consolidação da cooperação mutuamente benéfica no setor financeiro marca a rota dos dois países frente à guerra de sanções imposta arbitrariamente pela administração dos Estados Unidos e de seus aliados da Europa.

Para alcançar as metas propostas para 2030, as autoridades das duas potências garantirão a fluidez dos pagamentos entre suas entidades mediante um maior uso das moedas nacionais no comércio bilateral, nos investimentos, nos empréstimos e em outras transações comerciais e econômicas.

O presidente do banco russo VTB, Andrey Kostin, membro da equipe negociadora, disse em entrevista à imprensa que a economia de seu país demonstrou que seguirá resistindo aos embates das ações hostis, inclusive com a ajuda dos sócios e, em primeiro lugar, da China.

“Temos muitas expectativas, particularmente dadas as circunstâncias. Creio que deveríamos almejar que o nível de nosso comércio alcance cerca de 500 bilhões de dólares”, acrescentou.

Antes de aplicar plano de paz da China, Rússia quer garantir segurança de Donetsk e Lugansk

Kostin advogou por diversificar os vínculos com Pequim, os quais se concentram principalmente na área energética, mas que podem expandir-se a outros setores, como a agricultura, a química e o turismo.

“Damos as boas vindas aos turistas chineses, e também esperamos mais produtos da China, tanto de alta tecnologia, que servirão para substituir a tecnologia ocidental que recebemos, como produtos de consumo”, concluiu.

No encerramento das negociações, das quais resultaram 10 documentos reitores além das declarações, Moscou e Beijing propuseram-se a levar a cabo uma “associação energética ainda mais estreita” com vistas a apoiar suas empresas na execução de projetos de cooperação nos setores de petróleo, gás, carvão, eletricidade, energia nuclear e outros.

Também concordaram em proteger em conjunto a segurança energética internacional, inclusive as infraestruturas transfronteiriças críticas, a estabilidade da produção de energia e as cadeias de abastecimento. Também promoverão transições energéticas justas em nível global.


Diálogo é igual a paz na Ucrânia

Outro tema abordado em profundidade por Putin e Xi foi a busca de uma solução para o conflito russo-ucraniano, tema em que ambos concordaram na necessidade do diálogo como principal via para a paz.

Advogaram pelo cumprimento dos objetivos e dos princípios da Carta da ONU, assim como pelo respeito ao direito internacional.

Assista na TV Diálogos do Sul

O líder chinês lembrou que em fevereiro publicaram sua posição sobre uma solução política para a crise da Ucrânia, baseada em uma postura objetiva e imparcial, e na qual propõe ativamente a reconciliação e o restabelecimento das negociações. “Nossa posição se baseia na própria essência do problema e da verdade. Sempre defendemos a paz e o diálogo; estamos firmemente do lado correto da história”, enfatizou Xi.

Putin afirmou que muitos dos preceitos do plano de paz da China estão de acordo com os enfoques russos e podem ser tomados como base para um acordo pacífico quando estejam prontos para isso no Ocidente e em Kiev. “No entanto, até agora não observamos tal disposição”, acrescentou.

“Para resolver a crise ucraniana, é necessário respeitar as preocupações legítimas de todos os países no âmbito da segurança e prevenir a formação de enfrentamento entre blocos, assim como pôr fim a ações que contribuem para a escalada do conflito”, diz a declaração assinada pelas partes.

Frente à incessante entrega de armamentos ao regime de Kiev, e às provocações sobre a utilização de arsenal nuclear feitas por Washington, Londres e outros aliados, ambos presidentes reafirmaram que “não haverá vencedores em uma guerra nuclear” e que “nunca deve desencadear-se uma corrida armamentista”.

Os líderes da China e da Rússia também expressaram sua preocupação com a “intensificação dos esforços globais de defesa antimísseis dos Estados Unidos” e a implantação de seus elementos em diversas regiões do mundo, junto com o desenvolvimento de capacidades de armas não nucleares de alta precisão para o desarmamento e outros usos estratégicos.

Concordaram em solicitar ao Governo estadunidense que deixe de prejudicar a segurança internacional e regional, e a estabilidade estratégica global, para assegurar vantagem militar unilateral.

A similitude de ideias, o entendimento, a comunicação e a confiança demonstrados na recente cúpula entre os presidentes da Rússia e da China, demonstram que as relações bilaterais alcançaram um nível sem precedentes.

E isto em um quadro de cooperação integral que envolve comércio, investimentos e grandes projetos em muitos campos, que resistem à prova do tempo e também a pressões ocidentais.

Odette Díaz Fumero | Correspondente da Prensa Latina na Rússia.
Tradução: Ana Corbisier.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul




Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Odette Díaz Fumero

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação