Pesquisar
Pesquisar

América Latina ameaçada: Colômbia se torna braço externo da Otan

Recentemente, Washington enviou 40 blindados à Bogotá para "fortalecer suas capacidades operacionais" e "reforçar os laços de cooperação"
Redação Sputnik Brasil
Sputnik Brasil
Rio de Janeiro (RJ)

Tradução:

“Notifico minha intenção de designar a Colômbia como aliado importante fora da OTAN. Faço esta designação em reconhecimento da importância da relação entre os EUA e a Colômbia e das contribuições cruciais da Colômbia à segurança regional e internacional”, escreveu Biden em carta enviada ao Capitólio.

Desta forma, os colombianos terão acesso ao material bélico norte-americano e receber empréstimos para obter equipamento militar e de pesquisa, bem como tecnologia espacial e participação em operações conjuntas com o Pentágono.

“Agora somos aliados oficiais, pois agora a Colômbia também é um Aliado Principal Não Membro da OTAN. Tudo isso indica que há uma aliança, uma amizade estratégica que segue e que queremos seguir no futuro.”

Os EUA já vinham apoiando a Colômbia há tempos, inclusive tentando usar o país em sua “luta” contra a Venezuela.

Recentemente, os norte-americanos enviaram 40 blindados à Colômbia, para “fortalecer suas capacidades operacionais” e “reforçar os laços de cooperação” entre os dois países.

Essa pode ser mais uma investida dos EUA em se aproximar e enviar armas para lutar contra a Venezuela, tal como tentou em um passado recente.

Recentemente, Washington enviou 40 blindados à Bogotá para "fortalecer suas capacidades operacionais" e "reforçar os laços de cooperação"

Foto / Twitter / Ministério da Defesa da Colômbia
O presidente norte-americano, Joe Biden, confirmou a designação da Colômbia como aliado externo da OTAN,

Nicolás Maduro, presidente da Venezuela, acusou recentemente seu homólogo da Colômbia, Iván Duque, de planejar uma série de ataques contra seu país, durante um discurso no Primeiro Encontro Nacional de Ativistas do Movimento Somos Venezuela.

Em fevereiro de 2020, o presidente venezuelano acusou os EUA e a Colômbia de ordenarem um “ataque terrorista” contra um armazém de empresas de telecomunicações estatais no estado de Carabobo, no centro da Venezuela.

Em outubro de 2020, Nicolás Maduro culpou Duque e o ex-presidente colombiano Álvaro Uribe por um ataque à refinaria de Amuay, no noroeste venezuelano, o que qualificou como parte de uma “guerra suja” e “desprezível” contra as “indústrias fundamentais” do país.

Já em março de 2021 o alto responsável da Venezuela pediu às Forças Armadas Nacionais Bolivarianas (FANB) para “ter cuidado” com operações realizadas na fronteira com a Colômbia contra grupos armados irregulares, declarando que Duque estava procurando gerar um conflito entre os dois países em aliança com o Comando Sul dos EUA.

Redação Sputnik Brasil



As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul



Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Sputnik Brasil

LEIA tAMBÉM

Cuba
EUA tiram Cuba de lista sobre terrorismo: decisão é positiva, mas não anula sanções
76a8901f-0233-449f-86af-70fbd36aa70f
Como tráfico de armas a partir dos EUA alimenta altas taxas de homicídio no Caribe
c600a324-a232-4428-a936-6c4b7a2fe9e8
Além de usurpar recursos, EUA aparelham Peru para minar relações com China e Rússia
bfc59549-46d5-45f8-84c7-b0d3e6d92ea3
Sanções, migração e petróleo: como relações com Venezuela impactam eleições nos EUA