Pesquisar
Pesquisar

Altamiro Borges | A culpa é de quem? CPI da Pandemia estimula briga entre olavistas e militares

"O receio é que os olavistas sejam convocados na CPI para apontar erros de Pazuello, tal qual o ex-secretário de Comunicação Fábio Wajngarten fez à revista Veja
Altamiro Borges
Blog do Miro
São Paulo (SP)

Tradução:

A CPI do Genocídio deve esgarçar ainda mais as relações já tensas no laranjal bolsonariano.

Em notinha postada na quarta-feira (28), a revista Época revela que “o Palácio do Planalto teme que a guerra entre o enfraquecido núcleo ideológico, formado pelos apoiadores mais radicais de Jair Bolsonaro, e o núcleo militar, cause um bombardeio em cima de Eduardo Pazuello na CPI da Pandemia“.

Leia também
Di Mauro | CPI da pandemia colocará luzes sobre a política genocida adotada pelo governo Bolsonaro

“O receio é que os olavistas sejam convocados na CPI para apontar erros de Pazuello, tal qual o ex-secretário de Comunicação Fábio Wajngarten fez à revista Veja, e isso leve o ex-ministro da Saúde a fazer o mesmo em seu depoimento. Só que, ao detonar olavistas, Pazuello pode acabar entregando segredos que coloquem a cabeça de Jair Bolsonaro a prêmio”.

"O receio é que os olavistas sejam convocados na CPI para apontar erros de Pazuello, tal qual o ex-secretário de Comunicação Fábio Wajngarten fez à revista Veja

Br.notícias
Moro ataca Olavo, que ataca general, que ataca olavistas, que atacam o povo….

O medaço do Clube Militar

Outra prova de que o clima está tenso com a criação da CPI foi a nota divulgada nesta quarta-feira pelo Clube Militar, que reúne os milicos de pijama saudosos dos tempos da ditadura.

Leia também
Governo Bolsonaro mobiliza “gabinete do ódio” para atacar senadores que integram CPI da Covid

Esbravejando contra “o poder das trevas no Brasil”, ela ataca o STF, o Congresso Nacional e os governadores. Mas o seu principal alvo é a CPI do Genocídio – o que confirma o pânico dos militares.

Entre outras agressões, a nota assinada pelo general Eduardo José Barbosa, presidente da entidade golpista, afirma que “bastou a eleição de um presidente que acredita em Deus para que todo o inferno se levantasse contra ele… E como ‘as trevas’ têm poder devastador, no dia 27 de abril de 2021, instalou-se uma CPI no Senado Federal… O resultado dessa ‘investigação’ todos já sabemos: culpar o Presidente por aquilo que não o deixaram fazer”.

Talvez para defender os privilégios da instituição e as boquinhas do laranjal bolsonariano – são quase 7 mil oficiais em cargos no atual governo –, a nota do Clube Militar desqualifica todas as forças vivas da nação – “extrema mídia”, congressistas, magistrados.

Ela agride o próprio povo brasileiro. “Acovardada é a população que aceita o cerceamento de suas liberdades pétreas passivamente”.

A treva do general que toma vacina escondido

Ao final, ela prega abertamente um novo golpe militar, propondo que o “mito” Jair Bolsonaro “utilize o artigo 142 da Constituição (vigente) para restabelecer a Lei e a Ordem.

Leia também
Governo Bolsonaro negligenciou, omitiu e patrocinou catástrofe que estamos vivenciando

“Que as algemas voltem a ser utilizadas, mas não nos trabalhadores que querem ganhar o sustento dos seus lares, e sim nos verdadeiros criminosos que estão a serviço do ‘Poder das Trevas’”.

Haja medaço dos milicos!

Em tempo:

Diante de tamanha maluquice, vale reproduzir o tuíte de resposta do deputado Marcelo Freixo (PSOL-RJ):

“O Clube Militar disse que a CPI da Covid é a ‘treva no Brasil’. Treva é general tomar vacina escondido por medo do capitão cloroquina. Treva é aceitar que as Forças Armadas sejam tratadas como se fossem uma milícia presidencial. Treva é apoiar um governo corrupto e genocida”.

Altamiro Borges jornalista e editor do Blog do Miro


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Altamiro Borges

LEIA tAMBÉM

Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
mães - palestina
Dia das Mães: algumas mães só querem a paz de presente, lembra ato pró-Palestina em Brasília
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização
Lula - 1 de maio
Cannabrava | Lula se perdeu nos atos de 1º de maio